usina nuclear

Belarus diz garantir energia elétrica na central de Chernobyl

Planta nuclear fica na fronteira com Belarus e foi tomada pela Rússia em 24 de fevereiro passado, primeiro dia do conflito ainda em curso

AFP
Cadastrado por
AFP
Publicado em 16/03/2022 às 9:03
SERGEI SUPINSKY / AFP
Cúpula protetora gigante construída sobre o sarcófago cobrindo o quarto reator destruído da Usina Nuclear de Chernobyl - FOTO: SERGEI SUPINSKY / AFP
Leitura:

Belarus está garantindo o fornecimento de energia para a central nuclear ucraniana de Chernobyl, local do pior desastre nuclear do mundo em 1986 - anunciaram autoridades da região bielorrussa de Gomel, citando seu Ministério da Energia.

"A alimentação elétrica da central de Chernobyl foi completamente restaurada", declarou o ministério, em um comunicado divulgado no canal de Gomel no aplicativo Telegram.

"No momento, o fornecimento de eletricidade à infraestrutura da central está assegurado pela rede bielorrussa", acrescentou a nota.

A planta nuclear fica na fronteira com Belarus e foi tomada pela Rússia em 24 de fevereiro passado, primeiro dia do conflito ainda em curso.

O fluido elétrico da unidade foi cortado pela primeira vez na semana passada, e restabelecido no domingo seguinte. Na segunda-feira, o operador ucraniano Ukrenergo acusou os militares russos de voltarem a cortar a energia da instalação.

À noite, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) informou, no Twitter, ter recebido informações da Ucrânia de que o "serviço elétrico externo" foi restabelecido um dia depois de a linha de abastecimento ter sido cortada "pelas forças de ocupação".

"O pessoal retomou as operações para reconectar a central à rede elétrica", completou a agência.

Os reatores nucleares de Chernobyl permanecem desligados, dentro de um enorme sarcófago de aço e concreto. Precisam de eletricidade, porém, para o funcionamento dos sistemas de segurança, que incluem o do resfriamento do local de armazenamento do combustível nuclear usado.

Recentemente, no entanto, a AIEA afirmou que, dado o tempo decorrido desde o acidente de 1986, "a carga térmica da piscina de depósito de combustível usado e o volume de água de resfriamento são suficientes para garantir a saída eficaz de calor sem eletricidade".

Últimas notícias