ARTIGO

Reajustes abusivos nos planos de saúde: a visão de um advogado

"É preciso protestar contra estes absurdos aumentos e incentivar os usuários a buscarem seus direitos na justiça

Ivan Pinto da Rocha
Ivan Pinto da Rocha
Publicado em 13/02/2021 às 7:02
NE10
O mais preocupante de tudo foi a falta de transparência nas negociações e a ausência de base para justificar a alta das mensalidades - FOTO: NE10
Leitura:

Hodiernamente, analisa-se causas de usuários que possuem contrato de assistência à saúde e questionam como exagerados os reajustes anuais aplicados unilateralmente nos pactos coletivos, aqueles firmados através de um estipulante.

Registre-se que na totalidade das hipóteses recebidas se verifica não se coadunarem com a real variação do custo médico hospitalar e nem com o número de sinistros ocorridos dentro do período estudado. O mais preocupante de tudo foi a falta de transparência nas negociações e a ausência de base para justificar a alta das mensalidades.

Como é de elementar sabença, nesse tipo de avença, as administradoras, em regra, não estão obrigadas a respeitar os limites divulgados anualmente pela ANS, como é feito na contratação individual, pois prevalece o princípio da livre negociação, já que a figura do estipulante, a qual teria a função de buscar as melhores condições para os beneficiários e seus dependentes, como mandatária, tornaria a relação jurídica equilibrada.

Como se vê, a ideia é tornar os prêmios mais vantajosos e ao mesmo tempo garantir pontualidade, favorecendo sobremaneira todo o setor securitário. No entanto, na prática, isto vem favorecendo apenas as operadoras que chegam a impor reajustes maior que o dobro do limite autorizado pela ANS em contratos individuais, prejudicando milhões de brasileiros nessa condição que precisam acionar o judiciário a fim de solucionar tal problema e dar continuidade a relação contratual, na forma da lei e justiça, pois não conseguem arcar com tal exorbitância.

Portanto, é preciso protestar contra estes absurdos aumentos e incentivar os usuários a buscarem seus direitos na justiça, enquanto a ANS não estabelecer limites na "livre" negociação coletiva ou equiparar de vez ao teto divulgado para apólices individuais e seus disciplinamentos a respeito dos reajustes nos prêmios.

O contrato é aleatório, mas não deixa de ser bilateral e sinalagmático e qualquer avença que vá de encontro a estes caracteres essenciais deve ser considerada nula de pleno direito, sobremodo a que tenta impor condição exagerada contra o consumidor de boa-fé, mesmo que não se aplique o avançado Código de Defesa do Consumidor em determinadas hipóteses.

Ivan Pinto da Rocha, advogado e pós-graduado pela UFPE

 *Os artigos são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a opinião do JC

Comentários

Últimas notícias