opinião

Negócios e padrões ambientais e sociais com foco para além dos lucros

Os atuais investidores esperam que os empresários, ao exercerem uma atividade empresarial organizada para a produção e a circulação de bens ou de serviços, tenham como foco, além do lucro, uma responsabilidade social e ambiental.

CLÁUDIO SÁ LEITÃO
CLÁUDIO SÁ LEITÃO
Publicado em 18/02/2022 às 0:00
Reuters/SUSANA VERA
aquecimento global Mudança climática jovens mobilização - FOTO: Reuters/SUSANA VERA
Leitura:

A sigla ASG, que se refere aos padrões ambientais, sociais e de governança, traduzida do inglês "Environmental, Social and Governance (ESG)", vem se tornando uma crescente realidade. Não é à toa que os governos, as empresas e a sociedade, de uma forma geral, estão cada vez mais conscientes, quanto a importância da adoção das melhores práticas, relacionadas com os aspectos ambientais, sociais e empresariais. No Brasil, os órgãos reguladores, tais como a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e o Banco Central do Brasil (BACEN), entre outros, vêm revisando e incorporando as novas práticas e regras, no intuito de mensurar os impactos ambientais e sociais das empresas, visando a sustentabilidade dos negócios.

A análise do cumprimento de questões relacionadas com ASG/ESG tem sido atentamente observada por investidores, como fatores para avaliar a sustentabilidade e o potencial de crescimento de uma empresa. Como o mundo está bastante conectado, as informações circulam rapidamente e as empresas passam a ter um nível de exposição maior perante os investidores, os clientes, os fornecedores e os colaboradores. Com isso, o lucro passa a não ser mais o fator principal a ser considerado como medida de sucesso de uma empresa. Os investimentos em ASG/ESG requerem dos empresários uma maior reflexão, quanto as necessidades de uma compreensão mais abrangente, pois a adoção de boas práticas de governança tende a afetar positivamente as pessoas, as comunidades e o meio ambiente, trazendo benefícios que podem impactar no resultado da própria empresa.

Em outras palavras, a realização de investimentos sustentáveis, por meio da implementação das práticas ASG/ESG, possibilita uma melhora na imagem da empresa, bem como um aumento de lucratividade e a criação de um ambiente de desenvolvimento sustentável a longo prazo. É importante destacar que não se trata apenas de gerar valor aos negócios, mas também de evitar práticas danosas a comunidade, ao meio ambiente e aos colaboradores, além de haver a possibilidade de expor a empresa a elevados prejuízos financeiros e ou da imagem.

Quando se fala de investimentos em ASG/ESG, também, está sendo levado em consideração o eventual encontro de oportunidades nos modelos de negócios existentes, que visam realizar melhoramentos nos processos utilizados, tais como a obtenção de certificações de boas práticas, as quais podem ser administrativas, ambientais, laborais e financeiras. Para alcançar tais certificações, faz-se necessária a implantação de práticas/mecanismos de governança que permitam uma gestão mais eficiente dos recursos existentes e de uma maior valorização dos colaboradores, entre outros.

Os atuais investidores esperam que os empresários, ao exercerem uma atividade empresarial organizada para a produção e a circulação de bens ou de serviços, tenham como foco, além do lucro, uma responsabilidade social e ambiental. Diante disso tudo, fica evidente que os investimentos na agenda ASG/ESG são fatores essenciais para o aumento do valor do negócio.

Cláudio Sá Leitão, conselheiro pelo IBGC e CEO da Sá Leitão Auditores e Consultores.

 

Comentários

Últimas notícias