covid-19

Após cidades adotarem lockdown no Brasil, prefeito de Petrolina afirma que vai endurecer medidas restritivas no município

Miguel Coelho afirma que se for necessário, tomará medidas mais drásticas como apagar a iluminação das ruas para evitar a circulação de pessoas

Manuela Figuerêdo
Manuela Figuerêdo
Publicado em 06/05/2020 às 10:25
Notícia
Reprodução/Redes Sociais
Prefeito Miguel Coelho fala em vídeo no Facebook - FOTO: Reprodução/Redes Sociais
Leitura:

Mais de um mês após o início das primeiras medidas de isolamento social no Brasil, outras formas de contenção mais restritas têm sido adotadas pelos Estados do País, como lockdown que acontece em cidades do Maranhão, Pará Ceará. Em Petrolina, o prefeito Miguel Coelho (PMDB) postou um vídeo no Facebook em que afirma endurecer ainda mais as medidas restritivas contra o coronavírus. Ele não chegou a falar de lockdown, mas que pode precisar tomar medidas mais drásticas.

>>Interior de Pernambuco receberá 500 leitos para covid-19

“Nos últimos dias percebemos que algumas pessoas não estão respeitando as medidas de isolamento e prevenção, na última semana, tanto é que menos da metade da população tem ficado em casa, com isso, ligou nosso alerta. Hoje tivemos reunião com a equipe de segurança e amanhã estaremos com a Policia Militar para que possamos traçar um plano para as pessoas ficarem em casa.

Ainda, reforça: “O comércio continua fechado e as pessoas só devem sair de casa para serviços essenciais. A prefeitura não vai deixar de tomar medidas mais drásticas se necessário, como apagar a iluminação das quadras, para que possam fazer que as pessoas fiquem em casa. Já registramos o primeiro óbito na cidade e não queremos ver esse número crescer”, afirma o prefeito.

Até a manhã desta quarta-feira (6), o número confirmados de covid-19 em Petrolina são de 52 casos e 1 morte.

Veja postagem

 

 

 

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias