CAMPANHA

Doações de máscaras e respiradores ajudam a preservar a vida

Projeto Atitude Cidadã - Está em nossas mãos, do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação, mostra como a fabricação e doação de máscaras e EPIs são importantes na lusta contra o novo coronavírus

JC
JC
Publicado em 08/05/2020 às 6:53
Notícia
FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
Ao usar máscaras, população se protege e evita a disseminação da covid-19, que somente em Pernambuco já infectou mais de 10 mil pessoas - FOTO: FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
Leitura:

Atitude Cidadã. Está em nossas mãos
Selo do projeto Está em Nossas Mãos - Atitude Cidadã. Está em nossas mãos

"Pegue sua máscara, é gratuita. Queremos ver você bem”. Com essa frase estampada numa placa na frente de uma das fábricas, a empresa Rota do Mar, de Santa Cruz do Capibaribe, no Agreste pernambucano, convidou a população a se proteger do novo coronavírus. Em Garanhuns, também no Agreste, a Ferreira Costa contribuiu com a confecção de 40 mil máscaras, feitas por artesãs, e entregues em feiras livres, supermercados, lotéricas e bancos.

>> Veja lista de instituições que precisam de você para ajudar quem sofre com a pandemia do coronavírus

Em Belo Jardim, na mesma região, funcionários do Grupo Moura se empenham na produção e doação de 50 mil máscaras no modelo face shield, voltadas para profissionais de saúde. Na outra ponta, mais de cem empresários se juntaram e arrecadaram R$ 11,4 milhões para comprar 162 respiradores, doados a hospitais que estão com pacientes infectados pela covid-19. Ações que fazem a diferença na prevenção do novo coronavírus e no tratamento dos casos mais graves. Até quinta-feira (07), o Estado somava 10.824 doentes e 845 mortos.

“O Hemope de Caruaru usa em média 80 máscaras por dia, fornecidas por nós. Também doamos a outras unidades de saúde. Preocupados com os moradores mais carentes, levamos 2 mil máscaras para distribuir nos bairros de Santo Agostinho, Acauã e Palestina, em Santa Cruz do Capibaribe”, conta o dono da Rota do Mar, Arnaldo Xavier. A ação na frente da firma durou cinco dias. Com metade das seis fábricas fechadas por causa da pandemia, a empresa parou de produzir roupas e está fabricando 120 mil máscaras e 15 mil jalecos diariamente. “É também uma forma indireta de ajudar o governo, pois pagamos impostos. Estou com 40% dos funcionários trabalhando”, diz Arnaldo Xavier.

A máscara face shield, importante equipamento de proteção individual (EPI), protege completamente os rostos dos profissionais de saúde, ao impedir que gotículas de saliva dos pacientes os atinjam durante os atendimentos. É feita com polipropileno, elástico e PET e pode ser reutilizada, desde que corretamente higienizada. Para fabricar as máscaras, o Grupo Moura adequou parte de sua linha de produção.

“A empresa tomou a decisão de concentrar todos os esforços para desenvolver soluções que contribuíssem de maneira estruturadora nessa batalha contra a pandemia. Reunimos um time de engenheiros e operadores, realizamos todas as pesquisas de disponibilidade de matéria-prima e capacidade de produção e iniciamos a confecção dos escudos faciais”, conta Reginaldo Agra, engenheiro líder do projeto.

RESPIRADORES

Logo depois que a Organização Mundial de Saúde (OMS) decretou a contaminação pelo novo coronavírus como pandemia (em 11 de março), empresários perceberam a gravidade da situação e resolveram contribuir com a compra de respiradores, equipamentos essenciais para manter a ventilação mecânica nos pacientes em estado grave.

O grupo, que prefere o anonimato, já adquiriu 162, dos quais 62 estão em uso e dez sendo testados. Outros 90 ainda serão entregues pelos fornecedores. Até agora, sete hospitais receberam os equipamentos: Correia Picanço, Imip, da Polícia Militar, Procape, Huoc, Português e da Mulher, além das unidades de campanha.

Esse mesmo grupo destinou R$ 600 mil para a reabertura do antigo Hospital Alfa, agora Nossa Senhora das Graças, em Boa Viagem, Zona Sul do Recife, transformado pelo governo estadual em referência contra a covid. O Estado lançou campanha, 45 dias atrás, e arrecadou R$ 2,024 milhões em doações, dos quais R$ 2,022 milhões foram para a unidade.

JUSTIÇA

Em uma iniciativa conjunta, o Ministério Público do Trabalho e o Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região já destinaram R$ 1,1 milhão para ações de combate à covid-19, valores resultados de ações civis públicas ou de processos de execução de termo de ajuste de conduta. O MPT indica onde a quantia deve ser usada e os magistrados do TRT-PE analisam, homologam e determinam a transferência.

Uma das ações, no valor de R$ 365 mil, foi destinada à compra de álcool em gel e máscaras para a Prefeitura de Olinda, 20 camas para o Hospital da Mulher e o restante para o fundo estadual. “Estamos contribuindo neste momento de calamidade em que o poder público precisa de orçamento para compras emergenciais”, diz o juiz Gustavo Pires, da 11ª Vara do Trabalho do Recife.

PROTEÇÃO

"Os equipamentos de proteção individual são extremamente importantes para que os profissionais de saúde não se contaminem. É fundamental para proteger quem está no campo de batalha. Entre os pacientes com covid-19, 5% evoluem para casos graves e necessitam de ventilação mecânica. Se alguém doar um respirador, vai contribuir, numa guerra como esta, para que a gente consiga salvar uma vida, o que é uma grande recompensa nesta guerra que estamos vivendo”, diz o infectologista Demetrius Montenegro.

Atitude Cidadã. Está em nossas mãos
Selo do projeto Está em Nossas Mãos - FOTO:Atitude Cidadã. Está em nossas mãos

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias