BOLETIM

Com média móvel de casos em estabilidade, Pernambuco totaliza 157.418 mil infectados pelo coronavírus

Em números totais, Pernambuco também registra 8.519 mortes causadas pelo vírus

Vanessa Moura
Vanessa Moura
Publicado em 21/10/2020 às 12:10
Notícia

BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Pernambuco - FOTO: BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Leitura:

Pernambuco confirmou 624 novos casos da covid-19 nesta quarta-feira (21), segundo boletim epidemiológico diário da Secretaria de Saúde do Estado (SES-PE). Deste número, 34 são considerados Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e 590 são leves. Com este registro, Pernambuco entra no 46º dia de queda ou estabilidade no número de infectados, maior sequência positiva desde o início da pandemia. A última vez que o dado esteve em alta foi no dia 5 de setembro, quando a média móvel registrou 26% de aumento.

Média móvel é uma análise que soma os números de casos ou mortes de um dia com os dos seis dias anteriores, dividindo o resultado por sete. O resultado reúne a influência de todos os dias da semana e pode ser atualizado diariamente. Só é considerada que a média móvel esteve em queda ou em alta quando esta variável passa de 15% ou -, seja o percentual negativo ou positivo. Caso não atinja, é tida como estável.

Também foram confirmadas 14 mortes nesta quarta (21). Cinco ocorridas nos últimos três dias, e as demais entre os dias 11 de maio e 17 de outubro. Assim, a média móvel de mortes pela covid-19 no estado também está em queda, e persiste há 15 dias, desde 7 de outubro. Nos dias 5 e 6 deste mesmo mês, foram estáveis. 

Em números totais, Pernambuco contabiliza 8.519 mortes causadas pelo vírus, e 157.418 pessoas já infectadas, sendo 26.781 graves e 130.637 leves.

MÉDIA MÓVEL DE MORTES

Made with Flourish

MÉDIA MÓVEL DE CASOS

Made with Flourish
 

Capital com maior taxa de mortalidade por covid-19 do Nordeste

No Nordeste, o Recife passa a ser a capital com a maior taxa de mortalidade por covid-19 a cada 100 mil habitantes, segundo análise que considera os dados oficiais das Secretarias Municipais de Saúde da região divulgados até o último domingo (18). Um retrato do número absoluto de óbitos pela doença nessas nove cidades nordestinas, quase sete meses depois da primeira morte confirmada pelo novo coronavírus na capital pernambucana, mostra que o Recife está na terceira posição do ranking, com 2.429 mortes desde o dia 12 de março, atrás de Salvador (2.604) e Fortaleza (3.890). Agora, a capital pernambucana chega a 146,9 mortes por 100 mil habitantes (mortalidade). É uma taxa maior do que a da cidade de São Paulo (107,7), que tem uma população aproximadamente sete vezes maior do que a do Recife.

Esse é um indicador que mede o risco de pessoas virem a ter a doença e, em seguida, morrer por complicações da infecção. A partir da análise desse coeficiente, que é usado para tornar homogêneos e padronizados os dados de cada localidade, constata-se que, na capital pernambucana, morre-se mais por covid-19, em relação ao número de habitantes, do que em São Paulo. Outro detalhe é que a taxa de mortalidade do Recife é o dobro da nacional, de 72,6.

Em entrevistas sobre o assunto, o secretário de Saúde do Recife, Jailson Correia, tem explicado que cidades que primeiramente viveram a onda da covid-19 (Recife alcançou o pico da curva epidêmica, segundo autoridades de saúde, entre o fim de abril e primeira quinzena de maio) tendem a ter um número acumulado de mortes significativamente maior do que aquelas que superaram mais tardiamente toda a pressão inicial da pandemia. “Nosso pico de casos foi muito precoce, mas a cidade se mobilizou para atender a população. Quando o Ministério da Saúde criou diretrizes para criação dos hospitais de campanha, o Recife já tinha sete prontos”, diz Jailson.

Neste mês, a capital pernambucana chegou a cerca de 150 dias de redução nos indicadores da doença, o que tem levado à retomada de atividades socioeconômicas e culturais, como a abertura das praias, parques, comércio e museus. Entre os dados registrados pela Prefeitura do Recife recentemente, está a queda de 95% das mortes por covid-19 na comparação de maio (1.151) com setembro (55), de acordo com a data de ocorrência dos óbitos.

Agora o desafio da população é conviver de forma segura e consciente com a pandemia, sem deixar ser acometida por um estado de fadiga das medidas de proteção. Afinal, a fraca adesão aos cuidados tem preocupado especialistas e autoridades sanitárias locais, pois essa negligência pode criar condições para que haja novas ondas de covid-19.

Na visão do epidemiologista Rafael Moreira, pesquisador da Fiocruz Pernambuco e professor da UFPE, a tendência de indicadores em queda no Recife é uma realidade, com pequenas oscilações. “A nossa capital, assim como Fortaleza (a segunda em taxa de mortalidade no Nordeste), é bastante populosa. E sabemos que, quanto maior o número de pessoas exposto (ao vírus), maior é a chance de infecção, de desenvolvimento de quadros graves e de óbitos. Isso é um dos fatores que poderiam explicar por que há manutenção da taxa elevada de mortalidade”, pressupõe.

Ainda segundo Rafael, é necessária uma análise detalhada para se investigar a composição etária e socioeconômica das mortes mais recentes. “Precisamos saber se o vírus continua ainda a causar mais quadros graves em idosos e se o adulto jovem pode estar contribuído mais com o perfil dos óbitos”, acrescenta o epidemiologista.

Seja um assinante JC.

Assine o JC com planos a partir de R$ 1,90 e tenha acesso ilimitado a todo o conteúdo do jc.com.br, à edição digital do JC Impresso e ao JC Clube, nosso clube de vantagens e descontos que conta com dezenas de parceiros.

Assine o JC

Comentários

Últimas notícias