Violência

Abrigo clandestino de idosos é fechado no Recife; dona é presa por maus tratos e apropriação de benefício

Segundo informações cedidas pela Polícia Civil de Pernambuco, ao menos 13 idosos moravam no local

Vanessa Moura
Vanessa Moura
Publicado em 01/12/2020 às 8:36
Notícia

BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Abrigo de idosos interditado pela Vigilância Sanitária no bairro da Mangabeira, no Recife - FOTO: BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Leitura:

Um abrigo clandestino de idosos localizado no bairro da Mangabeira, Zona Norte do Recife, foi interditado na última segunda-feira (30). A proprietária do local, que não teve o nome divulgado, foi presa pelos crimes de maus tratos, retenção do cartão de benefício e apropriação indevida dos rendimentos de idosos. Segundo informações cedidas pela Polícia Civil de Pernambuco, ao menos 13 idosos moravam no local. 

BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Abrigo de idosos interditado pela Vigilância Sanitária no bairro da Mangabeira, no Recife - BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Abrigo de idosos interditado pela Vigilância Sanitária no bairro da Mangabeira, no Recife - BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Abrigo de idosos interditado pela Vigilância Sanitária no bairro da Mangabeira, no Recife - BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Abrigo de idosos interditado pela Vigilância Sanitária no bairro da Mangabeira, no Recife - BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Abrigo de idosos interditado pela Vigilância Sanitária no bairro da Mangabeira, no Recife - BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Abrigo de idosos interditado pela Vigilância Sanitária no bairro da Mangabeira, no Recife - BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM

De acordo com o Ministério Público de Pernambuco, dentre as irregularidades observadas no estabelecimento estão a falta de acompanhamento de saúde dos idosos e a ausência de alvará de funcionamento e CNPJ. O local foi interditado depois que equipes da promotoria, da Vigilância Sanitária e da Delegacia do Idoso foram averiguar o suposto abrigo por conta de uma denúncia anônima feita ao Ministério Público de Pernambuco.

Segundo a delegada do idoso, Teresa Nogueira, as refeições servidas no local do dia do flagrante estavam estragadas. Além disso, o local não dispunha de fichas cadastrais dos idosos ou fichas médicas. Apesar de muitos dos idosos que moravam no local serem doentes, não havia acompanhamento médico no abrigo, e os medicamentos administrados não dispunham de prescrição. No local, uma idosa de 95 anos foi encontrada extremamente magra e desidratada. "Não podíamos tocar nela, que ela gritava. Tinha escaras nas costas", disse a delegada. 

Fraldas e alimentos eram armazenados em um espaço sem ventilação localizado dentro do quarto dos homens, enquanto os remédios ficavam amontoados em uma estante, sem qualquer indicação, todos misturados.  

Este mesmo abrigo já foi fechado pela Vigilância Sanitária há cerca de quatro anos, de acordo com a polícia. Na época, três idosos moravam no estabelecimento clandestino, que foi reaberto no mesmo local, uma casa com pouca ventilação e com janelas vedadas em sua maioria.  

Oito cartões de benefícios previdenciários que eram retidos pela proprietária do abrigo, e utilizados para realizar o pagamentos dos colaboradores do local, foram confiscados pela Polícia Civil. Um destes cartões havia sido empenhado em uma farmácia. 

O Grupo Mulheres do Brasil ofereceu apoio à Delegacia do Idoso e está auxiliando na busca pelos parentes e familiares das vítimas. Os familiares que tiverem o dever do cuidado e se negarem a acolher seus idosos responderão criminalmente.

Denúncias

Para informar as autoridades competentes sobre os maus tratos, moradores do Recife e da Região Metropolitana (RMR) podem acionar a Defensoria Pública de Pernambuco através do número 3421-9595. Já no restante do estado, é o 3719-4545. As denúncias podem ser feitas anonimamente. Além disso, a Secretaria de Direitos Humanos conta com o serviço do Disque 100 para acolher denúncias, que também podem ser feitas pelo portal na internet. Trata-se de um serviço gratuito, que funciona 24 horas por dia. A identidade de quem denuncia é preservada

Comentários

Últimas notícias