ISOLAMENTO

Pernambuco tem último final de semana de quarentena rígida

A partir de 1º de abril, um novo plano de convivência com a pandemia da covid-19 será posto em prática. Até o dia 31 de março, restrições severas estão valendo em todo o Estado

Vanessa Moura
Cadastrado por
Vanessa Moura
Publicado em 27/03/2021 às 0:27 | Atualizado em 29/03/2021 às 9:20
SEVERINO SOARES/JC IMAGEM
Praia de Boa Viagem vazia durante restrição imposta pelo governo de Pernambuco para frear avanço da covid-19. 06/03/2021 - FOTO: SEVERINO SOARES/JC IMAGEM
Leitura:

O período de quarentena em Pernambuco acaba na próxima quarta-feira (31). Sendo assim, este será o último final de semana de restrições mais severas. O apelo das autoridades é para que a população mantenha o isolamento social, se possível, para que a medida resulte na diminuição dos níveis de contágio pela covid-19 no Estado.

Assim, continuam proibidos de funcionar os serviços de bares e restaurantes; shoppings e galerias comerciais; óticas; salas de cinema e teatros; academias; salão de beleza e similares; comércio varejista de vestuário, calçados, eletroeletrônicos e linha branca, cama, mesa e banho e produtos de armarinho; escolas e universidades (públicas e privadas); clubes sociais, esportivos e agremiações; práticas e competições esportivas; praias, parques e praças; ciclofaixas de lazer, eventos culturais e de lazer, além dos sociais. Igrejas e demais templos religiosos poderão abrir para atividades administrativas e para preparação e realização de celebrações via internet.

A partir de 1º de abril, um novo plano de convivência com a pandemia da covid-19 será posto em prática, com regras válidas até 25 de abril. 

Apesar de apenas os serviços essenciais estarem funcionando, o índice de isolamento social alcançado por Pernambuco ainda está longe da meta do governo estadual, de 60%. Nesta quarta-feira (24), por exemplo, o número chegou a 42,4%, segundo o monitoramento disponibilizado pelo Ministério Público de Pernambuco (MPPE) em parceria com a empresa In Loco.

Já no último final de semana, os números se mantiveram em relação aos sábados e domingos anteriores, que já estavam em regime de quarentena. O isolamento foi de 44,4% no sábado (20) e de 49,7% no domingo (21). A taxa havia sido de 43,1% e 50,9%, no sábado (13) e domingo (14), nesta ordem, e de 43,3% no sábado (6) e 50,2% no domingo (7).

Para André Longo, secretário estadual de Saúde, a população deve focar, neste momento, em contribuir ao máximo para que os 14 dias de quarentena sirvam para frear os números da doença em Pernambuco.

"Que o final de semana e os dias seguintes possam ser de efetivo distanciamento social, com as pessoas em casa e fazendo uso de máscara, se precisarem sair. Só assim a gente vai poder retomar atividades com maior celeridade. Precisamos interromper o curso de aceleração da doença. Para isso, o comportamento de cada um é fundamental. Nos ajudem, ajudem o governo, ajudem os trabalhadores de saúde!", pediu Longo durante coletiva de imprensa na quinta-feira (25).

O secretário reforçou ainda que a população deve cumprir as normas sanitárias, o que fará a diferença nas taxas de ocupação hospitalar. "A quem negar este perigo e descumprir as medidas da quarentena, poderá ser negado, mais a frente, uma vaga de terapia intensiva (UTI). O único compromisso inadiável e urgente é com a vida", frisou.

As medidas mais rígidas foram impostas pelo governo do Estado como resposta ao aumento de casos confirmados da covid-19, ocasionando a superlotação do sistema público de saúde de Pernambuco. Nesta quinta-feira (25), o médico Demetrius Montenegro, chefe do setor de Infectologia do Hospital Universitário Oswaldo Cruz (Huoc), frisou o quanto tem se preocupado com a frequência de adultos jovens que chegam aos hospitais com sintomas de covid-19.

"Eles estão se expondo muito. A gente está cansada de ver gente morrendo e à espera de um leito. Isso magoa, é doloroso e traz bastante sofrimento. Não fiquem cegos para esta doença", disse infectologista.

O Estado ultrapassou a marca de 1.800 pessoas que recebem atualmente assistência em terapia intensiva (UTI). Entre elas, 1.424 estão em leitos públicos e 418 em vagas privadas. Além disso, nesta sexta-feira (26) o boletim diário da covid-19, divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), indicou que o Estado atingiu média móvel de 1.960 casos, a maior desde o início da pandemia. Foram 2.227 confirmações do novo coronavírus nas últimas 24 horas. A SES-PE também confirmou 62 óbitos em decorrência da doença. Agora, Pernambuco totaliza 341.249 pessoas infectadas pela covid-19 e 11.915 vidas perdidas.

Comentários

Últimas notícias