Covid-19

Anderson Ferreira acusa Governo de Pernambuco de enviar lotes menores de vacina para Jaboatão; déficit seria de 100 mil doses

Em pelo menos cinco ocasiões o governo estadual teria encaminhado à cidade menos doses do imunizante do que seria necessário, o que acabou por prejudicar o avanço da vacinação no município

Renata Monteiro
Renata Monteiro
Publicado em 21/09/2021 às 15:09
Notícia
Foto: Luiz Pessoa/Governo do Estado
Mais de 270 mil doses da vacina da Coronavac chegaram ao Aeroporto do Recife no último sábado (18) - FOTO: Foto: Luiz Pessoa/Governo do Estado
Leitura:

Atualizada às 18h27 com a resposta da Secretaria de Saúde de Pernambuco

O prefeito de Jaboatão dos Guararapes, Anderson Ferreira (PL), afirmou nesta terça-feira (21) que o município possui, atualmente, um déficit de cerca de 100 mil doses de vacinas contra a covid-19, ocasionado por um erro de distribuição da Secretaria Estadual de Saúde. Segundo o gestor, em pelo menos cinco ocasiões o governo estadual encaminhou à cidade menos doses do imunizante do que seria necessário, o que acabou por prejudicar o avanço da imunização no município.

"Nós tivemos um impasse, que foi um erro na entrega das vacinas para Jaboatão, o Governo de Pernambuco se equivocou e nós recebemos menos doses. Houve o primeiro erro, o segundo, o terceiro, houve cinco erros em entregas. Conversamos com o secretário de Estado e informamos que a quantidade errada estava sendo entregue. Disseram que o erro foi do ministério, mas depois a gente conseguiu pactuar, corrigir a falha e programar entregas de compensação. Para você ter uma ideia da situação, nós estávamos recebendo menos doses do que Olinda, mesmo tendo três vezes mais habitantes", explicou Anderson, durante debate na rádio CBN Recife.

>> Saiba como será a vacinação itinerante contra covid-19 no Recife esta semana

>> PSB vai ao STF para Ministério da Saúde retomar vacinação de adolescentes

>> Projeto de lei de Paulo Câmara exige vacinação para servidores em todo o Estado

>> Vacinação de adolescentes: governo Bolsonaro ignorou conselhos de secretários de Saúde

>> 'Este ano, eu lamento informar para a população, a gente não vai fazer festa de ano novo', diz prefeito de Jaboatão

Segundo o prefeito, o principal impacto do atraso nessas entregas para a cidade é o fato de que, enquanto outros municípios já estão vacinando adolescentes a partir dos 12 anos, Jaboatão ainda está na faixa dos 16 para as pessoas sem comorbidades. Apesar disso, o gestor municipal diz que tem conseguido, na medida do possível, avançar com ações de imunização da população.

"Nós temos incentivado a população a se vacinar de várias formas, como com a Virada Vacinal, que fez tanto sucesso que vamos fazer outra, desta vez em Jaboatão Centro. Por conta disso estamos conseguindo avançar e cerca de 90% das pessoas que poderiam se vacinar na cidade já receberam pelo menos a primeira dose", detalhou o prefeito, informando que o déficit de vacinas não comprometeu a aplicação de segundas doses no município.

Anderson afirmou, ainda, que assim que tiver mais doses disponíveis vai anunciar a redução na faixa etária elegível à imunização na cidade, muito embora o Ministério da Saúde tenha orientado estados e municípios a suspenderem a aplicação de doses nesse grupo. Na semana passada, o Governo do Estado já havia afirmado que não seguiria a determinação federal, uma vez que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já havia liberado a vacinação dos adolescentes com o imunizante da Pfizer desde o mês de junho. Segundo levantamento realizado pelo jornal Correio Braziliense, pelo menos 21 capitais e o Distrito Federal decidiram continuar vacinando esse grupo de jovens.

O outro lado

Através de nota, a Secretaria Estadual de Saúde esclareceu que a distribuição e cálculo - realizado com base na população - para o envio de doses de vacinas para imunizar a população contra a covid-19 é feito pelo governo federal, através do Ministério da Saúde.

A pasta explicou, então, que vários estados, incluindo Pernambuco, "solicitaram correção quanto ao déficit de doses de vacinas e apontaram erro na distribuição dos imunizantes, que foi projetado pelo órgão a partir de uma base de dados equivocada. O Programa Estadual de Imunização (PNI-PE), com o auxílio do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), solicitou imediata atualização da base de dados, ajuste da população com fator de correção e revisão dos cálculos populacionais para que a quantidade de doses entregues aos municípios pernambucanos fosse suficiente".

O documento enviado pela SES afirmou, ainda, que desde a 41º distribuição de doses, ainda no mês de agosto, Pernambuco envia fator de correção ao Ministério da Saúde com relação a base populacional dos adultos de 18 a 59 anos, "de acordo com a base de dados de 2020, grupo no qual havia déficit quanto ao recebimento de doses". A pasta disse que os demais grupos não precisaram de correção junto ao órgão federal.

"A SES-PE reitera, por fim, que desde o início da campanha de imunização contra a covid-19, o Governo de Pernambuco vem atuando com absoluta transparência na entrega das vacinas aos municípios, além de atuar com afinco para corrigir, junto ao Ministério da Saúde, os erros nas estimativas populacionais realizadas pelo governo federal para permitir que todas as cidades avancem na campanha de imunização", dizia o texto.

Além disso, o PNI-PE informou que aguarda o Ministério da Saúde enviar ao Estado 182.820 doses (primeira dose), das quais Jaboatão dos Guararapes ainda precisa receber 20.170, que é o que falta para completar as unidades que estavam atrasadas.

Em entrevista ao JC, a coordenadora do PNI-PE, Ana Catarina de Melo, também explicou que a razão pela qual Jaboatão não está vacinando adolescentes com menos de 16 anos sem comorbidades não seria a falha do Ministério da Saúde, pois o Estado ainda não iniciou a distribuição das doses para esse grupo.

"Até agora nós só distribuímos doses para adolescentes com comorbidades, com deficiência e privados de liberdade. Como a vacinação da população de adolescentes é mais lenta e a vacina da Pfizer tem um prazo curto para utilização, muitos municípios avançam com os adolescentes sem comorbidades porque vão retirando da população de adultos. Todo mundo que avança tira de algum grupo, porque o Estado ainda não começou a distribuição para adolescentes em geral", detalhou a gestora.

Comentários

Últimas notícias