JÚRI POPULAR

Viúva confessa ter planejado a morte do professor da UFPE Paulo Sperança

A psicóloga Ana Terezinha Zanforlin admitiu em depoimento nesta quarta-feira (6) que foi a mentora intelectual do crime

Filipe Farias
Filipe Farias
Publicado em 06/04/2022 às 21:25 | Atualizado em 08/04/2022 às 12:26
Beto DLC / SJCC
Esta quarta-feira (6) foi o segundo júri das acusadas pela morte de Paulo Sperança - FOTO: Beto DLC / SJCC
Leitura:

Com informações de Beatriz Albuquerque

O segundo dia de julgamento no caso da morte de Paulo Augusto Sperança, professor de odontologia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), teve uma confissão inédita nesta quarta-feira (6). Uma das rés, a psicóloga Ana Terezinha Zanforlin, víuva do dentista, confessou ter sido a mentora intelectual do crime, cometido em 2010.

Ana Terezinha alegou que a motivação do crime não foi o seguro de vida de Paulo Sperança - algo em torno de de R$ 120 mil - ou a aposentadoria de R$ 15 mil que receberia, mas relacionamento abusivo e traições.

O filho da vítima, Vitor Sperança, alegou que tudo não passou de estratégia de Ana Terezinha para sujar a imagem de seu pai. "Uma série de mentiras. Apenas uma manobra para tentar se safar do crime. Tentativas de manchar a imagem e a reputação dele. Não aceitamos isso. Foi um dia duro para gente. Ter de escutar tudo de novo. Não queremos vingança e sim justiça. Quem comete um crime tem de pagar por ele", declarou.

Já a irmã da vítima, Fátima Sperança, se mostra confiante em uma sentença dura após Ana Terezinha ter confessado o crime. "A família continua, acima de tudo, numa posição de confiança e tranquilidade. Tivemos um dia difícil, mas esperado por todos nós. O fato dela confessar uma resposta que esperamos há 12 anos nos traz esperança de que agora se faça justiça", contou.

A advogada Adriana Lima Castro de Santana, que também é acusada de participar do planejamento do crime, também prestou depoimento e negou ser amiga de Ana Terezinha Zanforlin e ter envolvimento no caso.

 

A expectativa é de que no terceiro dia de julgamento, que inicia às 9h, no Fórum Thomaz de Aquino, no bairro de Santo Antônio, no Centro do Recife, ocorra a fase de debates entre entre acusação e defesa. Ao final, o Tribunal do Júri se reúne para tomar a decisão, fechando a audiência com a leitura da sentença do juiz Abner Apolinário.

O CRIME

De acordo com a polícia, Paulo Augusto Sperança foi morto a facadas dentro do consultório psicológico de Ana Terezinha Zanforlin, que era localizado no bairro da Torre, na Zona Oeste do Recife. Entretanto, o corpo da vítima foi encontrado no bairro dos Torrões, também na Zona Oeste da cidade.

A conclusão da investigação policial apontou que o crime foi cometido por Adolfo Berto Soares, de 40 anos; e José Amaro de Souza Filho, de 45 anos. Ambos confirmaram o crime.

Caso o júri popular entenda que Ana Terezinha Zanforlin Sperança e Adriana Lima Castro de Santana também são culpadas pelo delito, por ter arquitetado a morte de Paulo Sperança, ambas cumprirão pena em unidade prisional de regime fechado.

Comentários

Últimas notícias