DESLIZAMENTOS DE TERRA

Jaboatão dos Guararapes foi a cidade com mais mortes pelas chuvas em Pernambuco

Levantamento com a localização de cada vítima foi divulgado somente nesta sexta-feira (10)

Katarina Moraes
Cadastrado por
Katarina Moraes
Publicado em 10/06/2022 às 12:54 | Atualizado em 10/06/2022 às 15:19
WELLINGTON LIMA/JC IMAGEM
TRAGÉDIA Jardim Monte Verde foi a localidade com o maior número de mortes - FOTO: WELLINGTON LIMA/JC IMAGEM
Leitura:

Jaboatão dos Guararapes, na Região Metropolitana do Recife, foi a cidade com maior número de mortes causadas pelas chuvas em Pernambuco nas últimas semanas. Somente lá, estão 64 das vítimas. A Secretaria de Defesa Social do Estado (SDS-PE) divulgou somente nesta sexta-feira (10) o levantamento com a localização das 129 vidas perdidas desde o dia 25 de maio.

Nele, foi levado em consideração o local do deslizamento de barreira ou enchente. Logo atrás de Jaboatão, está o Recife, com 50 vítimas. Depois vem Camaragibe, que registrou 7 mortes e Olinda, com 6. Limoeiro e Paulista tiveram, cada uma, um registro.

Conforme o estudo, das 129 vítimas, 120 (ou 93%) morreram soterradas em deslizamentos de barreiras e 9 (que representa 7%) vieram a óbito por afogamento

As mortes ocorreram principalmente nos dias 28 (101) e 29 de maio (17), e o restante foi nos dias 25 (5), 30 (3), 31 (2), todos em maio, e uma no dia 7 de junho.

Sexo e idade

Das vítimas, 71 eram mulheres (55%) e 58 eram homens (45%). Das 129 pessoas, 63 tinham entre 31 e 65 anos; 24 estavam na faixa entre 18 e 30 anos; 24 eram crianças de 1 a 12 anos; 9 tinham mais de 65 anos; 8 eram adolescentes de 13 a 17 anos; e um era recém-nascido.

Confira a lista de vítimas por bairros

Jaboatão dos Guararapes

  • Dois Carneiros: 24
  • Padre Roma: 7
  • Muribeca: 7
  • Santo Aleixo: 6
  • Curado: 6
  • Cavaleiro: 4
  • Zumbi do Pacheco: 2
  • Engenho Velho: 2
  • Sucupira: 1
  • Socorro: 1
  • Piedade: 1
  • Loteamento 92: 1
  • Comporta: 1
  • Alto da Colina: 1

Recife

  • Cohab: 25
  • Barro: 9
  • Ibura: 7
  • Guabiraba: 3
  • Tejipió: 1
  • Dois Irmãos: 1
  • Córrego do Jenipapo: 1
  • Casa Amarela: 1
  • Cajueiro: 1
  • Alto Santa Terezinha: 1

Camaragibe

  • Alto Santo Antônio: 6
  • Bairro dos Estados: 1

Olinda

  • Córrego do Abacaxi: 2
  • Peixinhos: 2
  • Santa Tereza: 1
  • Águas Compridas: 1

Paulista

  • Jaguaribe: 1

Limoeiro

  • Zona Rural (Sítio Lagoa Vermelha): 1

Demora na divulgação do levantamento

As informações ainda não tinham sido fornecidas à imprensa desde o começo das mortes, em 25 de maio. Por nota, o secretário de Defesa Social, Humberto Freire, justificou que o panorama só pôde ser consolidado agora, dias depois, "dada a complexidade social e as fontes de informações".

"A prioridade, em um primeiro momento, foram os resgates e salvamentos com vida de mais de 2,5 mil pessoas que estavam ilhadas, as operações de defesa civil, a localização e identificação de todos os desaparecidos, devidamente periciados e entregues a suas famílias, o transporte de mantimentos e o apoio social às comunidades atingidas, o que ainda está sendo feito. Mas é preciso se debruçar e analisar essa triste realidade, para nortear com maior precisão as políticas públicas, além de subsidiar nossos planos de prevenção e contenção de desastres ambientais e climáticos", afirmou.

Segundo a pasta, o levantamento foi feito por meio da Gerência de Análise Criminal e Estatística (Gace) da SDS, com base no georreferenciamento dos bairros das cidades pernambucanas e informações coletadas junto a prefeituras, Corpo de Bombeiros, órgãos estadual e municipais de Defesa Civil, Instituto de Medicina Legal (IML) e sistema Infopol.

Comentários

Últimas notícias