FERNANDO DE NORONHA

Quatro tripulantes da embarcação que naufragou em alto mar a caminho de Fernando de Noronha continuam desaparecidos

Força Aérea Brasileira faz buscas na região nesta quinta-feira (23). Naufrágio aconteceu por volta das 4h30 da última quarta (22)

Katarina Moraes
Cadastrado por
Katarina Moraes
Publicado em 23/06/2022 às 13:53 | Atualizado em 23/06/2022 às 17:19
REPRODUÇÃO
"Thaís IV" costumava atracar no Porto do Recife a cada duas semanas para embarcar suprimentos para Fernando de Noronha - FOTO: REPRODUÇÃO
Leitura:

Quatro dos oito tripulantes da embarcação de carga "Thais IV" continuam desaparecidos após o barco naufragar nessa quarta-feira (22) a aproximadamente 111 km de Cabedelo, na Paraíba, quando estava a caminho do arquipélago de Fernando de Noronha. A Força Aérea Brasileira continua fazendo buscas na região nesta quinta-feira (23) com o uso de duas aeronaves.

Os outros tripulantes - o marinheiro de máquinas, dois marinheiros de convés e o cozinheiro -  foram resgatados com vida e trazidos até o Porto do Recife na manhã desta quinta-feira (23) no Navio Mercante “Nazenin”. Segundo a Marinha do Brasil, os náufragos resgatados encontravam-se, aparentemente, "em bom estado de saúde" e foram encaminhados para avaliação médica.

Segundo o Porto do Recife, o navio, chamado "Thaís", atracava na capital pernambucana a cada duas semanas para embarcar suprimentos para Fernando de Noronha. Assim, às 14h20 dessa terça-feira (21), saiu do ancoradouro com 100 toneladas de cargas diversas para abastecimento da Ilha, e deveria ter chegado ao destino por volta das 6h desta quinta-feira (23).

A empresa responsável pelo barco, a Jaqueline Transportes, afirma estar acompanhando as buscas e prestando assistência aos resgatados. "Desde ontem estamos em contato com a Marinha, prestando esclarecimentos pare tentar resgatar todos os tripulantes", disse o gerente de operações Bartolomeu Aguiar.

Por fim, a Marinha informou que "um inquérito foi aberto para apurar causas e as circunstâncias do ocorrido".

Família de comandante conta o que ele disse sobre viagem

Elozine Campos, esposa do comandante da embarcação, relatou a última conversa que teve ele. Por telefone, Ivanildo Ferreira Campos, de 65 anos, contou estar "apreensivo com o tempo", que estava deixando o mar perigoso, com ondas agitadas. Ele segue desaparecido junto a outros três tripulantes.

"Ontem, eu falei com ele uma única vez, e ele disse que estava tudo bem com a embarcação, só que estava apreensivo com o tempo, porque as ondas estavam muito agitadas. Ele pediu para eu rezar para que ele tivesse uma viagem boa, porque o mar estava perigoso", disse a mulher à reportagem da TV Jornal na manhã desta quinta-feira (23).

Ao saber do naufrágio, a família do comandante veio de Natal, no Rio Grande do Norte, onde mora, e chegou até o Recife por volta das 7h da manhã diretamente ao Porto do Recife, em busca de informações. A esposa, um casal de filhos e a nora de Ivanildo não foram autorizados a entrar, e passaram horas do lado de fora. A filha do homem, Rayssa Campos, relatou indignação.

"Estou com meu pai desaparecido, sem notícias. não sabemos o que realmente aconteceu. é uma angústia. a gente só soube do acidente porque vimos nas redes sociais, ninguém ligou para a gente para dizer que o tinha acontecido. queremos saber como foi o acidente para saber se existe possibilidade dele estar vivo", disse ela.

No ano passado, outra embarcação desapareceu em Noronha

Em 27 de maio de 2021, a embarcação de turismo Maria Bonita VI desapareceu no Arquipélago de Fernando de Noronha quando estava ancorada nas proximidades do Porto de Santo Antônio. Não havia tripulantes a bordo.

O barco foi encontrado somente em julho, a 234 quilômetros da costa da Guiana Francesa, um território francês localizado no norte da América do Sul.

Comentários

Últimas notícias