Deputada

Carla Zambelli sobre acusações de ter acesso à PF: 'Não seria burra de divulgar informação privilegiada'

A deputada foi acusada de ter acesso à informações privilegiadas sobre investigações da Polícia Federal

Gabriela Carvalho
Gabriela Carvalho
Publicado em 26/05/2020 às 11:48
Notícia
Filipe Jordão/JC Imagem
Carla Zambelli (PSL-SP) teve conversa com o ex-ministro na última quinta-feira (23) - FOTO: Filipe Jordão/JC Imagem
Leitura:

A deputada federal Carla Zambelli (PSL) negou que teria tido informações privilegiadas sobre as operações feitas pela Polícia Federal e disse que não divulgaria nada que pudesse prejudicar o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

>> Bolsonaro parabeniza Polícia Federal por operação que envolve governador Witzel

Acusações foram feitas após deputada dizer que "alguns governadores" estavam na mira da PF em investigações sobre suspeitas de irregularidades na área da Saúde e, nesta terça-feira (26), o governador do Rio de Janeiro ter sua residência oficial investigada.

“Foi uma coincidência? Não só isso. Se eu soubesse e tivesse informação privilegiada... eu não pareço ser uma pessoa burra, poderia até ser, mas não sou. Eu falaria isso publicamente se tivesse informação privilegiada?”, disse em entrevista à CNN nesta terça-feira. 

>> Polícia Federal antecipou a Flávio Bolsonaro que Queiroz seria alvo de operação, diz suplente do senador

“Principalmente eu, uma pessoa que tenta proteger as informações e o governo. Eu não faria isso. Só se quisesse prejudicar. E eu estava defendendo o governo ontem a respeito das infames coisas que o ex-ministro [Sergio Moro] afirmou do meu governo, do governo do presidente Bolsonaro”, completou.

A parlamentar ainda afirmou que com as evidências de superfaturamento na compra de respiradores e outros equipamentos de forma emergencial para enfrenar a pandemia do novo coronavírus, "era só seguir uma linha de raciocínio".

>> Alvo de ação, Witzel diz que interferência de Bolsonaro na PF está 'oficializada'

"O governador Witzel soltou uma nota preocupado com meu possível envolvimento ou se tenho informações privilegiadas, mas qualquer pessoa que veja as informações no decorrer do curso sabe que vão acontecer operações", disse Zambelli.

Sobre a acusação feita por Witzel, em nota, de que o presidente Bolsonaro teria oficializado a interferência na PF, Zambelli ironizou: "Então o presidente também está agindo em cima do STJ [Superior Tribunal de Justiça, que emitiu os mandados de busca e apreensão]?"

Entenda acusação

A deputada Carla Zambelli, um dia antes de operação da Polícia Federal na residência oficial do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), teria alertado que "alguns governadores" estavam na mira da PF em investigações sobre suspeitas de irregularidades na área da Saúde.

“A gente deve ter nos próximos meses o que a gente vai chamar talvez de de ‘covidão’, ou não sei como é o nome que eles vão dar. Mas já tem alguns governadores sendo investigados pela Polícia Federal”, disse Zambelli. 

>> Carla Zambelli antecipa operação da PF contra governadores e políticos falam em interferência

Com a informação da deputada e o anúncio da operação contra o governador Witzel na manhã desta terça-feira (26), políticos criticaram a deputada e alegaram que ela teria tido informações privilegiadas sobre operações da Polícia Federal, caracterizando uma "interferência" na PF.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias