indecisão

Depois de esbravejar contra o STF, Bolsonaro prega respeito entre Poderes

Mais cedo, ainda nesta quinta-feira (28), o presidente da República fez uma ameaça velada ao STF dizendo: "Chega. Acabou, p****!", por conta da ação da PF contra fake news

Alice Albuquerque Estadão Conteúdo
Alice Albuquerque
Estadão Conteúdo
Publicado em 28/05/2020 às 13:13
Notícia
ANTÔNIO CRUZ/AGÊNCIA BRASIL
Presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido) - FOTO: ANTÔNIO CRUZ/AGÊNCIA BRASIL
Leitura:

Nesta quinta-feira (28), depois de ter declarado não admitir "decisões individuais" e "monocromáticas" e ter feito um breve alerta ao Supremo Tribunal Federal (STF), dizendo "chega. Acabou, p****!", o presidente da República tentou amenizar a situação pregando respeito entre os Poderes.

» 'Acabou, p****!', ameaça Bolsonaro após operação contra fake news

Na ocasião, ele disse que não dava para admitir "mais atitudes de certas pessoas individuais", sem citar nomes. "Tomando de forma quase que pessoais certas ações", disse. "Não teremos outro dia igual ontem. Chega. Chegamos ao limite. Estou com as armas da democracia na mão", completou.

» Carla Zambelli e Bia Kicis são intimadas em operação da Polícia Federal sobre fake news

Um dia depois da ação da Polícia Federal contra fake news, autorizada pelo STF, que mirou nos aliados do chefe de Estado, Bolsonaro cobrou respeito ao Executivo e fez um apelo para que "deixem o governo trabalhar". 

» Weintraub compara operação do STF contra fake news a ações do regime nazista

Em sua fala em frente ao Palácio da Alvorada, Bolsonaro defendeu a liberdade de expressão, no entanto se negou a responder a perguntas dos jornalistas. O presidente afirmou que Legislativo e Judiciário precisam ser "independentes" - mas apelou para que "não mergulhem o Brasil em uma crise política".

» Bolsonaro diz que 'algo de muito grave está acontecendo com nossa democracia'

Bolsonaro criticou o inquérito do Supremo que apura ocorrências de fake news contra membros da Corte e disse que trabalhou até tarde no dia de ontem para contornar a situação que colocou seus aliados na mira da Polícia Federal.

» Saiba quem são os bolsonaristas alvos da Polícia Federal na investigação das fake news

» Jair Bolsonaro diz que apoiadores investigados pelo STF são "cidadãos de bem" com "lares invadidos"

Ele destacou que a democracia é "sagrada" e disse, de forma exaltada, que busca a "paz, harmonia, independência e respeito". "A democracia é algo sagrada e admite que todos estejam preocupados com ela. Não basta apenas um ou dois Poderes se preocupar, todos devem se preocupar com ela (sic)", disse.

» Após ação do STF, Bolsonaro diz que violação do "direito à livre expressão" não "deve ser aceita passivamente"

Bolsonaro se dispôs a conversar com os chefes de cada Poder, citando o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e com o ministro Luiz Fux, do STF, que responde interinamente pela Corte.

» Bolsonaro sanciona projeto de socorro de R$ 60 bilhões a Estados e municípios e veta reajuste de servidores

O chefe de Estado sugeriu, ainda, sem detalhar nomes, que querem o tirá-lo da "cadeira" de presidente. "Inventar factóides e fake news contra a minha pessoa para me tirar da minha cadeira: não vão tirar", disse.



O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias