Presidente

No que depender de mim, aborto jamais será aprovado no Brasil, diz Bolsonaro

Jair Bolsonaro criticou nesta quarta-feira (30) a legalização do aborto na Argentina

AFP
AFP
Publicado em 30/12/2020 às 20:33
Notícia
ISAC NÓBREGA/PR
Jair Bolsonaro, presidente do Brasil - FOTO: ISAC NÓBREGA/PR
Leitura:

O presidente Jair Bolsonaro criticou nesta quarta-feira (30) a legalização do aborto na Argentina, afirmando que as "vidas das crianças argentinas" poderão, de agora em diante, ser "ceifadas" com "a anuência do Estado". Ele também afirmou que, dependendo dele, o procedimento nunca será aprovado no Brasil.

>> Argentina legaliza o aborto em votação histórica no Senado

"Lamento profundamente pelas vidas das crianças argentinas, agora sujeitas a serem ceifadas no ventre de suas mães com anuência do Estado", escreveu no Twitter o presidente, que tem forte apoio das igrejas neopentecostais, fervorosamente contrárias à legalização do aborto.

"No que depender de mim e do meu governo, o aborto jamais será aprovado em nosso solo. Lutaremos sempre para proteger a vida dos inocentes!", acrescentou.

O Senado argentino aprovou na madrugada desta quarta-feira (30) a legalização do aborto até a 14ª semana de gestação. O presidente Alberto Fernández comemorou a decisão, afirmando que ela faz da Argentina "uma sociedade melhor, que amplia os direitos das mulheres e garante a saúde pública".

No Brasil, o aborto só é permitido em casos de estupro, risco de vida para a mãe ou quando o feto tem anencefalia, uma má-formação congênita do sistema nervoso. Se realizado em outras circunstâncias, é passível de três anos de prisão.

O Supremo Tribunal Federal realizou em agosto de 2018 uma audiência pública sobre o tema.

Na ocasião, a doutora Maria de Fátima, representante do Ministério da Saúde do então presidente Michel Temer, lembrou que, apesar da proibição, uma em cada cinco mulheres brasileiras já se submeteram a um aborto e que a cada ano 203 mulheres morrem e outras 250.000 são hospitalizadas por complicações em intervenções clandestinas.

Argentina legaliza o aborto 

O Senado da Argentina aprovou nesta quarta-feira (30) a legalização do aborto até a 14ª semana de gestação. A legalização do aborto, um projeto do presidente de centro-esquerda Alberto Fernández, já havia sido aprovado na Câmara dos Deputados em 11 de dezembro e nesta quarta-feira recebeu os votos favoráveis de 38 senadores, 29 votos contrários e uma abstenção, um resultado mais folgado que o previsto.

 

Fernández celebrou o resultado no Twitter. "O aborto seguro, legal e gratuito é lei. Hoje somos uma sociedade melhor que amplia direitos às mulheres e garante a saúde pública", escreveu o chefe de Estado.

A votação durante a madrugada foi acompanhada por milhares de militantes feministas, que celebraram e choraram de emoção com o resultado, após mais de 12 horas de espera nas proximidades do Congresso. Além das mulheres que estavam na praça diante do Parlamento, muitas saíram às janelas e varandas para comemorar a notícia.

"Depois de tantas tentativas e anos de luta que nos custaram sangue e vidas, hoje finalmente fizemos história. Hoje deixamos um lugar melhor para nossos filhos e nossas filhas", disse à AFP Sandra Luján, uma psicóloga de 41 anos que participou na vigília ao lado de milhares de jovens com lenços verdes, o símbolo da campanha a favor da legalização do aborto.

Um projeto para legalizar o aborto havia sido aprovado em 2018 pela Câmara dos Deputados, mas foi rejeitado pelo Senado. A mudança foi possível graças à campanha protagonizada por milhares de jovens e grupos de mulheres, a chamada 'maré verde'.

Com a aprovação desta quarta-feira, a Argentina, país natal do papa Francisco, se torna a maior nação da América Latina a legalizar a interrupção da gravidez, o que também está permitido no Uruguai, Cuba e Guiana. No México está permitido no estado de Oaxaca e na Cidade do México.

Em sua última audiência antes do fim do ano, o pontífice afirmou nesta quarta-feira, em uma referência explícita a Argentina: "Os cristãos, como todos os crentes, bendizem a Deus pelo dom da vida. Viver é antes de tudo ter recebido a vida. Todos nascemos porque alguém desejou para nós a vida. E esta é apenas a primeira de uma longa série de dívidas que contraímos vivendo", disse.

Até agora, o aborto era permitido na Argentina apenas em caso de estupro ou de risco de vida para a mulher, legislação em vigor desde 1921.

A legalização, que contempla a objeção de consciência (os objetores terão a obrigação de enviar a paciente para outro centro médico), não seguiu linhas partidárias. Embora a governante Frente de Todos apoiasse o projeto, nem todos os congressistas do grupo aprovaram a medida.

E alguns parlamentares votaram a favor da legalização, apesar de sua fé religiosa.

"Por quê queremos impor por lei o que não podemos impedir com nossa religião?", questionou a senadora Gladys González, do grupo opositor Juntos Pela Mudança e católica praticante, ao anunciar apoio ao projeto.

O presidente Fernández, próximo ao papa Francisco, havia declarado há alguns dias: "Sou um católico que pensa que o aborto não é um pecado".

O governo calcula que sejam realizados entre 370.000 e 520.000 abortos clandestinos por ano no país, de 45 milhões de habitantes. Desde a restauração da democracia, em 1983, mais de 3 mil mulheres morreram devido a abortos feitos sem segurança.

De modo paralelo, o Congresso também aprovou a 'Lei dos 1.000 dias', para dar apoio material e de saúde às mulheres de setores vulneráveis que desejam levar adiante a gravidez, de modo que as dificuldades econômicas não representem um motivo para abortar.

A aprovação da lei "serve como inspiração para que outros países da região e do mundo avancem no reconhecimento do acesso ao aborto legal e seguro", afirmou a Anistia Internacional.

A oposição à interrupção voluntária da gravidez, que adotou a cor azul, teve como representantes a Igreja Católica e a Aliança Cristã de Igrejas Evangélicas (ACIERA), que promoveram grandes manifestações nas ruas e missas ao ar livre.

"A Igreja na Argentina quer ratificar que continuará trabalhando com firmeza e paixão no cuidado e serviço à vida. Esta lei que foi votada aprofundará ainda mais as divisões em nosso país. Lamentamos profundamente o afastamento de parte das lideranças do sentimento do povo, que se expressou de várias formas a favor da vida", reagiou a Conferência Episcopal em nota.

"Hoje a Argentina retrocedeu séculos de civilização e respeito ao direito supremo da vida", reagiu a ACIERA em um comunicado que tem como título "Hoje é um dia triste".

Segundo uma pesquisa de 2019 sobre crenças religiosas do Conselho Nacional de Pesquisas Científicas e Técnicas (Conicet), 62,9% dos argentinos se declaram católicos, 18,9% sem religião e 15,3% evangélicos.

Também nos arredores do Congresso, muitas pessoas contrárias à aprovação da lei aguardaram de joelhos o resultado da votação, recebido com grande decepção.

A Argentina aprovou o divórcio em 1987. Depois uma lei de educação sexual integral (2006), uma para o matrimônio igualitário (2010) e uma de identidade de gênero (2012).

 

Comentários

Últimas notícias