PANDEMIA

Criticado por gestão da covid-19, Bolsonaro reclama de 'sabotagem'

O presidente é alvo de, pelo menos, 59 pedidos de impeachment protocolados. A maior parte deles, por conta da postura durante a pandemia

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 03/02/2021 às 22:30
Notícia

MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
Jair Bolsonaro reclamou de quem decidiu, "de forma egoísta, sabotar o próprio país" mesmo durante a pandemia de covid-19 - FOTO: MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
Leitura:

Embora alvo de processos de impeachment motivados por erros na condução da crise sanitária, o presidente Jair Bolsonaro reclamou de quem decidiu, "de forma egoísta, sabotar o próprio país" mesmo durante a pandemia de covid-19.

>> ''Não há nenhuma motivação para a aceitação de pedido de impeachment'', diz Mourão, no Twitter

>> Bolsonaro: "iniciamos novo capítulo" no País após abertura do ano legislativo

>> Nos encontramos em 2022', diz Bolsonaro, após gritos de 'genocida' e 'fascista'

>> Lira e Pacheco se reúnem com Bolsonaro e anunciam foco prioritário para a vacinação contra a covid-19

Em uma sequência de mensagens publicadas nas redes sociais nesta quarta-feira (3) o presidente, sem citar nomes ou partidos, manifestou insatisfação com quem não trabalha em favor do projeto que saiu vitorioso da disputa de 2018.

"Não é fácil reconstruir um país destruído ao longo de décadas, ainda mais quando quem deveria ter trabalhado ao nosso lado para levar adiante o projeto escolhido nas urnas em 2018 decidiu, de forma egoísta, sabotar o próprio país e o próprio povo, mesmo em meio a uma pandemia", disse.

Bolsonaro tem contra ele pelo menos 59 pedidos de impeachment protocolados na Câmara. A maior parte o acusa de crimes comuns e de responsabilidade baseados na postura dele e do governo durante a pandemia.

Nas publicações, feitas horas depois da participação na abertura dos trabalhos legislativos no Congresso, Bolsonaro fez um aceno aos parlamentares ao convidá-los para trabalhar em conjunto.

"Hoje, iniciamos um novo capítulo e temos uma nova oportunidade de trabalhar em conjunto pelo Brasil; colocando o país, e não mais interesses pessoais, no coração de cada decisão tomada; respeitando, acima de tudo, os anseios e as tradições do povo brasileiro", escreveu. O presidente finalizou dizendo que cabe a todos ter a "consciência do momento histórico".

Os novos presidentes da Câmara e do Senado, Arthur Lira (Progressistas-AL) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG), eram os preferidos do Palácio do Planalto para as funções e tiveram forte apoio do governo. O triunfo de ambos dá segurança a Bolsonaro para a aprovação de matérias e para a obstrução de investigações que possam atingir o Planalto.

Comentários

Últimas notícias