IGREJAS

"Prática religiosa independe do templo", diz Dom Fernando Saburido sobre inclusão de igrejas como atividades essenciais

Segundo arcebispo de Olinda e Recife, com o agravamento da pandemia da covid-19, "a preocupação com as celebrações nas igrejas não pode ser a principal"

Mirella Araújo
Mirella Araújo
Publicado em 07/03/2021 às 15:24
Notícia
EZEQUIEL QUIRINO/ACERVO JC IMAGEM
"Reconhecemos a religião como grande conforto espiritual para a nossa vida, sobretudo nas ocasiões mais desafiadoras", disse Dom Fernando - FOTO: EZEQUIEL QUIRINO/ACERVO JC IMAGEM
Leitura:

O arcebispo de Olinda e Recife, Dom Fernando Saburido, divulgou uma carta neste domingo (7), afirmando que "a prática religiosa independe do templo". O posicionamento do arcebispo vem em resposta as negociações que serão iniciadas na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), nesta segunda-feira (8), para que as  atividades religiosas realizadas nos templos, sejam incluídas no decreto estadual, como atividades essenciais

"Reconhecemos a religião como grande conforto espiritual para a nossa vida, sobretudo nas ocasiões mais
desafiadoras. Por outro lado, entendemos que, em momento tão grave como estamos passando, quando
cresce assustadoramente no Brasil o número de infectados e falecidos por conta da Covid-19, a
preocupação com as celebrações nas igrejas não pode ser a principal", declarou Dom Fernando. 

>>Bancadas cristãs da Câmara do Recife e da Alepe pedem reconhecimento de atividades religiosas como essenciais

>> Parlamentares querem classificar igrejas e academias como atividades essenciais em Pernambuco

>>Igrejas evangélicas protestam por reabertura durante período de restrição decretado pelo governo estadual

O sacerdote também explica que as pessoas podem fazer uso de recursos tecnológicos para participar das celebrações de maneira remota. "E realizar suas devoções em suas casas, em conjunto com sua família, como 'Igreja Doméstica', tão preconizada no Concílio Vaticano II e no Catecismo da Igreja Católica (cf. LG, 11; CIC 1655 - 1658). Neste momento devemos concentrar nossas energias no combate à pandemia, procurando fazer a nossa parte, ou seja: ficando o quanto possível em casa, mantendo o distanciamento social, a higienização, fazendo uso permanente da máscara e não deixando de tomar a vacina. Cuidemos uns dos outros, sobretudo dos idosos, dos pobres, daqueles que não têm onde morar.", aponta em trecho da carta. 

Dom Fernando também cobrou dos governantes e legisladores, "medidas mais eficazes" para combater a covid-19,  citando o "escândalo das aglomerações nos transportes públicos", como exemplo, e pedindo a aprovação de leis "que visem digna condição de vida para os desempregados e melhorias na assistência dos enfermos. 

Na manhã deste domingo, representantes de igrejas evangélicas de Pernambuco realizaram uma carreata e um protesto contra o endurecimento das medidas restritivas decretado na última semana pelo governador Paulo Câmara (PSB). Conforme as novas normas, adotadas para frear o avanço da covid-19 no Estado, até o dia 17 de março os serviços não essenciais estarão proibidos do litoral ao Sertão das 20h às 5h, de segunda a sexta, e durante todo o fim de semana. 

Os manifestantes realizaram buzinaços e pediam a reabertura das igrejas do Estado durante os finais de semana. Pelo menos uma deputada estadual e um vereador participaram do ato, Clarissa Tércio (PSC) e Júnior Tércio (Pode). "Estamos, como igreja, lutando pelo nosso direito constitucional de culto. Centenas de carros, pastores, cristãos, unidos em uma só voz dizendo que a igreja é essencial, mandando recado para o governo do Estado de Pernambuco e para a sociedade pernambucana: não vamos nos calar! A igreja está viva!", afirmou Clarissa, durante a manifestação. A deputada cobriu boa parte do ato em suas redes sociais e chegou até a afirmar que estaria disposta a ser presa para defender o que acredita ser correto.

PROJETO

De autoria do pastor Cleiton Collins (PP), o Projeto de Lei (PL) nº 1094/2020, classifica como essencial "a assistência religiosa e o socorro espiritual, especialmente para o acolhimento de necessitados e de vulneráveis, inclusive, nos templos de qualquer culto, por meio de liturgias presenciais ou remotas”. 

O parlamentar defende na matéria, que as atividades religiosas devem seguir as determinações da Secretaria Estadual de Saúde, utilizando meios virtuais para reuniões coletivas e adotando o distanciamento, caso essa modalidade não seja possível. “Peço à Alepe que veja com carinho tanto essa proposição quanto o PL nº 1155/2020, do deputado Marco Aurélio Meu Amigo (PRTB). Os projetos podem tramitar em conjunto”, sugeriu Collins, durante a sessão realizada na última quinta-feira (4).

Confira na íntegra a carta assinada pelo arcebispo de Olinda e Recife, Dom Fernando Saburido:

"Prot. GAM-C-015/2021
Referência: Projeto de lei-atividades religiosas como serviço essencial

Recife, 07 de março de 2021.

Queridos irmãos e irmãs,

Fomos informados que, nesta segunda feira, terão início na Assembleia Legislativa as negociações para
aprovação do projeto que inclui as atividades religiosas, nos templos, como essenciais. Reconhecemos a religião como grande conforto espiritual para a nossa vida, sobretudo nas ocasiões mais desafiadoras. Por outro lado, entendemos que, em momento tão grave como estamos passando, quando cresce assustadoramente no Brasil o número de infectados e falecidos por conta da Covid-19, a preocupação com as celebrações nas igrejas não pode ser a principal.

A prioridade deve ser salvar vidas. A prática religiosa independe do templo, conforme Mt 18,20: “Onde
dois ou três estiverem reunidos em meu nome, eu estou ali, no meio deles”. As pessoas podem fazer uso
dos recursos da tecnologia para participar das celebrações, à distância, e realizar suas devoções em suas
casas, em conjunto com sua família, como “Igreja Doméstica”, tão preconizada no Concílio Vaticano II
e no Catecismo da Igreja Católica (cf. LG, 11; CIC 1655 - 1658).

Neste momento devemos concentrar nossas energias no combate à pandemia, procurando fazer a nossa
parte, ou seja: ficando o quanto possível em casa, mantendo o distanciamento social, a higienização,
fazendo uso permanente da máscara e não deixando de tomar a vacina. Cuidemos uns dos outros,
sobretudo dos idosos, dos pobres, daqueles que não têm onde morar.

Achamos importante reconhecer a religião como essencial e agradecemos o empenho do legislativo estadual. Ao mesmo tempo, esperamos dos governantes e legisladores medidas mais eficazes para evitar, ou pelo menos diminuir, o escândalo das aglomerações nos transportes públicos, a aprovação de leis que visem digna condição de vida para os desempregados e melhorias na assistência aos enfermos.
Que Deus tenha misericórdia do nosso povo.

Dom Antônio Fernando Saburido, OSB
Arcebispo de Olinda e Recife

Dom Limacêdo Antonio da Silva
Bispo Auxiliar de Olinda e Recife

Comentários

Últimas notícias