LUTO

Políticos e amigos lamentam a morte de Marco Maciel e destacam trajetória em defesa do desenvolvimento do Brasil

Ex-vice presidente morreu nesta madrugada em Brasília. Seu compromisso com o interesse público foi ressaltado por quem conviveu com Marco Maciel

Margarida Azevedo
Margarida Azevedo
Publicado em 12/06/2021 às 8:40
Notícia
Foto: Alexandre Severo/Acervo JC Imagem
Amigos e políticos destacaram o espírito conciliador de Marco Maciel - FOTO: Foto: Alexandre Severo/Acervo JC Imagem
Leitura:

Políticos e amigos lamentaram, neste sábado (12), a morte do ex-vice-presidente da República, o pernambucano Marco Maciel. Ele faleceu durante a madrugada, em um hospital de Brasília, onde estava internado, em decorrência de complicações do Mal de Alzheimer. O velório será de 14h30 às 16h30 no Salão Negro do Senado, e o sepultamento às 17h30, na Ala dos Pioneiros do Cemitério Campo da Esperança, na capital federal.

“Marco Maciel era daqueles políticos que hoje fazem muita falta. Olhava para o País e para sua região acima de tudo, sem divisões pré-estabelecidas pela política partidária. Isso ampliava a troca de ideias e a pluralidade das discussões. Sabia dialogar como poucos. E, no diálogo, seguia seus valores. Infelizmente, foi acometido por uma doença que antecipou sua saída da política. E isso deixou um vazio imenso no cenário nacional. Era, acima de tudo, um cidadão correto, ético e extremamente atencioso com todos. Lamento muito o falecimento dele", João Carlos Paes Mendonça, empresário e presidente do Grupo JCPM.

"Hoje é um dia profundamente triste, um dia de perda, de dor, de sofrimento que já vem acometendo todos nós que somos amigos de sólidos laços de Marco Maciel. Eu sinteticamente vou dizer dele o que eu já disse em vida: Marco Maciel foi o ser humano menos imperfeito com quem eu convivi mais de 50 anos e deixou para cada um de nós um pedacinho da grandeza dele. Ensinou a todos nós. Ele não fazia amigos, ele conquistava corações", comentou o ex-governador de Pernambuco Gustavo Krause.

Leia mais: O adeus a Marco Maciel, um dos grandes políticos de Pernambuco

Leia mais: Quem foi Marco Maciel? Político pernambucano morreu aos 80 anos neste sábado

Leia mais: Anna Maria: a fiel e dedicada companheira de Marco Maciel

"Agradeço a Deus, eu e minha família inteira, o privilégio de ter conhecido, convivido e aprendido com ele muitas coisas. Como disse o nosso amigo comum, Anchieta Hélcias, hoje de madrugada, Marco Maciel agora está na morada do grande amigo, Deus. Ele não pode ter outro destino se não o céu e ao lado direito de Deus Pai. Entre outras coisas, ele era um homem de uma sólida fé", afirmou Krause. "Não vou falar sobre a vida pública dele porque é mais do que exemplar, é um paradgima, é a referência e de conhecimento de todo o Brasil. E mais do que nunca, ele está fazendo falta", continuou.

Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Luiz Fux afirmou que o país "perde um grande brasileiro". "Marco Maciel deixou marcas na história do Brasil nas últimas décadas como jurista, parlamentar, governador e vice-presidente da República. O país perde um grande brasileiro, com elevado espírito republicano. Em nome do Supremo Tribunal Federal, manifesto pesar e deixo um abraço aos amigos e familiares", declarou.

O prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, também externou pesar pela morte do ex-vice presidente. "Pernambuco tem uma larga tradição de formar homens e mulheres notáveis. O vice-presidente Marco Maciel foi uma dessas figuras que marcaram época e deixaram legado. Para nossa tristeza, hoje perdemos esse homem público brilhante. Deputado estadual, federal, senador, ministro, governador e vice-presidente, o currículo demonstra o tamanho de Marco Maciel. Tinha uma mente extraordinária, sendo imortalizado na Academia Brasileira de Letras", afirmou Miguel Coelho.

"Era ainda amado pelos seus pares e admirado entre seus opositores. Acima disso, foi amado pelos pernambucanos. Orgulho do Nordeste, Marco Maciel honrou sua gente e permanecerá imortalizado na nossa história de bravos guerreiros. Minha solidariedade a todos os familiares e amigos. Mais que um dia triste, este sábado, 12 de junho de 2021, é uma data de reverência a um ilustre filho que tanto fez por Pernambuco e pelo Brasil", enfatizou o prefeito de Petrolina.

Leia mais: Marco Maciel ia da política à economia como ia da cultura à energia nuclear

Leia mais: Marco Maciel era um maquinista de trem que conduziu o país com a discrição de quem carrega algo tão valioso quanto um Brasil

Leia mais: Ouça jingle da última campanha vitoriosa de Marco Maciel que é lembrado até hoje: "É Jarbas, Marco Maciel e Sérgio Guerra"

INTEGRIDADE

"A notícia do falecimento de Marco Maciel me traz uma profunda tristeza, mas também um pensamento do que ele representou para minha geração e para mim particularmente que fui seu amigo próximo. Ele tinha qualidades extraordinárias, a começar pela integridade e honestidade. Devo a ele exemplos de vida, uma amizade sólida. Devo a ele muito o que aprendi na política. Da boa política, da política voltada para o interesse público, da política como se aprendia a fazer como Agamenon Magalhães e muitos outros pernambucanos ilustres", afirmou o ex-governador e ex-prefeito de Recife Roberto Magalhães.

"É uma grande perda. Já vínhamos perdendo com a doença que o acometeu nos últimos anos. Marco Maciel foi um exemplo de vida, como homem, como político, como pernambucano. Foi grande em todos os sentidos", enfatizou Roberto Magalhães.

"A cidade de Olinda e todos os olindenses têm uma gratidão histórica com Marco Maciel. O nosso título de Patrimônio Cultural da Humanidade, conferido pela Unesco, foi obtido em 1982, último ano da administração dele no governo de Pernambuco. Tendo a sua gestão papel importante sobretudo na organização da complexa documentação que sacramentou a Marim dos Caetés como monumento mundial. Um dos traços mais marcantes da personalidade de Marco Maciel foi a sutileza, que ele soube utilizar junto com o diálogo e a tolerância no bom trato de fazer política", disse o prefeito de Olinda,  Professor Lupércio.

"Recebi com pesar a notícia do falecimento do ex-vice-presidente da República e ex-governador de Pernambuco, Marco Maciel. Conciliador, honrado e íntegro, ao lado do presidente Fernando Henrique Cardoso fez muito ao Brasil, sem esquecer jamais de seu estado e de seu povo, em todas as funções que exerceu como deputado, senador e ministro. Em nome do PSDB de Pernambuco, expresso nossa profunda solidariedade à sua esposa, Anna Maria, filhos, toda família, inúmeros amigos e a nossa gente que se despede hoje de um de seus grandes líderes”, afirmou a prefeita de Caruaru e presidente do PSDB-PE, Raquel Lyra.

"É uma notícia muito triste a partida de Marco Maciel. Nos faz refletir bastante sobre o seu significado, o seu exemplo de vida, o que ele fez pela política pernambucana e pela política brasileira. Ele indiscutivelmente é uma das referências mais marcantes na política pernambucana e brasileira. Deixa muita saudade, uma lacuna gigante. Sempre foi um político conciliador, que buscava o crescimento, o desenvolvimento, o bem estar do povo, sempre a partir do diálogo e da conciliação. Ao mesmo tempo foi um grande realizador. Ele tem uma obra aqui em Pernambuco desde o Sertão, com as obras de estradas, adutoras, barragens, o projeto Asa Branca passando por símbolos econômicos relevantes aqui em Pernambuco como o Porto de Suape, que contou com um grande investimento durante a sua gestão como governador. O Aeroporto dos Guararapes, terminal que foi concluído a partir de uma parceria com o governo federal, ele como vice-presidente e Jarbas como governador do Estado", afirmou o ex-governador, ex-ministro da Educação e ex-deputado federal Mendonça Filho (DEM).

"Pernambuco perdeu, hoje, um dos políticos mais importantes da sua história. Lamentamos profundamente a morte de Marco Maciel, alguém cuja trajetória se cruza com episódios marcantes do nosso Estado. Foi deputado estadual, foi deputado federal, senador, ministro da Educação e chefe da Casa Civil, chegando à vice-presidência da República. Como governador, olhou para a seca e pensou no desenvolvimento regional, priorizando o Porto de Suape. Foi um homem público com posições firmes, que valorizava o diálogo e o entendimento, elevando as questões políticas de Pernambuco à vida nacional. Merece nosso respeito e admiração pelo caminho que trilhou, inspirando as pessoas com a sua seriedade e comprometimento. Que Deus conforte seus familiares e amigos nesse momento de despedida e que seu espírito possa descansar em paz", disse Eriberto Medeiros, deputado e Presidente da Assembleia Legislativa de Pernambuco.

 

"Marco Maciel marcou muito, do ponto de vista de realizações, Pernambuco. E no cenário nacional, no parlamento, sempre foi um político da boa conversa, do bom diálogo, das pontes em favor do interesse da nossa população. Conciliador, uma pessoa seríssima, um político honrado, exemplar. A gente olha muitas vezes a política pública contaminada de maus políticos, desonesta. A gente tem a referência na figura de Marco Maciel e no seu exemplo do que deve ser o homem público. Eu o conheci desde criança, meu pai foi seu grande amigo", comentou Mendonça Filho.

"Um homem honrado. Nasceu para servir na vida pública com vocação e dedicação exemplar. A história contemporânea da Política (“P” maiúsculo) brasileira teve nele um articulador mestre com discrição e humildade de um franciscano. Nesse momento de extremos a lembrança de sua postura mostra como a luta de ideias e posições precisa retornar ao eixo civilizatório. O Marco Maciel, maestro da redemocratização, Vice-Presidente da República, Ministro, Governador de Pernambuco, Presidente da Câmara dos Deputados, Senador, Deputado Estadual e Líder Estudantil será uma referência na formação de quadros da política que serve à sociedade. Os nossos mais sinceros sentimentos a Anna Maria, companheira de toda uma vida, e a toda sua família", afirmou o ex-deputado federal por Pernambuco e presidente nacional do PSDB, Bruno Araújo.

LEGADO

"A morte de Marco Maciel depois de uma longa enfermidade que o excluiu prematuramente das atividades político partidárias nos deixa mais distante de um virtuoso ciclo de líderes que abdicaram de conquistas materiais ou pessoais e se dedicavam exclusiva e obstinadamente aos elevados interesses do país à luz da retidão, da ética e do rigor na gestão dos procedimentos administrativos. Marco Maciel pertenceu a uma geração de republicanos liberais, cultores da lei e fiéis aos princípios da liberdade e dos direitos civis. Soube, como poucos, lidar com a natureza da arte política do possível para salvaguardar o país de rupturas indesejadas e assegurar avanços graduais que se faziam necessários no rumo da redemocratização finalmente consagrada na carta constitucional de 1988",  destacou o jornalista Ângelo Castelo Branco, ex-secretário de Imprensa do Governo do Estado e do Ministério da Educação nas gestões de Marco Maciel e autor do livro Um Artífice do Entendimento, com notas biográficas, editado pela CEPE.

"Prestou um inestimável serviço à moderna História do Brasil ao lado de Tancredo Neves, Aureliano Chaves e Ulisses Guimarães tecendo uma delicada transição do período de governos militares para gestões democráticas eleitas pelo voto universal sem que uma única gota de sangue fosse derramada no país. Suas relações republicanas isentas de preconceitos diante de quaisquer correntes ideológicas tornaram-no um conciliador nato. Marco Maciel deixa a vida sendo, desde muito tempo, um personagem relevante da história e um artífice do bem. Uma pessoa em quem o Brasil podia confiar com a serenidade e a certeza de que a nação estaria em boas mãos", observou Ângelo Castelo Branco.

LIDERANÇA

O presidente do partido Democratas, Antonio Carlos Magalhães Neto, também emitiu nota de pesar pela morte de Marco Maciel. "Neste 12 de junho, o Democratas se despede, já com o coração saudoso, de um dos seus fundadores. Marco Maciel foi um dos mais importantes quadros do nosso partido. Com sua exemplar atuação na vida pública, escreveu uma história irretocável de dedicação ao nosso País", afirmou Antonio Carlos Magalhães Neto.

"Em minha trajetória, pude me inspirar e aprender com seus ensinamentos. Ex-vice-presidente da República, Marco Maciel foi uma liderança capaz de motivar políticos de todas as idades. Quando ainda no movimento da Juventude do PFL, recebi palavras e gestos significativos de incentivo que jamais vou me esquecer. Mesmo carinho que nosso fundador direcionou a muitos jovens e políticos ao longo de toda a sua vida. Homem de elevado espírito público, tenho certeza que o legado de Marco Maciel será lembrado por toda nossa história. Hoje, envio toda solidariedade e carinho aos familiares e amigos deste grande líder. Um sincero e fraterno abraço da família Democratas", concluiu o presidente do DEM.

"Hoje nos deixou Marco Maciel. Um homem exemplar em tudo. Sua vida é uma síntese de muitas virtudes: coerência, lealdade, decência no trato da coisa pública, capacidade de trabalho e visão de futuro, cordialidade e disposição para o diálogo, inclusive com os adversários e, sobretudo, espírito público. Sua existência foi toda dedicada à defesa dos interesses de Pernambuco e do Brasil. Deixa um enorme legado e fará muita falta ao nosso país", frisou o deputado federal e presidente do MDB-PE, Raul Henry.

"Tive o privilégio de me aproximar dele na campanha de 1994, quando se elegeu pela primeira vez vice-presidente da República. De lá para cá, mantivemos uma relação fraterna, que muito me honra. Transmito à sua família e aos seus muitos amigos meu mais profundo sentimento de pesar e solidariedade", completou Raul.

Presidente do PP-PE, o deputado federal Eduardo da Fonte afirmou que a sigla "lamenta profundamente" a morte de maciel. "O Partido Progressistas de Pernambuco lamenta profundamente a morte de Marco Maciel, recifense e grande quadro da política nacional. Homem público honrado, será sempre reconhecido pelo estilo conciliador e por sua grande capacidade pacificadora. Nosso sentimento de pesar aos familiares, especialmente a esposa Ana Maria e aos três filhos e netos, e aos amigos. Que Deus conforte o coração de todos", declarou.

MACIELISMO

"Marco Maciel inaugurou um estilo no Brasil. Ele era uma referência. Criou um adjetivo, macielista. Era um negociador, um homem ameno, um homem do diálogo, ultrapassou as fronteiras de Pernambuco e respeitado no Brasil inteiro. Um exemplo, um extraordinário governador, ministro, extraordinário homem público, chefe de família. Pernambuco hoje está verdadeiramente de luto, a classe política, os homens de bem, os que acham que a política é a arte de servir as pessoas, servir à sociedade. Foi um exemplo a ser seguido, uma escola. O Brasil acordou hoje empobrecido. E todos, com absoluta certeza, se houve uma unanimidade, foi Marco Maciel. Tinha um profundo respeito e admiração por ele. Foi através dele, em 1976, que eu ingressei como vice-prefeito de Rio Formoso, incentivado por ele", ressaltou o ex-presidente do Tribunal de Contas da União, José Múcio Monteiro.

"É com tristeza que recebo a notícia, neste sábado (12), do falecimento de Marco Maciel, que foi governador de Pernambuco, senador e vice-presidente da República no governo Fernando Henrique Cardoso. O pernambucano lutava há 7 anos contra o mal de Alzheimer. Sua partida inflige enorme perda para a política brasileira e a arte da conciliação. Meus sentimentos à sua família, amigos e admiradores", afirmou o senador Rodrigo Pacheco, presidente do Congresso Nacional.

"Marco Maciel foi um exemplar homem de estado. Deixa um legado de diálogo, de construção de pontes que viabilizaram soluções imprescindíveis para o nosso país. Uma irreparável perda. Meus sentimentos à família", afirmou o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes

"Como político, Marco Maciel encarnou as maiores virtudes republicanas, honradez e dedicação às melhores causas. Como cidadão exemplar, nos deixou lições de moderação, equilíbrio e civilidade, que devem ser sempre valorizadas, especialmente neste tempo em que vivemos. Uma grande perda para o Brasil. O meu abraço a Dona Ana Maria e familiares", afirmou o ex-senador Armando Monteiro Neto.

"Pernambuco perdeu Marco Maciel. Sua trajetória como deputado, senador, governador e vice-presidente teve o símbolo da correção e lealdade aos seus princípios. Cultivou, na vida pessoal e política, o valor do respeito a fidalguia com as pessoas, que tanto faz falta hoje ao Brasil", disse o deputado federal Danilo Cabral (PSB).

"A partida de Marco Maciel, marco de Pernambuco, representa a perda também de parte importante da história política do nosso Estado e do País. Marco Maciel deixa a todos nós o legado de um homem público sempre aberto ao diálogo sem esquecer de suas convicções. Meus sentimentos a toda a família e amigos. Que Deus conforte a todos neste momento tão difícil", observou Fernando Monteiro (PP), deputado federal.

"Diante do falecimento do ex-vice-presidente da República, Marco Maciel, a deputada federal Marília Arraes (PT/PE) externa sua solidariedade aos familiares e amigos do pernambucano", destacou a deputada federal Marília Arraes (PT).

Avelar Loureiro, presidente do Movimento Pró-Pernambuco, também fez questão de homenagear Marco Maciel. "Com profundo pesar, o Movimento Pró-Pernambuco se solidariza com familiares e amigos do ex-vice-presidente da República e ex-governador de Pernambuco, Marco Maciel , falecido na madrugada desta sábado, dia 12. Sua partida representa enorme perda para a política brasileira. Marco Maciel foi um dos políticos mais conciliadores de sua geração e deixará um legado de honradez a todos os brasileiros. Desejamos conforto à sua espoa Anna Maria e a seus filhos. Que Deus os ajudem a superar a dor deste momento de luto".

EXEMPLO

O ex-governador de Pernambuco Joaquim Francisco também exaltou as qualidades de Marco Maciel. "O Brasil e Pernambuco perdem um grande político. Um homem de bem, capaz, um trabalhador incansável pelos interesses do povo, do seu Estado, da sua região e do País. Marco Maciel merece uma análise mais profunda da sua vida, da sua trajetória política, como homem, como professor. Porque é um homem efetivamente de dimensões gigantescamente atualizadas, apesar de ter vivido um pouco na época mais passada", disse Joaquim Francisco.

"Ele não perdeu a capacidade de raciocínio claro, de interferir em momentos difíceis, sempre com uma solução que resultasse na preservação dos interesses seja de Pernambuco, do Nordeste, seja do País. Conhecia direito internacional, conhecia os problemas do País a fundo porque era um estudioso. Eu considero essencial que o político seja um estudioso para conhecer os problemas e tinha uma grande capacidade de articulação. Eu já disse algumas vezes que o governo Fernando Henrique Cardoso deve muito, só pra falar no seu período de vice-presidente da República. Foram oito anos. Ele deve muito a Marco Maciel. Nos momentos difíceis, em todas as crises, em momentos de ruptura, estava lá um conciliador", comentou Joaquim Francisco.

"Outro aspecto que destaco em Marco Maciel e acredito que muitas pessoas vão fazer essa análise é que morreu um político velho, um político antigo. Não existe político antigo, político velho, nova política, velha política. Isso são frases feitas, sem sentido e sem nenhuma colaboração para a melhoria do processo democrático. Existem sim políticos sérios, políticos dedicados, que têm conhecimento das causas. E Marco Maciel era um desses. Como governador, como ministro da Educação, como vice-presidente da República, em todas as funções que ocupou. Desde líder do governo Nilo Coelho, em 1968, quando era deputado estadual pelo antigo PSD, até o dia em que adoeceu, não descansou um minuto. Era uma máquina de trabalho, movida a espírito público, a respeito do dinheiro do povo, a respeito das convicções que ele tinha. Portanto é um homem que merece ter difundida a sua biografia, os seus feitos, para servir de exemplo para as novas gerações. Como estamos precisando de exemplos da dimensão de um Marco Maciel", concluiu Joaquim Francisco.

NACIONAL

Ciro Gomes também foi outro político a lamentar a morte de Marco Maciel, afirmando que foi um "homem decente e de espírito público, que dignificou as melhores tradições pernambucanas na política brasileira".

O presidente nacional do Cidadania, Roberto Freire, disse que o Brasil perdeu um grande homem público, enquanto o senador Alvaro Dias (Podemos-PR) afirmou que Maciel foi um ser humano exemplar, cordial, discreto, estudioso, construtivo.

Outro a lamentar a morte do ex-vice-presidente foi o presidente do MDB de Roraima, Romero Jucá, o qual afirmou que "teve a satisfação de conviver com Marco Maciel, sendo que sua inteligência e seu jeito pacato e conciliador fez dele um exemplo para todos nós".

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PSD-RJ), o presidente nacional do MDB, Baleia Rossi, o senador Antonio Anastasia (PSD-MG), dentre outros políticos, lamentaram a morte de Maciel, afirmando que o País perdeu um dos maiores "símbolos do diálogo". (Com Agência Estado)

"Lamento o falecimento de Marco Maciel, homem de espírito público, aberto ao diálogo, um democrata. Meus sentimentos aos familiares e amigos", declarou o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP).

Comentários

Últimas notícias