Covid-19

'Se eu estivesse coordenando a pandemia, menos pessoas morreriam', diz Bolsonaro

Falta de uma coordenação pelo governo federal para frear a covid-19 e o incentivo de Bolsonaro ao uso de medicamentos sem eficácia comprovada para a doença estão justamente entre as principais vertentes de investigação da CPI da Covid do Senado

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 24/07/2021 às 19:30
Notícia
Alan Santos/PR
Jair Bolsonaro, presidente da República - FOTO: Alan Santos/PR
Leitura:
O presidente Jair Bolsonaro disse neste sábado (24) que menos pessoas teriam morrido vítimas da covid-19 caso ele estivesse na coordenação das ações de enfrentamento à pandemia. "Se eu estivesse coordenando a pandemia, não teria morrido tanta gente", disse Bolsonaro, para logo em seguida defender o chamado "tratamento inicial" (o tratamento precoce, como era chamado) e uso de medicamentos off label - quando o remédio é usado fora das recomendações da bula, como ocorreu com a cloroquina.
 
 

Falta de coordenação

 
A falta de uma coordenação pelo governo federal para frear a covid-19 no Brasil e o incentivo de Bolsonaro ao uso de medicamentos sem eficácia comprovada para a doença estão justamente entre as principais vertentes de investigação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid do Senado. A demora para a vacinação adquirir ritmo no Brasil e a aposta em tratamentos ineficazes estão entre as causas apontadas para o País ter quase 550 mil mortos pela doença, dizem especialistas em saúde .
 
Bolsonaro e seu entorno costumam dizer que a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a competência dos Estados para decidir medidas de contenção do vírus teria limitado a atuação do governo federal. O entendimento do STF, no entanto, é de que todos - União, Estados e municípios - são responsáveis por esse enfrentamento.
 
"Quando você fala em tratamento inicial, a obrigação do médico é buscar minimizar o sofrimento da pessoa. E o tratamento off label. Uma parte considerável de remédios foram descobertos por acaso", disse o presidente a apoiadores em frente ao Palácio do Alvorada.
 
Bolsonaro ainda criticou medidas que, na prática, visam a ampliar a cobertura de vacinados no Brasil. Ele citou as decisões da Justiça trabalhista que reconheceram demissão por justa causa de funcionários que não quiserem receber o imunizante.
 
"Eu pergunto pra vocês, qual país do mundo faz acompanhamento de quem tomou vacina? Tem gente que está sofrendo efeito colateral, e o que está acontecendo? A Coronavac ainda é experimental e tem gente que quer tornar obrigatória. Como tem juízes do trabalho que estão aceitando demissão justa causa de quem não quer tomar vacina. Eu falei no ano passado: 'no que depender de mim a vacina é facultativa'. Me acusam de negacionista", afirmou.

Últimas notícias