Disputa

Eleições 2022: PSD pretende apresentar Rodrigo Pacheco como um novo JK

Aliados do presidente do Senado Federal e do PSD defendem que o parlamentar possui bom poder de articulação e capacidade de "pacificar o país"

Do jornal O Povo para a Rede Nordeste
Do jornal O Povo para a Rede Nordeste
Publicado em 22/10/2021 às 12:46
Notícia
Pedro Gontijo/Agência Senado
"VETO é candidatíssimo a ser derrubado", diz Pacheco - FOTO: Pedro Gontijo/Agência Senado
Leitura:

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), oficializou a decisão de mudar de partido e se filiar ao PSD, legenda comandada pelo ex-ministro Gilberto Kassab. No próximo dia 27, Rodrigo Pacheco filia-se ao partido que já abrigou o ex-presidente Juscelino Kubitschek. Inspirado no ex-presidente, o partido está disposto a fazer do presidente do Senado Federal um potencial nome para a disputa presidencial. O projeto dele é ser o nome da 3ª via em 2022, contra a atual polarização entre Lula (PT) e Bolsonaro (sem partido). A matéria é do jornal O Povo para a Rede Nordeste.

A assinatura da ficha ocorrerá no Memorial JK, em Brasília. A saída dele do DEM, que se funde ao PSL para se chamar União Brasil, já foi comunicada ao presidente da legenda, ACM Neto.

O presidente do PSD, Gilberto Kassab, já considera que o parlamentar surge como uma nova figura de Juscelino Kubitschek por ser um nome capaz de “pacificar o país” e garantir “estabilidade e previsibilidade para a volta do desenvolvimento.

Aliados do PSD avaliam que outra semelhança entre os políticos está no estilo. Os mineiros possuem um modo particular de se articular politicamente e de transitar pelo Congresso Nacional. “Na eleição para a Presidência do Senado, por exemplo, Pacheco, em seus 57 votos, reuniu apoio de senadores do PT, da Rede, PSB, MDB, PSD e, também, do senador Flávio Bolsonaro", disse um aliado à revista Veja.

“Nos discursos de Pacheco, hoje, e de JK, em 1954, o ponto comum é a defesa do desenvolvimento econômico, mas com uma marca forte de justiça social, do Estado necessário e com um plano de país, e não apenas de governo", disse um dos apoiadores do presidente do Senado.

Comentários

Últimas notícias