Foragido

Saiba quem é Zé Trovão, bolsonarista que se entregou à Polícia Federal após quase dois meses foragido

O bolsonarista havia pedido asilo político ao México em setembro

Giovanna Torreão Julianna Valença
Cadastrado por
Giovanna Torreão
Julianna Valença
Publicado em 26/10/2021 às 15:38 | Atualizado em 26/10/2021 às 15:46
REPRODUÇÃO/TWITTER
BOLSONARISTA Caminhoneiro passará a usar tornozeleira eletrônica - FOTO: REPRODUÇÃO/TWITTER
Leitura:

Conhecido como Zé Trovão, o bolsonarista Marcos Antônio Pereira Gomes se entregou à Polícia Federal  em Joinville, Santa Catarina, nesta terça-feira (26), após quase dois meses foragido da Justiça. Os advogados de defesa confirmaram ao portal UOL a informação de que Marcos Antônio se entregou à Polícia e informaram que a apresentação foi espontânea.

"Na qualidade de advogados do Sr. Marcos Antonio Pereira Gomes, conhecido como Zé Trovão, informamos que na data de hoje promovemos sua apresentação espontânea ao Excelentíssimo Senhor Doutor Delegado Chefe da Polícia Federal em Joinville - Santa Catarina, cidade de seu domicílio." Ainda segundo os advogados, Zé Trovão "está ao dispor da Justiça para provar sua inocência. Na sequência, a defesa formulará pleitos de liberdade".

Em grupo no Telegram dedicado a ele, o homem disse ainda que se entregaria as autoridades brasileiras. "Como diz o nosso hino: 'Verás que um filho teu não foge a luta', eu jamais abandonaria o povo brasileiro. Quando eu saí do país foi para continuar falando e motivando os senhores de bem para continuar lutando por uma nação mais junta", declarou."Eu vim dizer a vocês o meu muito obrigado. Não sei quanto tempo ficarei no cárcere, mas saibam que tudo isso é pelo Brasil", completouZé Trovão.

O caminhoneiro bolsonarista Marcos Antônio Pereira Gomes ganhou visibilidade nacional nos últimos meses ao convocar os caminhoneiros para mobilizações pelo Brasil em protesto contra o STF e apoio ao governo Bolsonaro. Zé Trovão também externou publicamente ameaças à Corte e costuma defender a volta da ditadura em postagens nas redes sociais.

Em agosto, o caminhoneiro foi alvo de mandados de busca e apreensão suspeito de articular um ato antidemocrático em 7 de Setembro. Na ocasião, ele chegou a ser proibido de usar as redes sociais. Ainda assim, fez parte de uma transmissão realizada pelo blogueiro bolsonarista Oswaldo Eustáquio. Nela, ele continuou incitando a realização de atos contra o STF.

Foi então quecaminhoneiro teve sua prisão solicitada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) e determinada pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), por participar da organização de atos com pautas antidemocráticas no feriado de 7 de setembro.

Antes da ordem de prisão, ele foi para o México, de onde continuou a fazer vídeos incentivando atos democráticosno Dia da Independência. O bolsonarista chegou a pedir asilo político ao México ainda em setembroalegando perseguição política no Brasil.

 

Reprodução/Twitter
Marcos Antonio Pereira Gomes, conhecido como Zé Trovão, é caminhoneiro e apoiador do presidente Jair Bolsonaro - Reprodução/Twitter

LEIA MAIS

Foragido, Zé Trovão desafia Alexandre de Moraes a prendê-lo; veja vídeo

Alvo da PF, Zé Trovão provoca Alexandre de Moraes e diz que estará na Avenida Paulista

O caminhoneiro era dono do canal no Youtube "Zé Trovão a voz das estradas", que, antes de ser retirado do ar, tinha mais de 40 mil inscritos. Em seus vídeos e postagens, chamava a população para ir a Brasília e exigia a "exoneração dos 11 ministros do STF".

Em outras publicações, fez ataques à CPI da Covid, no Senado, além de ter participado de "motociatas" em favor do presidente Jair Bolsonaro. O líder caminhoneiro já havia sido alvo de busca e apreensão no mês passado, em agosto, no mesmo inquérito.  

Comentários

Últimas notícias