MEDICAMENTO

Brasil pode ter novo remédio contra Alzheimer em 2022

A farmacêutica Biogen espera que a aprovação do remédio ocorra em março de 2021 nos Estados Unidos

JC
JC
Publicado em 30/11/2020 às 23:57
Notícia
ALOÍSIO COSTA LATGÉ/PIXABAY
Ainda não há medicamento que cure a doença - FOTO: ALOÍSIO COSTA LATGÉ/PIXABAY
Leitura:

Com informações do jornal O Estado de S. Paulo

A multinacional norte-americana Biogen está lutando para colocar no mercado mundial, o mais rápido possível, um remédio contra Alzheimer. No início do mês, a agência reguladora de alimentos e medicamentos dos Estados Unidos avaliou que o aducanumabe apresentou evidências “excepcionalmente persuasivas”. A farmacêutica espera que a aprovação do remédio ocorra em março de 2021. No Brasil, levando-se em conta os trâmites normais do processo, que costuma demorar de 12 a 15 meses, tudo indica que ele poderá estar disponível até o fim do primeiro semestre de 2022. A Biogen, no entanto, não quer se comprometer com prazos.

Caso seja aprovado, o medicamento será o primeiro tratamento para Alzheimer em décadas e o primeiro a sinalizar ser capaz de retardar sua progressão, conforme descreve o Estadão. “A descoberta foi muito emocionante. Se você tem Alzheimer, você não tem nada... não há remédio, não há perspectiva. Acho que essa droga é extraordinária em termos de dar alguma esperança em relação a essa doença devastadora”, afirmou ao jornal Fraser Hall, líder da companhia na América Latina.

Doença de Alzheimer

Os avanços da medicina têm permitido que os pacientes tenham uma sobrevida maior e uma qualidade de vida melhor, mesmo na fase grave da doença, porém, ainda não existe cura para a doença. No Brasil, estima-se que existam 1,2 milhão casos, a maior parte ainda sem diagnóstico. No mundo, cerca de 35,6 milhões de pessoas têm o diagnóstico.

A doença, descrita pela primeira vez em 1906 pelo psiquiatra alemão Aloysius Alzheimer, se apresenta como demência ou perda de funções cognitivas (memória, orientação, atenção e linguagem), causada pela morte de células cerebrais.

 

Comentários

Últimas notícias