Pandemia

Enfrentando alta de mortes, Manaus instala câmaras frigoríficas em cemitério

A cidade começa, nesta quinta (14), um toque de recolher na tentativa de diminuir a curva de casos e mortes

AFP
Estadão Conteúdo
Douglas Hacknen
Publicado em 14/01/2021 às 19:05
Notícia
MICHAEL DANTAS / AFP
O número de sepultamentos em Manaus quintuplicou em um mês - FOTO: MICHAEL DANTAS / AFP
Leitura:

Com aumento no número de sepultamentos em Manaus, no Amazonas, a prefeitura da cidade instalou duas câmaras frigoríficas no cemitério público Nossa Senhora Aparecida, no bairro Tarumã. A medida é para manter conservados os corpos dos pacientes que morrerem nos horários em que os cemitérios estão fechados. 

>> Com hospitais lotados e falta de oxigênio em Manaus, Amazonas anuncia toque de recolher

>> Com falta de oxigênio na cidade, Manaus transfere pacientes para outras capitais

>> Estima-se que até 750 pacientes tenham que deixar Manaus por causa da falta de oxigênio 

Segundo a Prefeitura de Manaus, cada câmara tem capacidade para armazenar até 60 caixõese começarão a ser utilizadas nestaquinta-feira (14).

O número de sepultamentos em Manaus quintuplicou em um mês, segundo dados divulgados pela prefeitura. Na quarta-feira, 198 enterros ocorreram na capital, dos quais 87 tinham confirmação para covid-19 e sete eram de casos suspeitos. Em 13 de dezembro foram 36 óbitos, seis com resultado positivo para o vírus. Isto representa um aumento de 450%.

Os equipamentos instalados irão prestar suporte ao serviço SOS Funeral, da Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc). O SOS Funeral é um serviço que oferece gratuitamente cortejo, remoção, translado fúnebre, doação de urna funerária, isenção da taxa do sepultamento e o atendimento psicossocial às famílias no perfil de vulnerabilidade social e econômica, que não podem arcar com os custos nos casos de mortes ocorridas.

Asecretária da Semasc, Jane Mara Moraes, afirmou que “o secretário Sabá Reis e eu acompanhamos a instalação dessas câmaras e esse serviço será fundamental para melhorar nosso atendimento, evitando qualquer transtorno e prejuízo relacionados ao não reconhecimento”.

A Semasc informou que vai instalar, no cemitério Nossa Senhora Aparecida, um micro-ônibus, que permanecerá no local 24 horas e atenderá as demandas do serviço.

Lucas Silva/Secom
Em Manaus, hospitais voltam a instalar câmaras frigoríficas - Lucas Silva/Secom

Toque de recolher

O estado do Amazonas anunciou nesta quinta-feira a imposição de toque de recolher devido ao colapso de seu sistema de saúde causado pela pandemia de covid-19, que deixou hospitais sem oxigênio.

Na capital, Manaus, "acabou o oxigênio e algumas unidades de saúde viraram uma espécie de câmaras de asfixia", informou à AFP Jessem Orellana, da Fundação Fiocruz-Amazônia, uma instituição de pesquisa.

"Estamos no momento mais crítico da pandemia", disse o governador do Amazonas, Wilson Lima.

A Amazônia "produz quantidades significativas de oxigênio, mas hoje nosso povo precisa de oxigênio e solidariedade", afirmou, acrescentando que vários pacientes serão transferidos para outros estados.

MICHAEL DANTAS / AFP
Coveiros enterram uma vítima da covid-19 cercados por parentes no cemitério Nossa Senhora Aparecida em Manaus - MICHAEL DANTAS / AFP
MICHAEL DANTAS / AFP
Coveiros enterram uma vítima da covid-19 cercados por parentes no cemitério Nossa Senhora Aparecida em Manaus - MICHAEL DANTAS / AFP
MICHAEL DANTAS / AFP
Coveiros enterram uma vítima da covid-19 cercados por parentes no cemitério Nossa Senhora Aparecida em Manaus - MICHAEL DANTAS / AFP
MICHAEL DANTAS / AFP
Vítima da covid-19 no cemitério Nossa Senhora Aparecida em Manaus - MICHAEL DANTAS / AFP
MICHAEL DANTAS / AFP
Coveiros enterram uma vítima da covid-19 cercados por parentes no cemitério Nossa Senhora Aparecida em Manaus - MICHAEL DANTAS / AFP
MICHAEL DANTAS / AFP
Coveiros enterram uma vítima da covid-19 cercados por parentes no cemitério Nossa Senhora Aparecida em Manaus - MICHAEL DANTAS / AFP
MICHAEL DANTAS / AFP
Coveiros enterram uma vítima da covid-19 cercados por parentes no cemitério Nossa Senhora Aparecida em Manaus - MICHAEL DANTAS / AFP
MICHAEL DANTAS / AFP
Parentes assistem a funeral de vítimas da covid-19 no cemitério Nossa Senhora Aparecida em Manaus, Amazonas - MICHAEL DANTAS / AFP
MICHAEL DANTAS / AFP
Parentes assistem a funeral de vítimas da covid-19 no cemitério Nossa Senhora Aparecida em Manaus, Amazonas - MICHAEL DANTAS / AFP

Cerca de 400 cilindros de oxigênio foram entregues por militares nos últimos cinco dias para atender à demanda.

O toque de recolher será aplicado a partir de sexta-feira, das 19h às 06h.

O Brasil enfrenta o agravamento da pandemia, que já deixou mais de 205 mil mortos, um balanço superado apenas pelos Estados Unidos.

A média nacional de óbitos é de 98 por 100.000 habitantes, mas no estado do Amazonas chega a 142/100.000. Apenas Rio de Janeiro (158) e Brasília (145) o superam.

O Brasil se prepara para iniciar sua campanha de vacinação contra a covid-19 provavelmente a partir deste mês.

"Aqui não tem leito vazio, nem oxigênio, nada, a gente tá só na fé", disse Luiza Castro, moradora da capital amazonense.

Imagens nas redes sociais mostram pessoas carregando tanques de oxigênio para hospitais e pacientes reclamando da falta de assistência médica.

Segundo dados do município, a cidade registrou o quarto recorde diário consecutivo de enterros: 198 pessoas foram sepultadas na quarta-feira, sendo 87 por covid-19.

Comentários

Últimas notícias