PALEONTOLOGIA

Um dinossauro em exposição

Réplica do único dinossauro pernambucano encontrado até hoje é exposto no laboratório de Palentologia da UFPE

Maria Regina Jardim
Maria Regina Jardim
Publicado em 23/04/2015 às 9:53
Foto: Paleo PE/divulgação
Réplica do único dinossauro pernambucano encontrado até hoje é exposto no laboratório de Palentologia da UFPE - FOTO: Foto: Paleo PE/divulgação
Leitura:

Acaba de chegar ao Laboratório de Paleontologia (Paleolab) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), a réplica do único dinossauro pernambucano já descoberto, o Mirischia asymmetrica. A reprodução no tamanho original do animal (cerca de 2 metros), identificado no início dos anos 2000, em Araripina, na Bacia Sedimentar do Araripe, no Sertão, e mais um vasto acervo de fósseis pré-históricos fazem parte da exposição permanente do laboratório, a Paelo PE.

A chefe do Departamento de Geologia da UFPE, Alcina Barreto, explica que o dinossauro era um animal carnívoro, de baixa estatura, muito veloz, que viveu no território pernambucano há 100 milhões de anos, no Período Cretáceo Inferior. “O Mirischia tinha proximidade com o grupo das aves, com membros anteriores similares a asas rudimentares. Deveria se alimentar de pequenos vertebrados e insetos”, afirmou a geóloga.

De acordo com Alcina Barreto, o fóssil original se encontra no Museu de História Natural de Karlsruhe, na Alemanha, e corresponde ao primeiro exemplar de uma nova espécie. “Ele é o primeiro fóssil encontrado da família Compsognatidae”, disse.

Baseada nos conhecimentos mais atualizados sobre a morfologia do animal, a réplica do réptil gigante é de autoria do paleoartista Anilson Borges. A paleoarte foi confeccionada com resina, isopor e uma estrutura interna de metal.

A Paleo PE expõe o mais antigo registro de vida em território pernambucano. São expostos conchas de invertebrados marinhos do Período Devoniano (entre 416 milhões e 354 milhões de anos atrás); ossos e dentes de tubarões e crocodilos do Período Jurássico (199 e 155 milhões de anos), e fósseis de peixes e répteis (pterossauro, dinossauro e tartaruga) do Período Cretáceo (145 e 65 milhões anos).

Sob o comando dos paleontólogos da UFPE, a exposição já acontece há 10 anos, no corredor do Departamento de Geologia, no quinto andar do Centro de Tecnologia e Geociências (CTG) da UFPE, na Cidade Universitária, Zona Oeste do Recife. Suspensa no início do semestre, por falta de funcionários, reabriu as portas aos visitantes na segunda-feira. A exibição é aberta ao público durante a semana, das 8h ao meio-dia. A visita pode ser agendada pelo número: (81) 2126-7933.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias