EDUCAÇÃO

Estudante que pedia esmola em Pernambuco não vai mais estudar medicina no Canadá

Denis José da Silva foi enganado. Recebeu um email falso. Agora vai devolver o dinheiro que recebeu de doações para custear a viagem

Margarida Azevedo
Margarida Azevedo
Publicado em 11/07/2016 às 22:00
 Foto: Ashlley Melo/JC Imagem
Foto: Ashlley Melo/JC Imagem
Leitura:

O sonho se transformou em pesadelo e frustração. O estudante pernambucano Denis José da Silva, 17 anos, não vai mais estudar medicina no Canadá. Ele foi enganado. A farsa foi descoberta por ele em conjunto com a Secretaria de Educação de Pernambuco. O adolescente conseguiu arrecadar, num site de financiamento coletivo, R$ 29 mil para custear as despesas com passagens e roupas de frio. Agora vai devolver o dinheiro doado por pessoas de todo o Brasil.

>> Ex-morador de rua de Ribeirão ganha bolsa para estudar medicina no Canadá e faz vaquinha virtual para viajar

>> Estudante que pedia esmola em Pernambuco vai estudar medicina no Canadá


“Estou muito triste. Alguém se aproveitou do meu sonho e fez essa brincadeira de mau gosto, se é que isso pode se chamar de brincadeira. Agradeço a todos que me apoiaram. Não vou ficar com o dinheiro. Continuarei lutando pelo sonho de cursar medicina aqui no Brasil”, comentou Denis. O jovem cursa o 3º ano do ensino médio na Escola Estadual Padre Américo Novais, localizada em Ribeirão, cidade da Zona da Mata onde Denis reside com a família.


Sexta-feira passada uma equipe do Programa Ganhe o Mundo (iniciativa do governo de Pernambuco que concede bolsas de intercâmbio para alunos do ensino médio das escolas estaduais) esteve em Ribeirão. “Inicialmente estranhamos o documento que Denis recebeu por e-mail. Não havia data nem endereço, tinha um pequeno erro de inglês e ao pesquisarmos sobre a universidade (Manitoba University) descobrimos que ela não existe”, explicou a superintendente do Ganhe o Mundo, Renata Serpa.

“Outro ponto que nos chamou a atenção é que no Canadá primeiro os jovens fazem um curso comum, chamado bacharelado. Depois é que seguem uma carreira específica, como medicina. No comunicado que Denis recebeu já dizia que ele faria medicina”, contou Renata. Ela orientou Denis a responder o email perguntado qual era o número da matrícula dele na universidade para que pudessem providenciar o visto de estudante. A surpresa veio ontem, quando o adolescente recebeu a resposta dizendo que não havia programa nem bolsa nenhuma para ele.

Denis passou sete meses no Canadá, de agosto do ano passado a fevereiro deste ano, pelo Ganhe o Mundo. Foi em janeiro, numa feira de universidades na escola canadense, que ele se cadastrou para pleitear uma vaga em medicina. No início de junho recebeu um e-mail informando da sua aprovação e pedindo documentos. Ele mandou. No dia 15 do mesmo mês veio a confirmação da bolsa, com a informação de que teria também moradia e alimentação. Haveria que pagar apenas uma taxa de 250 dólares.



A Secretaria Estadual de Educação emitiu um ofício pedindo que a Secretaria de Defesa Social (SDS) investigue o caso. Denis vai registrar um Boletim de Ocorrência. “Estava estudando uma média de 10 horas por dia para o Enem. Vou continuar estudando para tentar medicina aqui no Brasil”, ressaltou Denis, que já morou embaixo de uma ponte e numa quadra abandonada.

 Foto: Ashlley Melo/JC Imagem
Denis cursa o 3º ano na Escola Estadual Padre Américo Novaes, em Ribeirão - Foto: Ashlley Melo/JC Imagem
 Foto: Ashlley Melo/JC Imagem
É o terceiro de cinco filhos de um casal de aposentado e dona de casa - Foto: Ashlley Melo/JC Imagem
 Foto: Ashlley Melo/JC Imagem
Denis sempre gostou de ler. Quando ficou sem estudar aprendia com os livros que achava no lixo - Foto: Ashlley Melo/JC Imagem
 Foto: Ashlley Melo/JC Imagem
Denis se destaca na escola com boas notas - Foto: Ashlley Melo/JC Imagem
 Foto: Ashlley Melo/JC Imagem
Seu sonho é se tornar médico e melhorar a vida da família - Foto: Ashlley Melo/JC Imagem
 Foto: Ashlley Melo/JC Imagem
Uma das casas que Denis e sua família moraram foi incendiada - Foto: Ashlley Melo/JC Imagem
 Foto: Ashlley Melo/JC Imagem
Rita Maria, mãe de Denis, ainda pede comida na rua quando falta em casa - Foto: Ashlley Melo/JC Imagem
 Foto: Ashlley Melo/JC Imagem
Mãe de cinco filhos, Rita nunca estudou. Sobrevive com Bolsa Família - Foto: Ashlley Melo/JC Imagem
 Foto: Ashlley Melo/JC Imagem
A casa em que Denis vive com a família é alugada e pequena - Foto: Ashlley Melo/JC Imagem
 Foto: Ashlley Melo/JC Imagem
Denis dorme na sala com uma das irmãs - Foto: Ashlley Melo/JC Imagem

 

Segundo o site Vakinha, onde Denis pediu doações, a pessoa que quiser desistir da doação tem até 14 dias da data do pagamento para cancelar sem nenhuma complicação. A partir do 14°dia, se o usuário já sacou o dinheiro (o que não é o caso de Denis) não poderá mais ser feito o cancelamento. Denis obteve, no total, R$ 55 mil, dos quais R$ 29 mil já na sua conta.

“Denis, quando doei, o fiz pela sua historia de sacrifício e superação. Sua atitude de vir a público num momento tão amargo quanto esse e com essa hombridade, me dá mais certeza que conquistará seus sonhos. Eu acredito em você, use minha doação como quiser”, comentou, na página do rapaz no facebook, o internauta Raul Santana, de Maceió.

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias