Saúde

Mutirão de combate ao mosquito da dengue vistoria imóveis do Recife

Ação está sendo reforçada nos fins de semana para nenhuma casa ficar de fora da varredura

Da Editoria Cidades
Da Editoria Cidades
Publicado em 28/02/2015 às 13:17
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Ação está sendo reforçada nos fins de semana para nenhuma casa ficar de fora da varredura - FOTO: Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Leitura:

O mutirão de combate ao mosquito transmissor da dengue e da febre chicungunha, reforçado nos fins de semana pela Prefeitura do Recife, visita neste sábado (28) bairros das Zonas Norte e Sul da cidade. Agentes de saúde ambiental e controle de endemias estarão nas ruas até as 16h para vistoriar reservatórios de acumulação de água, nas casas dos moradores, e orientar a população sobre a necessidade de manter os depósitos bem fechados.

“Acho importante a ação, muita gente da vizinhança teve dengue recentemente”, afirma Cristina de Araújo, moradora do Córrego do Botijão, em Vasco da Gama, bairro da Zona Norte. “Tenho um filho de 11 anos que fica muito tempo em casa e me preocupo”, diz ela. Cristina precisa juntar água em vasilhames para tomar banho e lavar banheiros. “Não tenho água todos os dias, mas cubro os baldes com plástico e com a capa doada pela prefeitura.”

Na mesma região, os agentes também visitaram a casa de Neci Alves da Silva Barros, que já teve dengue duas vezes, há mais de dez anos. “Os baldes são necessários porque a gente não recebe água diariamente, mas estou sempre olhando para ver se há larva do mosquito. Tenho criança pequena em casa e vizinhos ao meu redor, por isso não posso deixar de lado esse cuidado”, declara Neci Barros.

A filha dela, Flávia Marques de Barros, tem um balde no banheiro, coberto com um pedaço de pano, onde junta a água que será usada para o banho da família. “Meu marido lava com água sanitária, para o balde estar sempre limpo. Um adulto aguenta a dengue, mas uma criança não suportaria a doença”, comenta Flávia Barros, segurando nos braços a filha de apenas cinco meses de idade.

Por causa do racionamento de água, os agentes de saúde ambiental também distribuíram com os moradores frascos contendo hipoclorito de sódio, para desinfetar água de beber, frutas e verduras, informa o gerente de Vigilância Ambiental e Controle de Zoonose do Recife, Jurandir Almeida. “Com água em baldes há o risco da dengue e também de parasitoses, por isso entregamos o hipoclorito”, explica.

Basta colocar dez gotas do hipoclorito em um litro de água, para lavar os alimentos, deixando de molho por 30 minutos. Na água de beber, são duas gotas a cada litro d’água. Num recipiente com 50 litros de água, é preciso colocar cem gotas do hipoclorito.

No primeiro fim de semana do mutirão trabalharam 18 agentes e cada um deles tem como meta visitar 30 imóveis. A prefeitura priorizou os locais com maior concentração de casos de dengue: Vasco da Gama, Nova Descoberta, Morro da Conceição, Alto José Bonifácio e Passarinho (Zona Norte) e a região do Ibura (Zona Sul).

“Eles também vão coletar amostras de água com larva do mosquito e farão um diagnóstico dos quarteirões para subsidiar as ações que deverão ser realizadas ao longo da semana. Se há lixo nas ruas, vamos acionar a Emlurb (Empresa de Manutenção e Limpeza Urbana), se há vazamento de água, chamaremos a Compesa”, exemplifica Jurandir Almeida.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias