História

Museu de Arte Sacra ocupa o prédio do antigo Palácio Episcopal

Palácio dos bispos no século 17, o prédio do Museu de Arte Sacra de Pernambuco (Maspe) é apresentado na quinta reportagem da série sobre os primeiros prédios com tombamento federal em Olinda

Cleide Alves
Cleide Alves
Publicado em 24/05/2018 às 8:08
Foto: Alexandre Gondim /JC Imagem
FOTO: Foto: Alexandre Gondim /JC Imagem
Leitura:

Em 2017, o Museu de Arte Sacra (Maspe), situado no Alto da Sé, em Olinda, recebeu 9.157 visitantes. O prédio que atrai a atenção de turistas nacionais e estrangeiros é uma construção que remonta ao início da colonização portuguesa no Brasil, no século 16. Naquele local, em 1537, o primeiro governador da capitania de Pernambuco, Duarte Coelho, construiu a Casa de Câmara e Cadeia. No ano de 1693 (século 17), a edificação é transformada no Palácio Episcopal, a residência oficial dos bispos.

Enquanto serviu de moradia para os bispos da Diocese de Olinda, criada em 1676, o prédio passou por reformas e ampliações. “Três imóveis foram unificados para a construção do palácio”, informa Iron Mendes de Araújo Júnior, historiador do Maspe. A edificação atual, restaurada nos anos 1970 pelo arquiteto José Luiz Mota Menezes, para abrigar o Museu de Arte Sacra, preserva características do Palácio Episcopal no século 18.

Foto: Alexandre Gondim /JC Imagem
Museu de Arte Sacra de Pernambuco ocupa prédio do antigo Palácio Episcopal no Alto da Sé, em Olinda - Foto: Alexandre Gondim /JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim /JC Imagem
O prédio do Museu de Arte Sacra, na Sé de Olinda, é considerado patrimônio nacional desde 1938 - Foto: Alexandre Gondim /JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim /JC Imagem
Piso de ladrilho inglês do século 19, do Palácio Episcopal, mantido no Museu de Arte Sacra em Olinda - Foto: Alexandre Gondim /JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim /JC Imagem
Painel de azulejo do Museu de Arte Sacra de Pernambuco, em Olinda, retrata cenas do dia a dia - Foto: Alexandre Gondim /JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim /JC Imagem
Dois painéis de azulejo do século 18 decoram o pavimento térreo do Museu de Arte Sacra, em Olinda - Foto: Alexandre Gondim /JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim /JC Imagem
Imagens de santos, decapitadas no período holandês, fazem parte acervo do Museu de Arte Sacra - Foto: Alexandre Gondim /JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim /JC Imagem
O acervo do museu reúne arte sacra dos séculos 17 ao 20, arte popular e material usado em liturgias - Foto: Alexandre Gondim /JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim /JC Imagem
O Museu de Arte Sacra de Pernambuco, no Alto da Sé de Olinda completou 40 anos em 2017 - Foto: Alexandre Gondim /JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim /JC Imagem
Parte das peças expostas no Museu de Arte Sacra de Pernambuco vieram de igrejas de Olinda e Recife - Foto: Alexandre Gondim /JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim /JC Imagem
Imagem de São Benedito exposta no Museu de Arte Sacra de Pernambuco, na Cidade Alta de Olinda - Foto: Alexandre Gondim /JC Imagem

 

De acordo com José Luiz, as reformas realizadas pelos bispos começaram em 1755 e terminaram em 1786. Ele recompôs os torreões do edifício, cortados em reformas anteriores e restando só as bases; fechou uma varanda que não existia inicialmente no primeiro andar; e recolocou no térreo dois painéis de azulejo portugueses do século 18 que tinham sido transferidos para o piso superior. “Havia um terceiro painel, mas estava incompleto e na época não foi possível recuperar e colocá-lo novamente na parede”, informa o arquiteto.

Quando o primeiro bispo nomeado para Pernambuco (dom Estêvão Brioso de Figueiredo) chega a Olinda, em 1676, ele é instalado numa residência do século 16 com dois torreões. Um tempo depois, a Casa de Câmara e Cadeia é cedida aos religiosos. “O edifício de torreões, comum na Espanha, era separado da Casa de Câmara por um terreno vazio, ocupado posteriormente”, afirma.

São esses os três imóveis que dão origem ao Palácio Episcopal, edificação reformada no século 18 com o aproveitamento das duas casas do século 16. José Luiz se baseou em plantas antigas para restaurar o prédio do Museu de Arte Sacra e num desenho do pintor Manoel Bandeira (1900-1964), além de fotografias, para refazer os torreões. Partes internas da residência dos bispos tinha sido modificada, diz ele.

Acervo

Na Segunda Guerra Mundial (1939-1945), o antigo Palácio Episcopal serviu como quartel para soldados, informa Iron Mendes. O Maspe, que só viria a ser inaugurado em 11 de abril de 1977, reúne obras sacras do século 17 ao 20, arte popular, santos de procissão e materiais usados nas liturgias católicas. “Nosso acervo é formado de peças da Arquidiocese de Olinda e Recife, oriundas de igrejas das duas cidades”, diz o também historiador do museu Onildo Moreno.

O Brasão de Armas do 15º Bispo de Olinda e o último a morar no palácio, dom Tomaz de Noronha e Brito, instalado na fachada do prédio no século 19, é hoje o símbolo do Museu de Arte Sacra. “Dom Tomaz de Noronha ficou à frente da diocese de 1823 até 1829. O piso de ladrilho hidráulico (da fábrica inglesa Minton Hollyns) mantido em uma das salas do museu foi colocado durante reformas executadas nessa época”, afirma Iron Mendes.

O museu é mantido pela arquidiocese numa parceria com Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe). Entre as peças em exposição, Onildo e Iron Mendes destacam o sacrário da Igreja da Madre de Deus. A urna, onde os padres guardavam a hóstia consagrada, foi roubada em 1976 e recuperada no Rio de Janeiro em 2014. É uma arca feita de madeira revestida com prata, possivelmente do século 19.

Eles também ressaltam na mostra em cartaz, comemorativa dos 40 anos do Maspe, três imagens de santos católicos decapitadas no século 17 durante a ocupação holandesa no Nordeste brasileiro (1630-1654). Elas foram resgatadas na Igreja de Nossa Senhora da Graça, de Olinda, numa escavação feita pelo arqueólogo da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Marcos Albuquerque.

O gestor do Museu de Arte Sacra, padre Rinaldo Pereira, aprovou em 2017 pela Lei Rouanet projeto no valor de R$ 10.414.061,32 para a obra de restauração do prédio. A taxa de acesso ao museu custa R$ 5 (inteira) e R$ 2,50 (meia), com gratuidade para maiores de 60 anos e crianças até 12 anos. O palácio está inscrito no Livro de Belas Artes do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) desde 13 de maio de 1938.

Serviço

Museu de Arte Sacra
Avenida Bispo Coutinho, 726, Alto da Sé
Visitação: terça a domingo das 10h às 17h
Fone: (81) 3184-3154

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias