Religião

Coroação de Nossa Senhora do Carmo é celebrada no Recife

O centenário da coroação canônica de Nossa Senhora do Carmo será comemorado até 21 de setembro de 2019

Cleide Alves
Cleide Alves
Publicado em 22/09/2018 às 8:08
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
O centenário da coroação canônica de Nossa Senhora do Carmo será comemorado até 21 de setembro de 2019 - FOTO: Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Leitura:

Frades carmelitas de Pernambuco iniciaram esta semana as comemorações do centenário da coroação canônica de Nossa Senhora do Carmo. A festa religiosa se estenderá até setembro de 2019 com congresso, missões nas paróquias, lançamento de revistas e exposição fotográfica. Coroada no Recife em 21 de setembro de 1919, a imagem da santa passou por obra de restauração e foi devolvida ao trono na Basílica do Carmo, no Centro da cidade, quinta-feira (20/09) na abertura do ano jubilar.

A programação continua neste sábado (22/09) com missas na basílica, às 7h, 8h, 10h, 12h e 15h; e liturgia como novenário às 19h. Domingo (23/09) haverá missa às 10h com o bispo de Caruaru, dom Bernardino Marchió. A imagem foi coroada numa cerimônia pública em frente à Faculdade de Direito do Recife, no bairro da Boa Vista, pelo então arcebispo de Olinda e Recife, dom Sebastião Leme.

Em solenidade na Igreja de Nossa Senhora do Carmo, o arcebispo da Bahia à época, dom Jerônimo Tomé da Silva (1849-1924), leu a bula do Papa Bento 15 concedendo a distinção em reconhecimento à grande devoção dos fiéis à santa. Mais de 70 mil pessoas acompanharam as festividades em setembro de 1919, de acordo com documentos do arquivo da Província Carmelitana Pernambucana.

“Essa cena na igreja é retratada em quadro pintado por Moser (Heinrich Moser, vitralista, pintor, ilustrador e escultor nascido na Alemanha em 1886 e falecido no Recife, onde morava, em 1947) e doado aos carmelitas pelo Barão Félix Vandesmet, um dos benfeitores da causa da coroação”, informa o frade Cristiano Garcia. A tela, que decora uma das paredes do Convento do Carmo, vai compor a exposição programada para julho de 2019.

CAMPANHA

A obra de restauração do trono de Nossa Senhora, localizado na capela-mor da Igreja de Nossa Senhora do Carmo, custou R$ 140 mil, com recursos doados por devotos. “Recuperamos a cúpula, as imagens da santa e do menino Jesus e os anjos”, informa o reitor da basílica, frei Rosenildo Alexandre. A próxima campanha será lançada em janeiro de 2019, para aquisição de novos sinos para o templo católico.

A torre sineira da Basílica do Carmo comporta quatro sinos, um em cada janela. As peças ainda existentes estão rachadas e não tocam mais. Estamos dialogando a substituição com o Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) porque os atuais não têm mais condições de serem restaurados. Fizemos a recuperação em 2010, eles não aguentaram ao primeiro toque e se quebraram”, afirma frei Rosenildo Alexandre.

Ele pretende comprar dois sinos grandes, um médio e um pequeno para a festa do centenário da coroação canônica em 21 de setembro de 2019. A igreja precisa arrecadar de R$ 90 a R$ 100 mil na campanha, diz o frade. “Vamos fazer o congresso mariológico em maio, as missões nas paróquias a partir de fevereiro e o lançamento da revista contando a história da coroação com a exposição em julho”, avisa.

FACHADA

Também é intensão de frei Rosenildo Alexandre restaurar a fachada da Basílica de Nossa Senhora do Carmo até setembro de 2019. “Em 1919 os carmelitas tiveram o apoio do governador de Pernambuco (Manoel Borba) para iluminar a igreja”, recorda o frade. “A festa mobilizou a cidade e o Estado, passagens de trens e de bonde se esgotaram, as chapelarias venderam todas as mercadorias e as confeitarias venderam uma infinidades de bolos doces”, acrescenta frei Cristiano, historiador da Província Carmelitana e que está recuperando a historia nos arquivos da entidade.

A coroação foi uma iniciativa do frade espanhol André Maria Prat (1872-1944), carmelita que veio ao Brasil para restaurar a Província Carmelitana no fim do século 19. “Ele trabalhou na recuperação de conventos e da liturgia, resgatando a devoção do povo. Preparou as comemorações dos 25 anos da coroação, para setembro de 1944 e morreu em janeiro daquele ano”, informa frei Cristiano. Construída de 1667 a 1787, a Igreja de Nossa Senhora Carmo foi elevada a basílica em 1922.

Últimas notícias