Dificuldades

Falta de infraestrutura e desrespeito ainda são desafios para ciclistas

De acordo com a Secretaria de Saúde, o número de acidentes envolvendo ciclistas aumentou nos últimos anos

Adige Silva
Adige Silva
Publicado em 26/05/2019 às 18:00
Notícia
SÉRGIO BERNARDO/JC IMAGEM
Esse tipo de infração, entretanto, é de difícil visualização. Dependerá da percepção e agilidade do agente de trânsito que fizer o flagrante - FOTO: SÉRGIO BERNARDO/JC IMAGEM
Leitura:

O Código de Trânsito Brasileiro (CTB) prevê, em seu Art.29, que os veículos de maior porte "são responsáveis pela segurança dos menores, os motorizados pelos não motorizados e, juntos, pela incolumidade dos pedestres". Portanto, segundo o CTB, os motoristas de carros, ônibus e demais veículos motorizados são diretamente responsáveis pela segurança do ciclista. Porém, segundo os adeptos das 'bikes', o que acontece no trânsito é bem diferente do que proposto pelo código.

Jefferson Mendes, 33 anos, trabalha como vendedor na Região Metropolitana do Recife (RMR) e a bicicleta é o seu principal meio de transporte para ir ao serviço e até mesmo para transitar com sua filha de sete meses. Como ele pedala pelas grandes vias da cidade, dificilmente passa por ciclofaixas ou ciclorrotas. Segundo Jefferson, cenas de falta de respeito para com os ciclistas são constantes. "Acredito que a grande maioria me vê como um intruso, roubando um espaço que acham que por direito é deles", afirma Mendes. Além disso, ele alega que a qualidade e a projeção das vias são de má qualidade. "De um modo geral, nenhuma das vias são pensadas, nem em sonho, para um ciclista", desabafa.

Jessé Silva, 39 anos, não usa a 'bike' para se deslocar ao trabalho, pois trabalha em uma fábrica, em Goiana, a 62 quilômetros do Centro do Recife. Apesar disso, o operador industrial usa a bicicleta constantemente em outros momentos. Situação distinta a de Jefferson, mas o apelo é o mesmo: mais respeito aos ciclistas. "Existe uma falta de educação absurda. Ninguém está ligando para o outro no trânsito. Entram na rua sem dar seta, ficam olhando o celular e dirigindo, estão sempre com pressa", relata Jessé.

Segundo ele, o ciclista tem que ter atenção redobrada para não ser vítima de um acidente. Porém, apesar de toda precaução, Jessé não conseguiu escapar de um atropelamento evolvendo uma moto 50 cilindradas. "Vinha pela Estrada de Águas Compridas, fui desviar do lixo no meio da rua. Olhei pra trás e nada. De repente quando estava voltando pro cantinho da pista veio uma 'ciquentinha' passando por cima do lixo e bateu. Caí no meio da pista de costas", relatou.

Apesar do aumento do uso da bicicleta para lazer, a grande maioria das pessoas continua usando o meio de transporte no dia-a-dia, como aponta o estudo "Perfil do Ciclista". A pesquisa foi realizada com 8 mil ciclistas brasileiros e promovida pelo LabMob em parceria com a ONG Transporte Ativo, no ano de 2018. Segundo o levantamento, 76% dos brasileiros fazem uso da bicicleta para ir e voltar do trabalho, já 61,9% usam apenas para lazer.

Em Recife, o número é maior. 85% dos entrevistados afirmaram que usam a bike como forma de ir para o emprego. Porém, relatos de desrespeito e acidentes envolvendo ciclistas também registram alta. Isso fez 88,8% dos entrevistados responderem que, se houvesse mais infraestrutura e segurança, pedalariam mais.

 

 

Quantidade de acidentes é preocupante

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco (SES-PE), o número de acidentes no estado vêm aumentando consideravelmente ao decorrer dos anos. Segundo órgão, no ano de 2015, foram registrados 1.711 acidentes de trânsito envolvendo ciclistas. Em 2016, houveram 2.309 atendimentos. Já em 2017, 3.094 ocorrências foram registradas. Em 2018, o número teve uma leve baixa e ficou em 3.087. Os dados foram registrados por meio de um vigilância sentinela de Acidentes de Transporte Terrestre (ATT).

O CTB afirma que é de competência das entidades executivas rodoviárias dos governos federais, estaduais e municipais "planejar, projetar, regulamentar e operar o trânsito de veículos". Além disso, o estatuto prevê que também é da competência destes mesmos órgão promover o desenvolvimento da circulação e "a segurança de ciclistas".

A Autarquia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife (CTTU) é o órgão responsável pelo planejamento do tráfego da cidade do Recife, local onde Jefferson e Jessé transitam e criticam. Segundo Taciana Ferreira, presidente do órgão, todo planejamento é feito de acordo com o regulamento do CTB. "Toda uma gestão de operação é desenvolvida e prioriza, primeiramente o pedestre, depois o ciclista. Até para estabelecer velocidade das vias nós analisamos a travessia dos pedestres e a circulação dos ciclistas", argumenta a presidente.

Ainda Segundo Taciana, o aumento no número de acidentes não se aplica à falta de rigor na fiscalização e de planejamento."A quantidade de pessoas circulando com bicicleta vem crescido ano a ano. Por isso, vamos cada vez mais botar os ciclistas como prioridade no trânsito", prometeu a gestora.

Direitos e deveres

Para Jessé, a cidade do Recife precisa de mais faixas exclusivas e que código de trânsito seja cumprido. "A melhor medida é respeito pelo próximo, mas precisamos de ciclofaixas que se liguem e não que levem nada a lugar nenhum", sugeriu Jessé. Atualmente, a Região Metropolitana do Recife, composta por 14 cidades do Estado, possui 99,71 quilômetros de malha cicloviária. O que é pouco, se fomos levar em consideração o Plano Diretor Cicloviário, elaborado em 2014 e que previa a criação de cerca de 590 quilômetros destas vias.

A presidente da CTTU alega que a Prefeitura do Recife, nos últimos anos, vem investindo em rotas exclusivas para o ciclista. "Desde 2013 estamos implantando novas rotas para bicicletas. O objetivo é expandir essa malha cicloviária. Expandir uma ciclofaixa sempre a partir de uma existente", argumentou. De acordo com a gestora, a cidade conta com cerca de 90 quilômetros de vias exclusivas para bicicleta.

Taciana ainda fez questão de alertar para os deveres dos ciclistas no trânsito. "O ciclista é visto como um veículo pelo código de trânsito. Ele deve respeitar todas as sinalizações, como circular no lado direito da pista, não circular pelas calçadas e não passar pela faixa de pedestre" destaca Taciana. Ela comenta que, como consta no CTB, o ciclista também deve se preocupar com o pedestre, que é o elo mais frágil do trânsito.

Jefferson e Jessé concordam que existem muitos ciclistas que não respeitam as normas de trânsito, mas enfatizam que é importante não generalizar estes atos. "Claro que têm uns ciclistas que fazem muita besteira, realmente. Mas eu tenho minhas luzes para andar à noite. Sinalizo sempre antes de fazer alguma mudança de faixa. Faço com que me vejam", explica Jessé. Jefferson concorda com seu amigo ciclista e afirma que a conscientização é fundamental para construção de um trânsito melhor e sua própria segurança.

SÉRGIO BERNARDO/JC IMAGEM
Ciclistas convivem com desrespeito e falta de infraestrutura no Recife - SÉRGIO BERNARDO/JC IMAGEM
LEO MOTTA/JC IMAGEM
Ciclistas convivem com desrespeito e falta de infraestrutura no Recife - LEO MOTTA/JC IMAGEM
SÉRGIO BERNARDO/JC IMAGEM
Ciclistas convivem com desrespeito e falta de infraestrutura no Recife - SÉRGIO BERNARDO/JC IMAGEM
SÉRGIO BERNARDO/JC IMAGEM
Ciclistas convivem com desrespeito e falta de infraestrutura no Recife - SÉRGIO BERNARDO/JC IMAGEM
Ricardo B. Labastier/Acervo JC Imagem
Ciclistas convivem com desrespeito e falta de infraestrutura no Recife - Ricardo B. Labastier/Acervo JC Imagem
SÉRGIO BERNARDO/JC IMAGEM
Ciclistas convivem com desrespeito e falta de infraestrutura no Recife - SÉRGIO BERNARDO/JC IMAGEM
SÉRGIO BERNARDO/JC IMAGEM
Ciclistas convivem com desrespeito e falta de infraestrutura no Recife - SÉRGIO BERNARDO/JC IMAGEM

Maio Amarelo

A campanha do Maio Amarelo tem como objetivo incentivar e orientar os motoristas para os cuidados no trânsito. Neste ano de 2019, o tema é "No trânsito, o sentido é a vida". O objetivo é conscientizar condutores sobre a importância de respeitar as leis de trânsito. Neste ano, a ação apela para que os condutores escutem os conselhos das crianças, que têm "uma percepção e absorção do que é certo e errado com mais eficácia, sem filtros".

A campanha Maio Amarelo, que em Pernambuco é organizada pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran-PE), está com uma série de eventos de caráter educativo, todos os dias deste mês de maio, em parceria com órgãos públicos e instituições privadas. As ações começaram no início do mês.

Na próxima quarta-feira (29), das 08h às 09h30, alunos do Colégio Universo do Saber irão realizar uma ação de panfletagem no Bairro do Conjunto Beira Mar, no Janga, em Paulista. A ação terá apoio dos guardas municipais da cidade e palestra com agentes da Polícia Rodoviária Estadual.

Últimas notícias