investigações

Buscas no mar terminam sem pistas dos restos mortais de corretora

Taciana Barbosa foi morta em 2008 e, na semana passada, um pescador havia repassado à polícia informações sobre a possível localização da ossada da vítima

Emídia Felipe
Emídia Felipe
Publicado em 04/10/2011 às 19:24
Leitura:

Bombeiros saíram do mar da Praia de Jaguaribe, no município de Itamaracá, Grande Recife, sem nenhuma pista dos restos mortais da corretora Taciana Barbosa, assassinada em maio de 2008. Desde a semana passada, um pescador havia repassado ao delegado Derivaldo Falcão informações sobre a possível localização da ossada da vítima. Nesta terça-feira (4), 50% da área foi vasculhada. Os mergulhadores, que entraram no mar às 11h, informaram que a maré secou bastante e água ficou turva, o que atrapalhou as buscas.

Na quarta-feira (5), uma reunião deve decidir a data de novas ações no local. Os mergulhadores se dividiram em dois barcos, um bote do Corpo de Bombeiros e um embarcação de pescador alugada. De acordo com o delegado Derivaldo Falcão, que investigou o desaparecimento da corretora em 2008 e comandou as buscas terça (4), Taciana foi assassinada pelo policial militar Marco Antônio de Medeiros. Ela mantinha um relacionamento com o PM e estava grávida de oito meses. Taciana foi sequestrada em Rio Doce, Olinda, após receber ligação do policial militar convidando-a para um encontro. Em novembro de 2008, o pescador Edmilson José Ramos Filho confessou que teria ajudado Marco Antônio a esconder o corpo da grávida no fundo do mar.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias