Vigilância

Colégio onde morreu menina Beatriz, em Petrolina, realiza instalação de câmeras de segurança

Além de acompanhar as atividades dentro da escola, as câmeras irão realizar o monitoramento das movimentações nos arredores do colégio

JC Online
JC Online
Publicado em 18/05/2016 às 20:00
Foto: Divulgação
Além de acompanhar as atividades dentro da escola, as câmeras irão realizar o monitoramento das movimentações nos arredores do colégio - FOTO: Foto: Divulgação
Leitura:

Após o trágico assassinato da menina Beatriz Mota, de sete anos, no final do ano passado, o Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, na Avenida Guararapes, em Petrolina, no Sertão de Pernambuco, iniciou nesta semana as obras de instalação do novo Circuito Fechado de Televisão. A execução do projeto começou desde a segunda-feira (16) e deve seguir pelos próximos três meses. As ações estão acontecendo no período da noite, para não interferir nas atividades acadêmicas da escola.

O novo sistema de vigilância eletrônica vai contar com 110 câmeras e de acordo com o responsável pelo projeto, o especialista em telecomunicações Rodrigo Mendes, a concepção da obra é atender as necessidades do colégio e cobrir todos os espaços da unidade de ensino, exceto salas de aula, banheiros e piscinas, devido à legislação. O projeto conta também com a implantação de uma sala técnica, para armazenamento de equipamentos e uma sala de monitoramento, com 4 TVs de 42” e uma equipe responsável por supervisionar as atividades captadas pelas câmeras em período integral.

Além de acompanhar as atividades dentro da escola, as câmeras irão realizar o monitoramento das movimentações nos arredores do colégio, verificando as pessoas que entram e saem da unidade.

Segundo a Irmã Julia Maria de Oliveira, diretora do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, outras medidas foram adotadas pela unidade educacional para manter a segurança de alunos e funcionários, como a instalação de cerca elétrica, aumento do muro da ala da educação infantil e contratação de nova equipe de vigilantes.

ENTENDO O CASO

Beatriz Angélica Mota foi morta a facadas na noite do dia 10 de dezembro durante a realização de uma solenidade de formatura no Colégio Maria Auxiliadora. Na ocasião, o 5° Batalhão da Polícia Militar, várias pessoas estavam na instituição no momento do crime, que aconteceu por volta das 23h. A menina estudava no colégio e era filha de um professor de Inglês da unidade.

O corpo da criança foi encontrado em um antigo depósito de material esportivo da escola, um local mais afastado. A arma do crime, uma faca peixeira, foi encontrada ainda fincada no corpo. Para tentar identificar o assassino, imagens de câmeras de segurança e de celulares dos presentes na comemoração foram analisadas.

Após cinco meses, o caso ainda não foi solucionado. Quem tiver informações que possam ajudar na elucidação do caso Beatriz pode ligar para o Disque-Denúncia pelo telefone (81) 3421-9595, na Região Metropolitana do Recife e Zona da Mata Norte, ou pelo telefone (81) 3719-4545, no restante do Estado. As informações também podem ser repassadas pelo WhatsApp (81) 9 9119-3015 ou pelo site www.disquedenunciape.com.br. A recompensa para informações que possam levar ao autor do crime é de R$ 10 mil e a identidade do denunciante será preservada.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias