Violência

Tentativa de assalto a ônibus na Zona Oeste do Recife deixa dois mortos e dois feridos

Dois passageiros que ficaram feridos no tiroteio não correm risco de morte

JC Online
JC Online
Publicado em 10/10/2016 às 22:03
Foto: Ricardo B. Labastier/JC Imagem
Dois passageiros que ficaram feridos no tiroteio não correm risco de morte - FOTO: Foto: Ricardo B. Labastier/JC Imagem
Leitura:

Atualizada às 00h38 do dia 11/10/2016

Duas pessoas morreram e outras duas ficaram feridas na noite desta segunda-feira (10) após um tiroteio em um ônibus da linha UR-05/Barro, próximo ao Terminal Integrado do Barro, na Zona Oeste do Recife. De acordo com a Polícia Militar (PM), seis homens assaltaram o coletivo, um policial militar à paisana reagiu à investida e acabou trocando tiros com eles. Outros militares em duas viaturas também participaram da ação. Dois suspeitos foram atingidos por disparos e morreram no local.

Conforme informações repassadas pela capitã Denise Manso, da PM, os bandidos subiram no ônibus no terminal. “Assim que o ônibus entrou na BR-101 eles anunciaram o assalto. Pessoas de carro que passaram pelo local e viram a movimentação informaram a policiais que estavam em uma viatura na mesma rodovia, na altura da Karne e Keijo, e eles imediatamente seguiram para lá. Um outro militar que estava no coletivo reagiu, e começou a troca de tiros”, disse. 

Rodrigo Antônio de Oliveira, 16 anos, e Carlos Fabrício Souza Falcão, 21, morreram no local. Ambos teriam participado da investida. Rafaeli Lopes de Andrade, 24, foi capturado e encaminhado ao Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Os demais bandidos conseguiram fugir.

Dois passageiros ficaram feridos durante o tiroteio. Uma mulher foi encaminhada ao Hospital Otávio de Freitas, no bairro do Sancho, com um tiro de raspão nas costas, mas, segundo a PM, não corre risco de morte. Um homem também foi atingido em uma das mãos, mas até o fim da noite não havia informações sobre o local para onde ele foi levado. 

O cobrador do ônibus, Jackson Pinto, que trabalha há seis meses na linha e já sofreu quatro assaltos, narrou os momentos de terror que viveu durante o crime. “Os assaltantes foram muito violentos, pegaram o dinheiro da renda do ônibus e os celulares e outros objetos dos passageiros. Do nada, começaram a atirar. Como o carro estava muito lotado, não sei quem atirou primeiro, só que todos deitaram no chão e começaram a chorar. Apenas quando as coisas se acalmaram percebemos que havia mortos no chão”, explicou.

O trabalhador afirmou ainda que assaltos são muito comuns naquela região. “Praticamente todos os assaltos que sofri foram naquela área. Tenho trabalhado com medo, pois a bandidagem é muito grande por ali”, comentou Pinto.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias