zona da mata

Maior doadora de leite do Brasil deixa Quipapá

Michele Maximino decidiu se mudar depois de ser ridicularizada em programa da Rede Bandeirantes e virar motivo de chacota

Vanessa Araújo
Vanessa Araújo
Publicado em 29/01/2014 às 7:16
Foto: Acervo pessoal
Michele Maximino decidiu se mudar depois de ser ridicularizada em programa da Rede Bandeirantes e virar motivo de chacota - FOTO: Foto: Acervo pessoal
Leitura:

Ridicularizada em rede nacional e vítima de chacotas devido à exposição, a técnica de enfermagem Michele Rafaela Maximino, 31 anos, que ficou conhecida como a maior doadora de leite humano do Brasil, deixou a cidade de Quipapá, na Zona da Mata pernambucana, onde morava com o marido e os dois filhos. No último domingo, a família deixou tudo para trás para tentar nova vida no Recife. “Não aguentei e decidi sair de lá. Eu vivia presa na minha própria casa”, contou Michele.

Com novos planos e sonhos, a família tenta superar o trauma. “Desde a divulgação do vídeo, os moradores da cidade continuaram denegrindo a imagem da minha mulher. Isso é inaceitável”, comentou o professor Ederval Trajano, que pediu transferência para a capital. Michele, que teve a produção de leite prejudicada depois da ridicularização da sua imagem, realizou, nessa terça-feira, doação de dois litros, tirados de uma das mamas, para a Maternidade Bandeira Filho, no Recife.

“Nós vivíamos muito bem, morávamos numa casa boa, em uma cidade tranquila. Mas, infelizmente, as pequenas críticas incomodaram mais do que os grandes elogios”, disse Michele.

No dia 3 de outubro de 2013, Danilo Gentili, no Programa Agora é Tarde, da Rede Bandeirantes, chegou a comparar a mulher com o ator pornô Kid Bengala e expôs, sem autorização, a foto do momento em que tirava leite para doação. “Em termos de doação de leite, ela está quase alcançando o Kid Bengala”, disse o humorista, à época.

A família acionou a Justiça para que fosse retirado o material divuldado e solicitou indenização por danos morais. No último dia 21, o Tribunal de Justiça de Pernambuco, negou o recurso da emissora, justificando que é inegável que os comentários ultrapassam o limite da mera “brincadeira” e que “não é possível que sob o manto da proteção à liberdade de expressão e de imprensa se admita qualquer violação à dignidade da pessoa humana”, conforme consta no processo.

Em 11 meses, Michele já doou 420 litros de leite.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias