CINEMA

Cine PE começa com homenagem à Graça Araújo

A jornalista e apresentadora será homenageada com um Calunga de Ouro póstumo, entregue a um membro de sua família

Ernesto Barros
Ernesto Barros
Publicado em 29/07/2019 às 1:25
Notícia
Felipe Souto Maior/Divulgação
A jornalista e apresentadora será homenageada com um Calunga de Ouro póstumo, entregue a um membro de sua família - FOTO: Felipe Souto Maior/Divulgação
Leitura:

Durante 22 anos, as noites do Cine PE – Festival do Audiovisual foram marcadas por uma presença que se mesclava à existência do evento. Milhares de espectadores, tanto no Teatro Guararapes, no Centro de Convenções, quanto no Cinema São Luiz, se acostumaram com a elegância e a voz peculiar da jornalista pernambucana Graça Araújo, que apresentava as atrações de cada noite do festival. Vítima de um AVC em setembro do ano passado, Graça será substituída, a partir da noite desta segunda-feira (29/7), pela atriz Nínive Caldas, do coletivo Angu de Teatro, que fará as apresentações da 22ª edição de festival. A ex-apresentadora da TV Jornal receberá uma homenagem, na forma de um Calunga de Ouro, entregue a um membro da família dela, pelos serviços prestados durante todos esses anos ao Cine PE.

“Eu posso falar muitas coisas sobre Graça. Ela era uma profissional exemplar, uma amiga e grande incentivadora do que eu faço. Ela trabalhava o dia todo, mas estava lá todas as noites. Foram raríssimas as vezes em que ela teve que se ausentar. Não existia problema com Graça, que tinha muita paciência e entendimento sobre o cerimonial da apresentação, sempre passando tudo antes de iniciar o seu trabalho. Ela honrou muito o cinema pernambucano e meu carinho por ela era muito grande”, comentou a diretora do Cine PE, Sandra Bertini, que realiza o festival ao lado do marido, o economista Alfredo Bertini.

Além de Graça, o festival também vai homenagear a atriz Drica Moraes com um Calunga de Ouro.
De acordo com Sandra, viabilizar a nova edição foi a tarefa mais difícil nesses 23 anos, em virtude dos altos e baixos do audiovisual brasileiro nos últimos anos, que vem passando por sérias mudanças. “Foi tudo muito difícil. A captação foi mais difícil do que a feita na primeira edição. Foi o maior sofrimento ver a Lei do Audiovisual paralisado por cinco meses. A gente participa de um grupo de pessoas que produzem festivais e cada vez que alguém consegue realizar o seu é motivo de parabenização”, aponta Sandra.

Nesta edição, o Cine PE traz 32 filmes, distribuídos nas mostras competitivas e hors concours, escolhidos entre 893 títulos inscritos. Os estados que mais inscreveram filmes foram São Paulo, Rio e Pernambuco. “A nossa curadoria se debruçou sobre esse volume de filmes com tato e perspicácia, trazendo trabalhos de cineastas novos, talentosos e experientes. Entre esses 32, 14 foram feitos no Estado, o que significa 45% da grade com filmes locais”, revela a diretora do Cine PE.
Na abertura do evento, após à homenagem à Graça Araújo, será exibido dois documentários: o curta-metragem Parto Sim, de Kátia Mesel, e o longa-metragem Frei Damião, o Santo do Nordeste, de Deby Brennand, que ganhou o Calunga de Ouro de Melhor Filme há três anos, com Danado de Bom.

Este ano, são seis longas-metragens na Mostra Competitiva da categoria, divididos meio a meio entre filmes de ficção e documentários. Os três documentários trazem questões atuais sobre a sociedade brasileira. O paulista Espero a tua (Re) Volta, de Eliza Capai, sobre a ocupação nas escolas paulistas, em 2015, ganhou dois prêmios na Mostra Geração, do Festival de Brasília deste ano. Os documentários cariocas Vidas Descartáveis, de Alexandre Valenti e Alberto Graça, e O Corpo é Nosso!, de Theresa Jessouroun, também prometer mexer com a plateia, a partir de questões sobre o trabalho escravo no Brasil e a liberação do corpo das mulheres brasileiras, respectivamente.

Os três longas de ficção, produzidos na Bahia, no Distrito Federal e no Rio, fazem suas estreias no Cine PE.
Pela segunda vez, o Festival é gratuito. Uma hora antes da sessão, a bilheteria do Cinema Luiz será aberta para a entrega dos ingressos. Cada espectador só terá direito a dois e não haverá entrega antecipada de ingressos.

PROGRAMAÇÃO

Hoje, 29/7 - 20h

Abertura Oficial
Homenagem: Graça Araújo
Exibição de filmes Hors Concours
Parto Sim, de Kátia Mesel (Fic, PE)
Frei Damião, o Santo do Nordeste, de Deby Brennand (Doc, PE)

Amanhã, 30/7 - 19h30

Mostra PE
Mulheres de Fogo, de Vinicius Meireles (Doc)
Pisciano, de Alexandre Pitanga (Fic)’
Curtas-metragens
Carrero, o Áspero Amável, de Luci Alcântara (Doc, PE)
#Procuram-se Mulheres, de Rozzi Brasil (Doc, PE)
Longas-Metragens
Abraço, de DF Fiuza (Fic, BA)

Quarta, 31/7 -19h30

Mostra PE
Quando a Chuva Vem?, de Jefferson Batista (Ani)
Sobre Viver, de Sérgio Ferreira, Vinícius de Miranda e Marlom Meirelles (Doc)
Curtas-metragens
Obeso Mórbido, de Diego Bauer e Ricardo Manjaro (Fic, AM)
Cor de Pele, de Lívia Perini (Doc, PE)
É Difícil te Encontrar, de Sabrina Menedotti (Doc, PE)
A Pedra, de Iuli Gerbase (Ficção, RS)
Apneia, de Carol Sakura e Walkir Fernandes (Ani, RS)
Longas-metragens
Vidas Descartáveis, de Alexandre Valenti e Alberto Graça (Doc, RJ)

Quinta, 1º/8 - 19h30

Mostra PE
Coleção, de André Pinto e Henrique Spencer (Fic, PE)
Curtas-metragens
Guará, de Fabricio Cordeiro e Luciano Evangelista (Fic, GO)’
Casa Cheia, de Carlos Nigro (Fic, PE)’
Vinnilis Frutiferis, de Victorhugo Passabon Amorim (Fic, ES)
Só Sei Que Foi Assim, de Giovanna Muzel (Ani, SC)
Longas-metragens
Um e Oitenta e Seis Avos, de Felipe Leibold (Fic, SP)

Sexta, 2/8 - 19h30

Mostra PE
Epigramas, de Wayner Tristão (Fic, PE)
S/N (Sem Número), de Renata Malta (Fic, PE)
Curtas-metragens
Tommy Brilho, de Sávio Fernandes (Fic, CE)
Vivi Lobo e o Quarto Mágico, de Isabelle Santos e Edu MZ Camargo(Ani, PR)
A Margem do Universo, de Tiago Esmeraldo (Fic, DF)
3 x Melhor, de Andriolli Araújo (Doc, MA)
Lembra, de Leonardo Martinelli (Fic, RJ)
O Mistério da Carne, de Rafaela Camelo (Fic, SP)
Longas-metrangens
Espero tua (re)volta, de Eliza Capai (Doc, SP)

Sábado, 3/8 - 19h30

Curtas-metragens
Trip & Treasure, de Estúdio Escola de Animação (Ani, RJ)
Pogrom, de Guilherme Folly e Fernanda Cavalcanti (Fic, RJ)
Homenagem à atriz Drica Moraes – Troféu Calunga de Ouro
Longas-metragens
O Corpo É Nosso!, de Theresa Jessouroun (Doc, RJ)
Teoria do ímpeto, de Marcelo R. Faria e Rafael Moura (Fic, DF)

Domingo, 4/8 - 19h30

Encerramento - Entrega de prêmios
Local: Cinema São Luiz
Acesso: Gratuito com retirada de ingresso na bilheteria do cinema

Últimas notícias