LUTO

Naná Vasconcelos começou a vida de músico tocando na noite com o pai

Quando conseguiu comprar a primeira bateria, logo se destacou como um dos melhores bateristas de jazz do Recife

José Teles
José Teles
Publicado em 09/03/2016 às 8:33
Foto: Ricardo B. Labastier/JC Imagem
FOTO: Foto: Ricardo B. Labastier/JC Imagem
Leitura:

Juvenal de Holanda Vasconcelos, olindense de Sítio Novo, começou a vida de músico ainda de calças curtas, tocando na noite com o pai, manejando as maracas e um bongô, numa época em que nos cabarés e gafieiras dançava-se merengues, boleros, mambos, cha-cha-chas, ritmos caribenhos em geral. Influenciado pelo jazz que escutava na rádio Voz da América. Entre programas de catequização ideológica, a emissora tocava Duke Ellington, Count Basie, Dizzy Gillespie, Art Blakey. Quando ele conseguiu comprar a primeira bateria, logo se destacou como um dos melhores bateristas de jazz do Recife. Quando ele foi para o Rio, tinha um compromisso assumido consigo mesmo. Conhecer Milton Nascimento, revelado no Festival Internacional da Canção de 1967.

Fascinado pela música de Milton Nascimento, que não se encaixava em nenhuma corrente da MPB da época, Naná Vasconcelos foi à casa dele lhe dizer que tinha vindo do Recife para tocar com ele. Como Milton pareceu duvidar de sua capacidade, Naná contou que lhe fez uma demonstração com o que encontrou na cozinha, panelas, frigideiras, canecos.

Até então, não existia na música popular a figura do percussionista. Os instrumentos de percussão utilizados nos grupos eram quase todos de origem cubana, e tocados por um ritmista: “Quando cheguei no Rio encontrei Dom Um Romão, Edison Machado e Victor Manga, grandes bateristas que tocavam bossa nova, ou samba jazz. Ficava difícil pra mim, que vim do Nordeste, me encaixar naquela cena. Então encontrei Milton, que precisava de mim, como eu precisava dele”, explicou Naná Vasconcelos em entrevista a Scott Robinson, da revista americana Modern Drummer.

Foi a pessoa certa no lugar certo. Em 1969, o tropicalismo tinha botado lenha na fogueira da música popular. Mesmo com muita gente concluindo que a melhor saída para os músicos brasileiros era a do aeroporto, a MPB fervia e parecia estar esperando pelo pernambucano Juvenal.

Ele se tornou figura emblemática do udigrudi nacional, onipresente em discos de Jards Macalé, Equipe Mercado, Mutantes, para quem fez a percussão de 'Ando Meio Desligado', no LP 'A Divina Comédia'. “Teve noite de eu tocar com Milton e sair correndo para chegar a tempo de fazer o show de Gal Costa”, lembrava.

De repente não era o cara do pandeiro, da tumbadora, das maracas, nem o baterista. Era todos em um: “Acrescentei instrumentos de percussão à bateria. Acabou o ritmista, surgiu o percussionista”, diz Naná, lembrando que ao mesmo tempo, em São Paulo, o paranaense Airto Moreira também reinventava a bateria. Dentro de poucos anos, os dois mostrariam ao mundo a percussão brasileira, que seria copiada mundo afora. 

Mas foi com Milton Nascimento que ele forjou seu estilo, em que camadas sonoras superpostas substituíram o baticum de tambores, caixas, pandeiros “A música de Milton não era bossa, não era samba. Em vez de fazer o ritmo, comecei a improvisar, imaginar uma paisagem para aquela música, criar sons para ilustrar as letras das músicas”, explica Naná Vasconcelos.

Ele trouxe para sua percussão o improviso do jazz que escutava quando adolescentes, os andamentos. A liberdade que descobriu nos discos de Jimi Hendrix aplicou na forma de tocar berimbau: “Não era simplesmente um instrumento feito para ser tocado na capoeira. Era um instrumento para ser tocado. Escutando Hendrix vi que os instrumentos não tem limitações”.

Foto: Ricardo B. Labastier/JC Imagem
Percussionista Naná Vasconcelos morre no Recife aos 71 anos - Foto: Ricardo B. Labastier/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Músico estava internado devido a complicações causadas por um câncer de pulmão - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem
Naná Vasconcelos começou a vida de músico tocando na noite com o pai - Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Naná Vasconcelos teve uma parada respiratória e veio a falecer nesta quarta-feira - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Autodidata, Naná Vasconcelos conquistou o mundo e virou mestre da percussão - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Ricardo B. Labastier/JC Imagem
Naná Vasconcelos ficou marcado na memória do pernambucano como o mestre dos mestres dos maracatus - Foto: Ricardo B. Labastier/JC Imagem
Foto: Ricardo B. Labastier/JC IMAGEM
Naná começou sua carreira internacional no começo dos anos 60 - Foto: Ricardo B. Labastier/JC IMAGEM
Foto: Chico Porto/Acervo JC Imagem
Naná disse que aprendeu a fazer música na vida: "Sou autodidata. Me sinto feliz em poder ensinar" - Foto: Chico Porto/Acervo JC Imagem
Foto: Chico Porto/Acervo JC Imagem
O corpo do músico será velado na Assembleia Legislativa, a partir das 14h desta quarta-feira (9). - Foto: Chico Porto/Acervo JC Imagem
Foto: Guga Matos/ JC Imagem
O enterro de Naná Vasconcelos será na quinta-feira (10), às 10h, no cemitério de Santo Amaro. - Foto: Guga Matos/ JC Imagem
Foto: Igo Bione/Acervo JC Imagem
Naná deixou a esposa Patrícia e a filha Luz Morena. - Foto: Igo Bione/Acervo JC Imagem
Foto: Michele Souza/Acervo JC Imagem
Percussionista de mão cheia, Naná disse em uma entrevista: "O berimbau me escolheu". - Foto: Michele Souza/Acervo JC Imagem
Foto: Priscilla Buhr/Acervo JC Imagem
Na sua discografia, há parcerias com B.B. King, Talking Heads, Gipsy Kings e muitos outros. - Foto: Priscilla Buhr/Acervo JC Imagem
Foto: Rodrigo Lobo/Acervo JC Imagem
O percussionista pernambucano recebeu oito Grammys, um dos maiores prêmios de música do mundo - Foto: Rodrigo Lobo/Acervo JC Imagem
Foto: Rodrigo Lobo/Acervo JC Imagem
A genialidade de Naná Vasconcelos foi reconhecida no Brasil e no mundo. - Foto: Rodrigo Lobo/Acervo JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
- Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Ricardo B. Labastier/JC Imagem
- Foto: Ricardo B. Labastier/JC Imagem
Foto: Ricardo B. Labastier/JC Imagem
- Foto: Ricardo B. Labastier/JC Imagem
Foto: Ricardo B. Labastier/JC Imagem
- Foto: Ricardo B. Labastier/JC Imagem
Dayvison Nunes / JC Imagem
- Dayvison Nunes / JC Imagem
Foto: Guga Matos/ JC Imagem
- Foto: Guga Matos/ JC Imagem

Últimas notícias