NOBEL

Bob Dylan: Amy Winehouse foi a última artista original

Em entrevista publicada no seu site, Bob Dylan comentou que gosta de artistas como Valerie June, Imelda May e Stereophonics

AFP
AFP
Publicado em 23/03/2017 às 18:44
Divulgação
Em entrevista publicada no seu site, Bob Dylan comentou que gosta de artistas como Valerie June, Imelda May e Stereophonics - FOTO: Divulgação
Leitura:

Bob Dylan elogiou Amy Winehouse, classificando-a como a última grande artista com estilo próprio, durante uma entrevista incomum publicada nesta quinta-feira no site do lendário músico americano.

Em uma longa conversa com o escritor e jornalista Bill Flanagan, o último vencedor do Prêmio Nobel de Literatura fez elogios à cantora britânica de soul que faleceu em 2011, aos 27 anos.

"Ela foi a última grande personalidade que viveu por aqui", considerou.

Bob Dylan, de 75 anos, também elogiou duas cantoras vivas influenciadas pelo blues e folk, Valerie June e Imelda May. E, inesperadamente, disse gostar do trabalho da banda galesa de rock Stereophonics.

O compositor também falou de forma muito positiva sobre a lenda do folk Joan Baez, com quem namorou durante um período. O casal terminou nos anos 1960 e, décadas mais tarde, Dylan se desculpou pela forma como a tratou.

"Sua voz era como uma sirene de alguma ilha grega. Apenas o som de sua voz te fascinava, era encantadora", sustentou.

"Você teria que se agarrar a um mastro como em Odisseia e tapar os ouvidos para não escutá-la. Ela fazia você se esquecer quem era", contou, fazendo referência ao poema épico de Homero.

TRIPLICATE

O artista, que faz poucas declarações públicas, praticamente não falou sobre o prêmio Nobel e não viajou à Suécia para recebê-lo.

Concordou em conversar com Bill Flanagan antes do lançamento de "Triplicate", uma coleção de três discos que começará a ser vendida em 31 de março, no qual canta músicas popularizadas por Frank Sinatra.

Para Bob Dylan, reinterpretar a música faz parte da criatividade. "Sempre há um precedente, quase tudo é cópia de alguma outra", disse, indicando que os compositores muitas vezes se inspiram em artigos da imprensa, ou em romances.

"Uma vez que você tem a ideia, tudo que vê, lê, saboreia e cheira se torna uma alusão a isso. É a arte de transformar as coisas", disse.

"Você não serve à arte, a arte serve a você e é apenas uma expressão da vida, não é a vida real", declarou.

Em outro momento da entrevista, ironizou sobre sua reputação de ser um pouco insensível com outros músicos com quem compartilha o palco.

"Mas por que eles querem sair comigo? Eu saio com a minha banda quando estou em turnê".

Questionado sobre o que vê na televisão de seu ônibus quando está em turnê, Dylan respondeu, provavelmente de maneira sarcástica: "'I Love Lucy', o tempo todo, sem parar".

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias