Mercado Financeiro

Inquietações na Eurozona penalizam bolsas asiáticas

O Nikkei de Tóquio perdeu 3,02% ao fechamento, Hong Kong 0,99%, Sydney 1,57% e Seul 1,74%, arrastados por Wall Street

Da AFP
Da AFP
Publicado em 06/01/2015 às 10:02
Foto: KAZUHIRO NOGI / AFP
O Nikkei de Tóquio perdeu 3,02% ao fechamento, Hong Kong 0,99%, Sydney 1,57% e Seul 1,74%, arrastados por Wall Street - FOTO: Foto: KAZUHIRO NOGI / AFP
Leitura:

As bolsas asiáticas sofreram quedas nesta terça-feira, penalizadas pelas inquietações provocadas pela conjuntura europeia, pela hipótese de uma saída da Grécia da Eurozona e pela queda dos preços do petróleo.

O Nikkei de Tóquio perdeu 3,02% ao fechamento, Hong Kong 0,99%, Sydney 1,57% e Seul 1,74%, arrastados por Wall Street, que registrou fortes perdas na segunda-feira.

A bolsa de Xangai fechou em leve alta de 0,93 ponto.

No mercado de divisas, o dólar se situava a 118,94 ienes às 06h00 GMT (04h00 de Brasília), em queda em comparação com a véspera.

O euro, que acaba de fechar seu pior ano desde 2005 diante do dólar, se recuperava sensivelmente, a 1,1943 dólar contra 1,1864 de segunda-feira, seu nível mais baixo desde março de 2006.

Mas a moeda única europeia seguia submetida à pressão e caía diante da divisa japonesa, a 142,22 ienes, entre outras razões pelas declarações do presidente do Banco Central Europeu (BCE) que evocou na semana passada novas medidas diante do risco de deflação na Eurozona.

O BCE pode lançar um programa de flexibilidade quantitativa, seguindo os passos do Federal Reserve americano (Fed) nos últimos anos até outubro, o que significaria injetar liquidez no sistema financeiro da zona euro para estimular a atividade econômica e a inflação.

Neste contexto, o BCE pode comprar obrigações de países da zona euro em situação de grande dificuldade financeira, considerados como ativos de alto risco.

Muitos observadores advertem que a inflação se encontra em zona negativa desde dezembro na zona euro. Uma primeira estimativa oficial será publicada na quarta-feira.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias