e-comerce

Venda de comércio eletrônico cresce 37% no Natal, impulsionada por Black Friday

Foram feitos 15,2 milhões de pedidos, com gasto médio de R$ 388, entre os dias 15 de novembro e 24 de dezembro

Da Folhapress
Da Folhapress
Publicado em 26/12/2014 às 13:37
Foto: USP Imagens
Foram feitos 15,2 milhões de pedidos, com gasto médio de R$ 388, entre os dias 15 de novembro e 24 de dezembro - FOTO: Foto: USP Imagens
Leitura:

O comércio eletrônico faturou R$ 5,9 bilhões no período de Natal, o que representa crescimento nominal de 37% em relação ao mesmo período do ano passado.

Foram feitos 15,2 milhões de pedidos, com gasto médio de R$ 388, entre os dias 15 de novembro e 24 de dezembro de 2014, período considerado para calcular as vendas de Natal.

O resultado superou a previsão inicial de faturar R$ 5,2 bilhões, segundo a E-bit, empresa especializada em informações do comércio eletrônico.

EFEITO BLACK FRIDAY - A empresa atribui o desempenho positivo das vendas ao efeito Black Friday, que ocorreu no dia 28 de novembro e representou 20% de todo o faturamento.

Segundo a e-bit, o ingresso de 1,5 milhão de novos consumidores no Natal também colaborou para o crescimento do e-commerce no país.

Entre as categorias com maior quantidade de encomendas feitas pelos consumidores foram moda e acessórios; cosméticos, perfumaria e saúde; eletrodomésticos; telefonia, celulares informática.

MEIOS DE PAGAMENTO - A empresa também registrou avanço nas compras feitas por aparelhos móveis.

Neste ano representaram 8,8% do faturamento --o que representa crescimento de 82% em relação ao mesmo período do ano passado-- e 8,8% do total de pedidos, incremento de 96%.

Segundo a empresa, uma das explicações é que os novos consumidores nunca tiveram acesso à internet com computadores tradicionais, como internautas que antes usavam desktop e notebook, mas têm smartphones e tablets.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias