BRASIL

Cepal revê previsão de PIB do País para -3,5% em 2015 e vê recuo de 2% em 2016

A Comissãol lembra que a presidente Dilma Rousseff alterou a direção de política econômica no seu segundo mandato

Lucas Moraes
Lucas Moraes
Publicado em 17/12/2015 às 14:27
Foto: JC Imagem
A Comissãol lembra que a presidente Dilma Rousseff alterou a direção de política econômica no seu segundo mandato - Foto: JC Imagem
Leitura:

A Comissão Econômica para América Latina e o Caribe (Cepal) reviu suas projeções e agora estima que a economia brasileira terá contração de 3,5% este ano, seguida de recessão de 2% em 2016. Em julho, a estimativa é que o PIB encolheria apenas 1,5% este ano. Segundo o órgão da ONU, a recessão é provocada por uma forte queda nos investimentos e o menor consumo das famílias.

A Cepal lembra que a presidente Dilma Rousseff alterou a direção de política econômica no seu segundo mandato, para tentar retomar o superávit primário e controlar a expansão da dívida pública. "Entretanto, o Congresso realizou uma ampla revisão de várias propostas do governo, como a abrangência e início das medidas de ajuste, e ainda não se pronunciou sobre outras ações", aponta o relatório.

O texto explica que a forte contração na atividade afetou a arrecadação e o governo ainda teve de lidar com os passivos não contabilizados com os bancos públicos - as chamadas pedaladas fiscais - que equivalem a mais de 1% do PIB. "Devido aos menores níveis de produção, vendas, emprego, salários, importações e operações de crédito, a estrutura tributária registrou uma queda de arrecadação que alcançou 5,4% em termos reais entre janeiro e outubro."

No âmbito da política monetária, a Cepal lembra que o Banco Central subiu os juros de 11,75% para o nível atual de 14,25%. Além disso, os bancos se tornaram mais seletivos na liberação de crédito. "Diferentemente de 2014, os bancos públicos não adotaram medidas contracíclicas em 2015 e acompanharam os bancos privados com uma menor expansão das suas operações de crédito."

A Cepal aponta que para 2016 o governo tenta ressuscitar a CPMF e está implementando uma reforma administrativa para diminuir os gastos correntes, além de ter postergado o reajuste dos servidores públicos.

"As dificuldades no cenário político, a incerteza sobre a implementação de medidas fiscais, o reduzido impacto da política monetária na inflação, junto com a volatilidade cambial e a falta de dinamismo do comércio exterior, compõem um ambiente difícil para a tomada de decisões, tanto por parte dos investidores como dos consumidores", diz a entidade.

 

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias