Pesquisa

Medo do desemprego é o maior já registrado entre os brasileiros

Manutenção da recessão econômica e aumento da desocupação reforçam temor

Da editoria de Economia,
Da editoria de Economia,
Publicado em 19/07/2016 às 6:38
Foto: Bobby Fabisak/ Acervo JC Imagem
Manutenção da recessão econômica e aumento da desocupação reforçam temor - FOTO: Foto: Bobby Fabisak/ Acervo JC Imagem
Leitura:

Com o País caminhando para mais um ano de forte recessão econômica, o brasileiro nunca teve tanto medo de ficar sem trabalho como agora.  O Índice de Medo do Desemprego medido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) chegou ao maior valor da história em junho deste ano, superando o temor registrado em julho de 1999, quando o Brasil vivia uma grave crise cambial com uma expressiva desvalorização do real (confira a série completa abaixo).

Se comparado a março deste ano, o indicador sobre o medo de perder o emprego subiu 1,9%. Em relação a junho do ano passado, o temor de ficar sem trabalho saltou 4,2%. Já o Índice de Satisfação com a Vida dos brasileiros melhorou no mês passado, com um crescimento de 0,8% em relação março. 

Ainda assim, o indicador acumula uma queda de 2,6% na comparação com junho do ano passado. E, considerando toda a série histórica da pesquisa, a satisfação dos brasileiros no mês foi a segunda pior já registrada na pesquisa, que é feita pela CNI em parceria com o Ibope. Para se chegar aos resultados, o Ibope entrevistou 2002 pessoas em 141 municípios entre os dias 24 e 27 de junho.

A crise brasileira é determinante para o aumento do temor do desemprego. Atualmente, existem cerca de 12 millhões de desempregados, mais de 60 milhões de pessoas com o nome sujo na praça, a inflação (embora caminhe para um patamar menore) segue acima da meta, a produção está em queda e o comércio varejista amarga números negativos. Ainda assim, há uma percepção de que a situação já esteve pior. 

Uma pesquisa divulgada no sábado (16) pelo Datafolha, por exemplo, mostra que os brasileiros estão mais otimistas em relação ao futuro da economia. A confiança dos entrevistados está associada à queda da inflação, ao aumento do poder de compra e, curiosamente, ao risco menor de desemprego. A pesquisa também avaliou o momento político do País.

Sobre a economia, o Índice Datafolha de Confiança (IDC) cresceu 11 pontos nos últimos cinco meses, registrando 98 pontos, a melhor pontuação desde o final de 2014, quando chegou a 121 pontos. Segundo a Folha, o IDC registrou melhora em cinco dos sete indicadores que compõem o índice geral. 

O maior salto foi em relação à expectativa de avanço da situação econômica do País, em que o IDC passou de 78 para 112 pontos. Em referência à perspectiva pessoal dos entrevistados, o aumento foi de 17 pontos, de 128 para 145. Pela metodologia do Datafolha, índices acima de 100 são considerados positivos e, abaixo, negativos. 

O levantamento aponta que os problemas do cotidiano como emprego, poder de compra e inflação continuam sendo considerados negativos. Mas todos os índices, diferentemente do estudo da CNI, melhoram na comparação com levantamento feito em fevereiro deste ano. 


JC-ECO0719_SET01_DESEMPREGO_WEB

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias