REFORMA

Previdência: Plenário rejeita pagamento integral em todos os casos

Destaque foi rejeitado por 340 votos a 129

Katarina Moraes
Katarina Moraes
Publicado em 12/07/2019 às 20:34
Notícia
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Destaque foi rejeitado por 340 votos a 129 - FOTO: Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Leitura:

O plenário da Câmara rejeitou nesta sexta-feira, 12, por 340 votos a 129, o destaque nº 13, do PT, que previa o pagamento integral da aposentadoria em todos os casos, já a partir do tempo mínimo de contribuição. A estimativa de parlamentares da base é de que o impacto dessa emenda na economia total da reforma em dez anos seria de R$ 134,2 bilhões. Foi o último destaque analisado pela Câmara antes da comissão especial.

Agora, o plenário vota uma emenda de redação resultado de um acordo fechado ontem com a bancada evangélica. A proposta busca deixar expresso que a renda considerada para que o dependente na pensão por morte receba menos de um salário mínimo é formal.

> Câmara mantém regras sobre cálculo da pensão por morte na reforma

> Plenário aprova destaque que reduz idade de professores na transição

Comissão especial

Foi convocada reunião da comissão especial da reforma da previdência para ser realizada após a votação de destaques. Regimentalmente, o texto precisa voltar para a comissão após ser aprovado em primeiro turno, para então voltar ao plenário, e estar pronto para a votação em segundo turno.

O destaque 13, que foi rejeitado há pouco, buscava suprimir a regra criada no texto-base da reforma da Previdência - aprovado essa semana no Plenário -, que estabelece o pagamento inicial de 60% da média de todos os salários de contribuição dos beneficiários. A cada ano a mais de trabalho, aumenta-se 2 pontos porcentuais nesse valor, até chegar a 100% após 35 de contribuição para mulheres, e 40 anos para os homens.

O texto-base da Previdência foi aprovado na última quarta-feira (10), por 379 votos a 131 no plenário.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias