Monumentos

De barquinho, turista pode revisitar um Recife pouco explorado

O Farol da Barra e as ruínas do Forte do Picão estão no roteiro nada convencional da La Ursa Tours

Mona Lisa Dourado
Mona Lisa Dourado
Publicado em 28/07/2019 às 7:03
Notícia
Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
FOTO: Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
Leitura:

Por muito tempo a primeira imagem vista por visitantes que chegavam por mar ao Estado, o Farol da Barra e as ruínas do Forte do Picão, na entrada do Porto do Recife, são quase desconhecidos dos pernambucanos. A maioria não sabe também que os monumentos ilustram o brasão da bandeira estadual. Essas são duas das descobertas que surpreendem os turistas no Tour da Lua Cheia, um dos passeios criativos realizados pela La Ursa Tours.

Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
- Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
- Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
- Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
v
- v
v
- v
Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
- Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
- Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
- Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
- Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
- Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
- Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
- Foto: Filipe Jordão/JC Imagem

Neste caso, o transporte é feito em baiteras, os pequenos barquinhos a motor que partem do Marco Zero e seguem margeando o Cais da Alfândega até os arrecifes, onde os turistas caminham por cerca de 20 minutos. Além de aprender sobre a arquitetura e a história dos monumentos – o forte, por exemplo, foi demolido em 1910 durante as obras de modernização do porto –, a ideia é apreciar o espetáculo de cores no pôr do sol entre Recife e Olinda e ficar para ver a lua cheia nascer.

Patrimônio

A experiência renova o olhar sobre as cidades, mas poderia ser ainda melhor se o poder público investisse na limpeza e na conservação do patrimônio – não há nenhuma placa indicativa da importância do lugar. "Na Europa um local como esse seria um ponto turístico super valorizado", atesta a professora alemã radicada em São Paulo, Katrin Roth, 40, uma das turistas que conheceram o espaço com a La Ursa na última semana.

Últimas notícias