Seleção

Dunga evita euforia por vitórias e diz que foco serão as Eliminatórias

"A seleção teve um bom ano, mas não podemos nos acomodar e achar que está tudo resolvido", declarou o técnico da seleção brasileira

Da Folhapress
Da Folhapress
Publicado em 26/12/2014 às 20:01
Foto: JEFF ZELEVANSKY / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP
"A seleção teve um bom ano, mas não podemos nos acomodar e achar que está tudo resolvido", declarou o técnico da seleção brasileira - FOTO: Foto: JEFF ZELEVANSKY / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP
Leitura:

Treinador da seleção brasileira desde o término da última Copa do Mundo, o gaúcho Dunga elogiou o desempenho do time nacional sob o seu comando nos amistosos realizados no segundo semestre deste ano.

No entanto, o técnico evitou se mostrar eufórico com os resultados da equipe brasileira durante a sua segunda passagem e cobrou dos jogadores uma maior regularidade em 2015, ano em que a seleção disputará a Copa América no Chile.

"A seleção teve um bom ano, mas não podemos nos acomodar e achar que está tudo resolvido. Seleção é assim: temos que buscar a cada dia e a cada instante", limitou-se a dizer Dunga, em entrevista à ESPN Brasil nesta sexta-feira (26).

Dunga está em Porto Alegre para participar de uma partida beneficente promovida pelo jogador argentino D'Alessandro, do Internacional, neste sábado (27), a partir das 17h. O evento, chamado de "O Lance de Craque", reunirá jogadores do presente e passado em benefício de entidades assistenciais.

O comandante do Brasil afirmou ainda que o foco da seleção a partir da próxima temporada será as Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2018, o que coloca a Copa América em segundo plano.

"O foco é as Eliminatórias. A Copa América tem, o Chile vai jogar em casa e vai ser difícil, mas as Eliminatórias vão ser mais complicadas porque são quatro anos, é um grande caminho que vai ser árduo para todos nós", completou Dunga.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias