arbitragem

Deborah Cecília segue mais um ano no quadro internacional da FIFA

A árbitra pernambucana é uma das cinco brasileiras da lista da entidade internacional

Karoline Albuquerque
Karoline Albuquerque
Publicado em 31/01/2020 às 11:52
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
A árbitra pernambucana é uma das cinco brasileiras da lista da entidade internacional - FOTO: Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Leitura:

A CBF divulgou a lista de árbitros e auxiliares de arbitragem brasileiros que vão receber o escudeto da Fifa na próxima segunda-feira (3). Entre os profissionais, a pernambucana Deborah Cecília segue no quadro internacional de arbitragem. Ela compõe o quadro desde o ano de 2017.

Deborah destaca que este é o patamar onde todos os árbitros desejam estar. "Somos em dez mulheres, cinco árbitras e cinco assistentes em todo o Brasil. O país é grande e todo mundo quer estar no topo da arbitragem. É chegar no patamar mais alto. Comparo com a hierarquia de cabo, soldado", disse a pernambucana, em entrevista ao Blog do Torcedor, nesta sexta-feira (31).

Atualmente, Deborah Cecília é a única representando do estado no quadro. Por isso, ela se sente privilegiada. "Não é fácil. É muito difícil chegar e se manter mais difícil ainda. Somos sempre cobrados por poder dar mais. Já é diferenciado. Não pode ter erro. A gente sabe que na arbitragem nada é 100%, como na vida", emendou.

Entre as competições internacionais apitadas pela árbitra, além de amistosos de seleções femininas, estão os Jogos Pan-Americanos 2019 de Lima e a Sul-Americana 2018. Deborah também foi árbitra reserva no jogo da seleção brasileira pré-olímpica no jogo disputado em Pernambuco no ano passado.

Dentro do Brasil, ela é escalada para o Campeonato Pernambucano, Copa do Nordeste e a Série B do Campeonato Brasileiro. Apitar a Segundona, inclusive, foi a quebra de uma escrita em seu primeiro jogo em 2017. Uma mulher não mediava uma partida desta divisão desde 2005. Deborah Cecília foi também a primeira mulher a apitar um clássico pernambucano depois de 25 anos, também em 2017.

Mesmo feliz com a renovação, a árbitra lembra que, no Brasil, os profissionais de arbitragem não têm carteira assinada e remuneração fixa. "Eu trabalho em uma empresa. Eu comparo que o jogador treina no campo de manhã e musculação à tarde. Árbitro trabalha de manhã, de tarde e treina à noite. Quando está escalado, falta trabalho porque viaja. É uma correria no dia a dia", relatou.

Por fim, Deborah Cecília revela que o sonho de todo árbitro quando chega ao patamar Fifa é apitar uma Copa do Mundo. "O árbitro tem que estar pronto o tempo todo. Não sabe quando vem designação, curso fora, jogo, competição fora do país. Nunca sabe o que vai acontecer. Todo mundo sonha fazer uma Copa do Mundo. Tem que abrir mão de muita coisa", completou.

LISTA

Além da pernambucana, outros 21 árbitros, árbitras e assistentes foram renovados no quadro. Apenas oito são novatos: os assistentes Bárbara Roberta da Costa Loiola (PA), Fabrini Bevilaqua Costa (SP), Fernanda Nandrea Gomes Antunes (MG) e Rafael da Silva Alves (RS); e os árbitros Bruno Arleu de Araújo (RJ), Charly Wendy Straud Deretti (SC), Flávio Rodrigues de Souza (SP) e Rafael Traci (SC).

Os profissionais receberão o escudeto em cerimônia na sede da CBF, no Rio de Janeiro. Depos, Leonardo Gaciba, presidente da Comissão de Arbitragem da entidade, vai apresentar o balanço do ano passado, mostrando também números e análises da estreia do árbitro de vídeo (VAR) no Brasileirão. 

Últimas notícias