Vôlei

Ex-levantador Ricardinho tem contas bloqueadas

Ex-atleta é suspeito de desviar recursos da Prefeitura de Maringá

Luana Ponsoni
Luana Ponsoni
Publicado em 19/12/2018 às 10:44
CBV/Divulgação
Ex-atleta é suspeito de desviar recursos da Prefeitura de Maringá - CBV/Divulgação
Leitura:

O ex-jogador de vôlei Ricardinho, de 43 anos, teve contas bancárias e quatro automóveis bloqueados em um processo por suspeita de desvio de recursos da Prefeitura de Maringá-PR. O bloqueio, que atinge as contas de Ricardinho, da sogra dele, Maria do Carmo Panza, do advogado Rogério Rodrigues e da Maringá Vôlei, empresa presidida pelo ex-atleta, foi determinado pela 2ª Vara da Fazenda Pública de Maringá.

A ação foi proposta pelo Ministério Público (MP) em função de dois eventos de vôlei financiados pela prefeitura de Maringá em 2014: a Liga Mundial de Vôlei (foram dois jogos da seleção brasileira contra a Polônia) e a Copa do Brasil de Vôlei.

A empresa Vôlei Brasil Centro de Excelência, mais conhecida pelo nome fantasia Maringá Vôlei, presidida por Ricardinho, foi a organizadora dos eventos por indicação da Confederação Brasileira de Vôlei. Os eventos custaram R$ 880 mil ao município, mas foram comprovados apenas R$ 204 mil pela empresa, de acordo com o MP.

ACUSAÇÃO

A acusação aponta que R$ 255 mil foram direcionados para as contas bancárias privadas de Ricardinho e da sogra dele. Rogério Rodrigues estaria envolvido por ter sacado R$ 550 mil repassados pela prefeitura em espécie. Procurado pelo Estado, o ex-levantador afirmou que vai se pronunciar por meio de uma nota à imprensa. O escritório de advocacia que defende o Maringá Vôlei informou que ainda não foi notificado do bloqueio das contas.

Com uma carreira de sucesso na seleção brasileira, que inclui a conquista de um ouro olímpico, em Atenas-2004, e dois títulos mundiais, Ricardinho anunciou sua aposentadoria das quadras em julho aos 42 anos.

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias