pernambucano

Evandro Carvalho responsabiliza FPF por confusão no Lacerdão

O presidente da Federação Pernambucana de Futebol, Evandro Carvalho, colocou a culpa na incompetência da entidade em não verificar o vestiário antes do jogo

Gabriela Máxima
Gabriela Máxima
Publicado em 11/02/2020 às 11:50
Notícia
Bobby Fabisak/JC Imagem
O presidente da Federação Pernambucana de Futebol, Evandro Carvalho, colocou a culpa na incompetência da entidade em não verificar o vestiário antes do jogo - Bobby Fabisak/JC Imagem
Leitura:

O presidente da Federação Pernambucana de Futebol (FPF), Evandro Carvalho, se responsabilizou pelo problema de higiene do vestiário do Lacerdão, em Caruaru, no jogo entre Decisão e Sport, no último domingo. O mandatário disse que a culpa foi da entidade, que tinha a obrigação de conferir os vestiários antes da partida, o que não aconteceu. Por conta de sujeira no local, o diretor do Sport Fred Domingos reclamou e disse que o vestiário parecia uma "verdadeira pocilga". O presidente do Central, Alexandre Leite, rebateu o rubro-negro, gerando uma confusão extracampo.

Evandro Carvalho se responsabilizou pela situação e disse que a entidade não teve competência para fazer cobranças. "Primeiro a responsabilidade foi toda da Federação. Temos um delegado em campo para isso. A obrigação do delegado é ir nos vestiários, verificar. E por falta de atenção gerou esse problema todo. Temos esse problema em alguns locais. Por exemplo, as prefeituras não têm dinheiro para investir. O Petrolina poderia ter uma gramado perfeito, mas não tem. Deixou a desejar. A situação no Central foi absoluta falta de competência nossa. O gerente abriu um vestiário que não existia, que não estava em uso", comentou o mandatário, em entrevista ao programa Bate Rebate, da Rádio Jornal.

MUDANÇA DE CALENDÁRIO

O presidente da FPF também falou sobre o problema do calendário de competições do País. Essa semana, por exemplo, Náutico, Santa Cruz e Sport disputam três partidas em três competições distintas. São elas: Pernambucano, Copa do Brasil e Copa do Nordeste. Por conta do calendário apertado, os clubes precisam priorizar alguns torneios em detrimento de outros. O Estadual geralmente fica em terceiro plano. Evandro disse que esse é um problema crônico e só poderá ser mudado em 2022, quando a Confederação Brasileira de Futebol vai alterar seu calendário.

"Temos um crônico problema no Brasil que agravou nos últimos anos. Tentamos levar a Copa do Nordeste para o segundo semestre, mas a Liga não aceitou. Por exemplo, Se o Bahia, que vai disputar a Libertadores, chegar à final do Estadual, o Campeonato Baiano só vai terminar depois de 50 dias", exemplificou o presidente, que defendeu o torneio local. "Temos um produto estadual extraordinário, que fortalece e renova a existência das torcidas, mantém a tradição das torcidas locais. A permanência do Estadual permite que aconteça esse envolvimento do estado, das prefeituras municipais. Isso está sendo atropelada pela falta de datas. Temos uma lei que não permite que o jogador atue em menos de 72h. É ruim porque a equipe não se firma. O público não sabe identificar quem é o ídolo. Todos os jogadores precisam jogar e crescer. É um grave problema que só conseguiremos resolver em 2022 porque haverá uma reformulação do calendário nacional", argumentou.    

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias