olimpíada

Rio 2016: Dia mais crítico para segurança foi superado, diz ministro da Defesa

Segundo o ministro da Defesa, Raul Jungmann, todos os boatos de ação terrorista serão verificados

Da Editoria de Brasil
Da Editoria de Brasil
Publicado em 08/08/2016 às 10:28
Leitura:

Para o ministro da Defesa, Raul Jungmann (PPS-PE), a população do Rio de Janeiro já pode respirar mais tranquila porque o dia mais crítico para a área de segurança durante os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, que era a Cerimônia de Abertura, foi superado sem maiores incidentes. Em entrevista à Rádio Jornal na manhã desta segunda-feira (8), Jungmann voltou a afirmar que não há nenhuma ameaça potencial de atentado terrorista identificada pelos sistemas de informação e inteligência que atuam na Rio 2016.

"Nós vencemos o dia mais crítico, que foi a abertura. Você tinha 700 ônibus para monitorar, você tinha a família olímpica, você tinha os mandatários, você tinha a abertura. Você tinha manifestações previstas na Cinelândia, na Soares Pena, na frente da Alerj, da Uerj e na frente Copacabana Palace. Ou seja, você tinha um cenário crítico. E nós conseguimos passar por ele sem maiores problemas", afirmou o ministro.

"Dizer que não vai acontecer nada? Eu adoraria dizer isso. Mas efetivamente a gente tem que acompanhar no dia-a-dia, focado e não perder a atenção. Qualquer fato, seja boato ou denúncia, seja o que for. A gente pediu a colaboração da população para quando ver uma mala, uma mochila, o que for. Nós estamos recebendo uma grande quantidade. E nós vamos a todos eles e vamos verificar", garantiu.

Jungmann lembrou que, em um dia normal, o Rio de Janeiro tem entre 7 mil e 8 mil policiais atuando na área de Defesa Social. Durante as Olimpíadas, 50 mil homens atuam na cidade. No último sábado (6), um dia após a Cerimônia de Abertura dos jogos, o governo federal divulgou uma nota avaliando que o evento "começou bem".

-
-
-
-
-
-

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias