Tragédia

Bombeiros alertam para risco de novo rompimento de barragem em Brumadinho

Dois dias após a tragédia, sirenes de alerta foram acionadas na manhã deste domingo (27)

Anna Tenório
Anna Tenório
Publicado em 27/01/2019 às 7:45
Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros MG
FOTO: Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros MG
Leitura:

As sirenes pelo risco iminente de rompimento de outra barragem foram acionadas neste domingo (27) em Brumadinho, a 60 km de Belo Horizonte, onde na sexta-feira (25) aconteceu uma catástrofe que deixou pelo menos 37 mortos, informaram a empresa Vale e os bombeiros.

Em um comunicado, a Vale informou que acionou as sirenes às 5h30 "ao detectar o aumento dos níveis de água nos instrumentos que monitoram a barragem VI". 

A estrutura é parte da mina Córrego do Feijão, cuja barragem I se rompeu na sexta-feira, uma catástrofe que deixou até agora 37 mortos e quase 300 desaparecidos. 

Comunidades evacuadas

Os bombeiros informaram que as comunidades próximas ao complexo estão sendo evacuadas.  

"Atenção, atenção, evacuação geral da área. Procure o lugar mais alto da cidade. Evacuação de emergência, procure o lugar mais alto da cidade", anunciaram os alto-falantes em Brumadinho durante a madrugada, acordando os moradores da cidade de 39.000 habitantes abalada pela t tragédia de sexta-feira. 

"Imediatamente após o acionamento do alarme, o Corpo de Bombeiros iniciou a evacuação das comunidades que ficam próximas à barragem", declarou Pedro Aihara, tenente e porta-voz do Corpo de Bombeiros.

Os moradores estão sendo levados para as áreas previstas no plano de emergência. 

"Devido ao risco de rompimento da barragem, os trabalhos de busca estão temporariamente interrompidos porque nosso foco agora é a evacuação desta área", anunciou Aihara, em referência à procura de sobreviventes e recuperação de corpos.

O porta-voz destacou que a área conhecida como Parque da Cachoeira, com 25 casas, é o principal ponto de preocupação.

Os trabalhos de busca de sobreviventes na região foram interrompidos no sábado às 20H00 e foram retomados às 4H00 de domingo, antes da nova paralisação poucas horas depois.

As autoridades anunciaram ainda que 296 pessoas continuam desaparecidas. De acordo com a Vale, 252 desaparecidos são funcionários ou trabalhadores terceirizados da empresa. 

A tragédia aconteceu perto das 13H00 de sexta-feira em Brumadinho. O rompimento da barragem provocou rios de lama que destruíram boa parte das instalações do complexo de mineração Córrego do Feijão, assim como outras áreas próximas.

Foto: DOUGLAS MAGNO / AFP
- Foto: DOUGLAS MAGNO / AFP
Foto: DOUGLAS MAGNO / AFP
- Foto: DOUGLAS MAGNO / AFP
Foto: DOUGLAS MAGNO / AFP
- Foto: DOUGLAS MAGNO / AFP
Foto: DOUGLAS MAGNO / AFP
- Foto: DOUGLAS MAGNO / AFP
Foto: DOUGLAS MAGNO / AFP
- Foto: DOUGLAS MAGNO / AFP
Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros MG
- Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros MG
Foto: Reprodução/TV Globo
- Foto: Reprodução/TV Globo
Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros MG
- Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros MG
Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros MG
- Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros MG
Foto: Reprodução/TV Globo
- Foto: Reprodução/TV Globo
Foto: Reprodução/TV Globo
- Foto: Reprodução/TV Globo
Foto: Reprodução/TV Record
- Foto: Reprodução/TV Record
Foto: AFP
Famílias esperam informações de desaparecidos - Foto: AFP
Foto: AFP
- Foto: AFP
Foto: AFP
- Foto: AFP
Foto: AFP
- Foto: AFP

Comunicado da Vale 

"A Vale informa que, por volta das 5h30 deste domingo, acionou as sirenes de alerta na região da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), ao detectar aumento dos níveis de água nos instrumentos que monitoram a barragem VI. Esta barragem faz parte do complexo de Brumadinho. As autoridades foram avisadas e, como medida preventiva, a comunidade da região está sendo deslocada para os pontos de encontro determinados previamente pelo Plano de Emergência. A Vale continuará monitorando a situação, juntamente com a Defesa Civil. Novas informações a qualquer momento."

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias