Cisjordânia

Ban Ki-moon condena colonização israelense na Cisjordânia

Secretário-geral da ONU pediu aos palestinos que mostrem coragem e continuem envolvidos no processo paz

Da AFP
Da AFP
Publicado em 13/10/2014 às 9:07
Foto: AFP
Secretário-geral da ONU pediu aos palestinos que mostrem coragem e continuem envolvidos no processo paz - FOTO: Foto: AFP
Leitura:

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, condenou nesta segunda-feira com firmeza a colonização de Israel na Cisjordânia, ao mesmo tempo que fez um apelo a israelenses e palestinos para que retomem de maneira "imediata" as conversações de paz.

"Condeno de novo firmemente a contínua colonização por parte de Israel", disse Ban em uma entrevista coletiva conjunta com o primeiro-ministro palestino, Rami Hamdala, em Ramallah (Cisjordânia).

Ele pediu aos palestinos que "mostrem coragem e continuem envolvidos no processo paz e aos israelenses que façam o mesmo".

"O tempo joga contra a paz. Precisamos atuar imediatamente para evitar o agravamento do que já é um status quo insustentável", disse Ban.

As negociações de paz estão paralisadas desde abril. Entre julho e agosto, uma nova guerra na Faixa de Gaza entre o movimento islamista palestino Hamas e Israel terminou com 2.200 palestinos mortos e 73 do lado israelense.

Também pediu o fim das "provocações" nos locais sangrados de Jerusalém, poucas horas depois de um confronto entre a polícia israelense e manifestantes palestinos na Esplanada das Mesquitas.

"Estou muito preocupado com as repetidas provocações nos locais sagrados de Jerusalém. Apenas agravam as tensões e devem acabar", completou.

Os jovens palestinos não aceitavam a visita prevista de judeus ortodoxos à Esplanada das Mesquitas, um local sagrado tanto para judeus como para muçulmanos.

Depois de visitar Ramallah, Ban se reunirá durante a tarde com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, em Jerusalém.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias