Coreias

Negociações com Coreia do Norte não chegam a acordo

Segundo autoridades sul-coreanas, os rivais não conseguiram estreitar suas diferenças e discutir ações para acalmar as tensões entre os países

Danilo Galindo
Danilo Galindo
Publicado em 15/10/2014 às 10:25
Foto: KNS / KCNA / AFP
Segundo autoridades sul-coreanas, os rivais não conseguiram estreitar suas diferenças e discutir ações para acalmar as tensões entre os países - FOTO: Foto: KNS / KCNA / AFP
Leitura:

As primeiras negociações entre militares das Coreias do Sul e do Norte em mais de três anos terminaram sem acordo nesta quarta-feira (15). Segundo autoridades sul-coreanas, os rivais não conseguiram estreitar suas diferenças e discutir ações para acalmar as tensões entre os países, após dois tiroteios entre forças militares ocorridos na semana passada.

A reunião foi realizada a portas fechadas em um vilarejo na fronteira. No encontro, a Coreia do Norte reafirmou seu pedido para que os vizinhos proíbam ativistas de lançar balões carregados com folhetos de propaganda contrária ao regime de Kim Jong-un. Enviados da Coreia do Sul, no entanto, responderam que não podem tomar essa decisão porque o país vive uma democracia liberal.

Em entrevista coletiva, o porta-voz do governo sul-coreano, Kim Min-seok, disse que os militares também discutiram as fronteiras navais entre os países, que foram traçadas pela Organização das Nações Unidas (ONU) na década de 50, sem o consenso da Coreia do Norte. 

"A atmosfera das conversas de hoje foi muito séria, porque as Coreias do Sul e do Norte têm o desejo de melhorar suas relações... Mas não conseguiram estreitar suas diferenças", disse Kim. Os dois lados não marcaram uma data para a próxima rodada de negociação.

Na semana passada, a tensão entre os dois países se agravou, com dois casos de trocas de tiros sendo registrados entre suas forças militares. Na última sexta-feira, soldados da Coreia do Norte atiraram contra balões lançados em território vizinho e, no início da semana, a Marinha dos países trocaram tiros "de alerta".

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias